Logo Mais Retorno
Economia

Será necessário elevar juro nos EUA ‘acima de 4%’ em 2023, diz dirigente do Fed

Frear a inflação elevada em nível inaceitável é o principal dos EUA neste momento

Data de publicação:08/09/2022 às 05:00 -
Atualizado 17 dias atrás
Compartilhe:

Presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de Cleveland, Loretta Mester afirmou nesta quarta-feira, 7, que será necessário elevar o juro nominal nos Estados Unidos "acima de 4%" no próximo ano e "mantê-lo lá". Durante evento virtual da MNI, a dirigente disse que não projeta neste momento que os juros possam ser cortados em algum momento de 2023.

Questionada sobre a próxima reunião do Fed, neste mês, ela não quis adiantar sua posição, dizendo que esperará o encontro para decidir, mas ressaltou que acredita que os juros precisam subir mais em relação a seus níveis atuais.

Fed
Foto: Reprodução

Com direito a voto nas decisões de política monetária, Mester ressaltou em seu discurso que a inflação é "o principal desafio" para a economia dos EUA neste momento, por estar em nível "inaceitavelmente elevado".

Ela ressaltou o compromisso do Fed de adotar "ação decisiva" para conter os preços e considerou que há "mais trabalho a fazer" nessa frente, com mais altas de juros pelo banco central. Para a autoridade, ainda é cedo para concluir que a inflação já atingiu o pico no país.

Mester disse não avaliar que os EUA estejam em recessão neste momento, mas comentou que o risco de que isso ocorra nos próximos dois anos aumentou.

Ela projeta crescimento de "menos de 2%" na economia americana em 2022. Sobre o mercado de trabalho, comentou que o relatório de empregos mais recente mostrou "alguma moderação", mas em nível ainda forte.

Sobre o quadro internacional, a dirigente comentou que a guerra na Ucrânia "é certamente um risco de baixa" ao crescimento, especialmente na Europa.

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!