termos

Greenwashing

Autor:Equipe Mais Retorno
Data de publicação:01/10/2021 às 05:22 - Atualizado 18 dias atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O que é greenwashing?

Greenwashing é o ato de promover a sustentabilidade, mas sem, de fato, praticá-la.

Com esse tema em alta na última década, pode parecer atrativo para as empresas converter seus métodos produtivos para aqueles menos agressivos à natureza. 

Porém, fazê-lo de forma errônea ou deliberadamente cometer fraudes para isso pode surtir efeitos completamente opostos aos desejados.

O que pode ser considerado greenwashing?

Veja, na prática, o que configura essa farsa.

Medidas com efeitos colaterais

São aquelas medidas que são facilmente vendidas como sustentáveis mas, nos bastidores, se mostram piores que as práticas mais comuns.

O caso mais emblemático é o dos carros elétricos, que são produzidos com a alegação de que usam uma fonte de energia mais “limpa” que a dos motores a combustão.

A energia elétrica produzida no mundo, porém, vem em sua grande parte da queima de combustíveis fósseis em termelétricas. Ou seja, a emissão de gases poluentes só muda dos motores dos carros para as indústrias.

Através desse exemplo, vemos como é fácil enganar olhos menos atentos com uma “fachada verde”.

Jogo de palavras

No começo do século XXI, as sacolas biodegradáveis estavam sendo cotadas como uma opção mais viável ambientalmente do que as tradicionais. No entanto, o que aconteceu foi uma popularização das oxibiodegradáveis — com “oxi” no começo.

Mais que uma diferença sutil de termos, questiona-se a real capacidade de decomposição das oxibiodegradáveis, que sofrem críticas por supostamente não completarem sua degradação de forma satisfatória.

Aqui não há fraude, pois, tecnicamente, o produto cumpre o que promete. Porém, em uma época na qual se falava muito sobre “biodegradação”, uma sutil alteração de palavras podia ser vista pelo público como forma de indução ao erro.

Propaganda enganosa

Esse é o greenwashing puro e simples: fraude. É muito fácil colocar no rótulo do seu produto um selo verde ou um triângulo de três setas indicando “reciclagem”, sem de fato fazer nada concreto pelo meio ambiente.

Terceirização do dano ecológico

Novamente, não há fraude aqui. Mas, mesmo fazendo o dever de casa, não é apropriado ter fornecedores que fazem o trabalho sujo. De certa forma, se os fornecedores poluem o meio ambiente, seu produto final não é “ecologicamente viável”.

Como evitar o greenwashing?

A sustentabilidade já vem sendo discutida há décadas. Diferente das novas tendências, o empreendedor não pode mais dar aquela de João-sem-braço.

Por mais que, individualmente, não se conheça muito sobre cada trapaça, é importante que empresas de maior porte tenham pessoas ou equipes responsáveis em analisar o que é ecologicamente correto e o que é greenwashing, na empresa e nos fornecedores.

As fraudes são fáceis de evitar. O mais importante aqui é não fazer nada pela intuição ou preguiça e correr o risco de ser exposto nas redes — que, como sabemos, são impiedosas — por mirar em uma “boa ação” e errar o alvo.

Por que o investidor deve entender sobre greenwashing?

Infelizmente, o grande público ainda não se engajou no tema da sustentabilidade. A verdade é que a maior parte das medidas eficazes ainda não são financeiramente viáveis, o que acaba encarecendo os produtos.

Para o empreendedor, a imagem da empresa importa, mas, em um país pobre como o Brasil, o preço reina, na maioria das vezes. Isso significa que a maioria dos compradores não vai reparar nos esforços pró-meio ambiente da empresa, mas o impacto de uma fraude pode ser extremamente negativo.

Portanto, o ideal é que as empresas levem a sério essa questão. Podem ser criadas linhas de produtos diferentes, a exemplo dos frangos criados presos ou soltos, com preços diferenciados conforme os custos de produção, por exemplo.

Todos esses pontos podem ser estudados pelos investidores. Afinal, se uma empresa perder com escândalo, seus acionistas também perdem.

Apesar de, usualmente, a sustentabilidade ser uma pauta secundária a análise de balanços, potencial produtivo e valuation, vale a pena ficar atento nas empresas que eventualmente têm alguma acusação de greenwashing para se precaver de perdas.

Sobre o autor
Equipe Mais RetornoA Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!