Última modificação em 14 de dezembro de 2020

O que é IFR?

O conceito de IFR (Índice de Força Relativa) foi criado em 1978 pelo analista técnico Welles Wilder e, no mesmo ano, foi publicado no livro “New Concepts in Technical Trading Systems”. A partir dele, foi desenvolvido um sistema gráfico semelhante a um termômetro, que mede as oscilações de preços no mercado.

O IFR, assim, consiste em um gráfico de linha no qual os pontos máximo e mínimo são, respectivamente, 100 e 0. Ele indica a tendência de subida ou descida de preços e é utilizado atualmente por quem trabalha no mercado de ações, para auxiliar nas tomadas de decisões.

Como funciona o IFR?

Por meio de uma equação matemática, o IFR é calculado e um gráfico é gerado. Esse gráfico é disposto paralelamente a outro, o dos preços, com a mesma escala horizontal (que representa o tempo), sendo a vertical ajustada por aritmética.

De acordo com os principais analistas, ao ultrapassar a marca de 70, no eixo vertical, o ativo tem seu preço elevado (overbought), o que quer dizer que muitas pessoas estão comprando-o e ele tende a cair. De maneira análoga, quando abaixo de 30, significa que o preço está muito reduzido (oversold), por conta de muitas vendas realizadas, o que indica uma tendência de subida.

Vale destacar que esses dois pontos no gráfico nem sempre são fixos. Muitos especialistas trabalham com parâmetros diferentes, variando conforme o método de trabalho, para alcançarem a melhor chance de acerto.

Observe a fórmula para o cálculo IFR:

IFR = 100 - (1+FR)

Onde:

Conforme sugerido por Wilder, o padrão para o cálculo do IFR é de 14 períodos ou dias, mas ainda há outros padrões como 9 ou 25 dias. Lembre-se que tanto as perdas quanto os ganhos são representados por números positivos, ou seja, notar as perdas não é tão intuitivo já que a fórmula não resultará em números negativos.

Na prática: os primeiros ganhos médios e as primeiras perdas médias são baseadas nos valores referentes aos 14 primeiros dias:

1oganho médio = soma dos ganhos nos últimos 14 dias/14

1o perda média = soma das perdas nos últimos 14 dias/14

O próximo e os demais cálculos são feitos a partir desses primeiros resultados:

Ganho médio = (ganho médio anterior.13) + ganho atual/14

Perda média = (perda média anterior.13) + perda atual/14

Vamos supor que, após 14 dias, o IFR seja igual a 0. Isso quer dizer que os preços diminuíram todos os dias. Agora imagine que o Índice, após os 14 dias, seja de 100. Isso significa que não houve perdas e o preço subiu todos os dias.

A facilidade de alcançar os níveis de subavaliação ou superavaliação mudam conforme a quantidade de períodos definida. Essa facilidade é maior quanto menor for a quantidade de dias. Por exemplo, é mais provável que um IFR de 12 dias seja superavaliado ou subavaliado que um IFR de 25 dias.

Pode haver divergências no IFR?

Podem sim ocorrer divergências quando o IFR indica uma tendência diferente do mercado. É o que acontece quando o preço de uma ação aumenta duas vezes consecutivas e o gráfico do IFR não responde, ficando abaixo do seu último topo. Neste caso, o Índice está indicando uma possível queda no preço e uma boa oportunidade de venda.

Enfim, apesar desta técnica de análise ter mais de 40 anos, o IFR ainda continua relevante para a análise de mercado, pois é um indicador que aumenta a chance de acerto de uma hipótese quanto à movimentação do mercado. Conhecendo-o, você adquire mais um perfil de investidor do que de especulador.

Termo do dia

NCG – Necessidade de Capital de Giro

O que é NCG – Necessidade de Capital de Giro? A NCG – Necessidade de Capital de Giro – corresponde ao volume de recursos que determinada empresa precisa…