Empresa

O setor imobiliário chinês está sentindo os reflexos da crise de liquidez da Evergrande, gigante do setor. As ações e os bônus da Sunac, outra incorporadora do país, tiveram queda forte, com investidores temerosos de que a companhia possa enfrentar problemas similares aos da concorrente.

foto: Reprodução
Documentos apontam que a Sunac pediu ajuda ao governo em Shaoxing, no leste chinês - Foto: Reprodução

Investidores venderam ativos da Sunac China Holdings nas duas últimas sessões, após circularem documentos online mostrando uma unidade da Sunac pedindo ajuda do governo com dificuldades de liquidez.

As ações da Sunac listadas em Hong Kong fecharam em baixa de 9,4% nesta segunda-feira, 27, fechando na mínima em mais de quatro anos, após terem recuado quase 7% no pregão anterior. Os bônus denominados em dólares também caíram.

O documento que circulou, ao qual o Wall Street Journal também teve acesso, mostrava um pedido de ajuda ao governo em Shaoxing, cidade da província de Zhejiang, no leste chinês. Uma fonte disse que o documento era um rascunho, que ainda iria ser submetido à administração.

Evergrande

O banco central da China prometeu, nesta segunda-feira, 27, proteger os consumidores expostos ao mercado imobiliário e injetou mais dinheiro 100 bilhões de yuans (quase US$ 15,5 bilhões) em recursos no sistema financeiro chinês por meio de operações de compra reversa de 14 dias, segundo comunicado divulgado no site da instituição.

O Banco do Povo da China não chegou a citar a Evergrande no comunicado publicado em seu site. No documento, apenas constava as promessas de tornar a política monetária flexível, direcionada e adequada.

Até o momento, este é o sinal mais claro até agora de que as autoridades podem tomar medidas para contar os riscos gerados pela incorporadora mais endividada do país.

Essa é mais uma tentativa do governo chinês em manter a liquidez do sistema bancário em meio a preocupações com as dificuldades financeiras da gigante chinesa. Desde a semana passada, circulam relatos de que o governo chinês irá reestruturar a Evergrande e estatizá-la.

Referência de uma era áurea da construção civil, a Evergrande hoje estampa noticiários do mundo todo por conta da crise que a companhia enfrenta. Na semana passada, a empresa não cumpriu com o acordo de pagar juros de títulos, compromisso que estava previsto para a última quinta-feira, 23. / com Agência Estado

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Veja mais Ver mais