Logo Mais Retorno
Renda Variável

O que é pullback e como pode impactar o mercado financeiro?

O pullback representa uma correção temporária em tendências de longo prazo de alta ou de baixa do mercado

Data de publicação:28/03/2022 às 00:30 -
Atualizado 2 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Os investimentos em renda variável são caracterizados por movimentos de muitas oscilações nos preços dos ativos. A volatidade, considerada risco para alguns, pode torna-se oportunidade para outros.

pullback
Foto: Envato

Pullback é um termo que faz parte desse universo e nada mais é do que um movimento de correção, em operações de curto prazo.

Bastante aplicado por traders, este termo refere-se a uma observação gráfica no qual percebe-se um movimento curto no sentido oposto às tendências de queda ou de alta de determinado ativo. Portanto, quando ocorre um pullback, é comum surgirem muitas oportunidades de investimento. Porém, para aproveitá-las é importante conhecer bem o mercado.

Quer saber mais sobre este assunto? Continue a leitura e descubra!

O que é pullback?

Antes de explicar o que significa o termo “pullback”, é necessário se atentar para alguns conceitos básicos importantes que envolve os ativos:

  • Tendência de alta: refere-se à inclinação de alta de determinado ativo, ou seja, indica que a ação está se valorizando, como o próprio nome sugere;
  • Tendência de baixa: ao contrário da propensão de subida do preço de uma ação, na tendência de baixa o movimento é definido por uma queda contínua;
  • Reversão: movimento no qual o preço de um ativo altera a tendência que vem seguindo e não retorna aos patamares anteriores de negociação;
  • Resistências e suportes: tais pontos são caracterizados, respectivamente, pelo rompimento da tendência de alta e de baixa no pullback.

Dito isso, o pullback se estabelece como um movimento corretivo que se desdobra a partir de operações de outros investidores e, ainda, de saídas de curto prazo — quando acaba retornando aos índices normais logo em seguida. Portanto, denomina-se pullback este movimento de “retorno”.

Na prática, ele se refere a mudanças bruscas da tendência dos preços de ativos para retomada dos estágios anteriores. Tal alteração rápida sobre essa tendência, ainda que normalmente ocorra quando o mercado é mais volátil, pode seguir uma predisposição de queda ou alta.

Para que serve o pullback?

De modo geral, ao realizar uma análise técnica, a regra para comprar ações é observar quando elas estão subindo. Do contrário, o movimento de queda pode indicar o momento para vender. Justamente por isso, o objetivo do pullback é permitir que mesmo o trader iniciante consiga visualizar o melhor momento para comprar ou vender seus ativos.

Ocorre, porém, que tais movimentos de pullback podem durar períodos variados, sendo comum até mesmo se estender por um ou mais dias. Assim, cabe destacar que fortes tendências de alta ou queda podem influenciar a resposta deste movimento no pullback. Portanto, esta é uma estratégia eficiente no que concerne a definição dos melhores momentos para entrar em operações em dólar ou índice.

Como analisar o pullback?

Antes de iniciar uma operação utilizando o pullback, é imprescindível certificar-se de que ele de fato está ocorrendo. Para tanto, pode-se verificar aspectos capazes de confirmar o fenômeno a partir de algumas de suas características. Em geral, quase sempre é possível observá-lo, independentemente de cenários econômicos e/ou indicadores financeiros.

Além disso, esse tipo de movimento favorece a delimitação de pontos em que os investidores operam com lucro ou, ainda, quando suas posições são zeradas. Ao finalizar o pullback, o gráfico dos ativos continua acompanhando sua inclinação normal até atingir outro ponto, provocando um novo pullback.

Quais são as características de um pullback?

Como vimos, o pullback se caracteriza, principalmente, pela ocorrência de um movimento temporário contrário à tendência que vem sendo seguida por determinado ativo. No entanto, depois de um tempo, este ativo, seja ele um índice, ação ou dólar, volta a ser negociado através do seu fluxo normal.

Em termos práticos, um ativo que está seguindo uma tendência de alta durante 7 dias consecutivos, eventualmente neste período pode haver algum tempo de desvalorização, porém, como há uma tendência de alta na maior parte do tempo, ela volta a seguir novamente seu fluxo natural.

Resumidamente, o pullback apresentar as seguintes características:

  • o movimento é comum e pode até mesmo beneficiar o mercado, uma vez que estabelece o patamar em que os investidores podem negociar com margem de lucro e zerar posições;
  • mediante o encerramento do movimento de retorno, o gráfico tende a acompanhar a tendência anteriormente registrada e acaba prosseguindo até encontrar um novo ponto;
  • em uma análise técnica, percebe-se que o pullback ocorre em todos os movimentos registrados no mercado.

Isto posto, considerando o ponto de vista da análise gráfica, o pullback é uma estratégia que possibilita inúmeras oportunidades de compra de ativos por meio do mesmo preço ideal. Ademais, garante uma nova entrada, sobretudo se o trader, por exemplo, não tiver conseguido aproveitar um rompimento — em razão da retração.

Como utilizar a ferramenta na prática?

Como destacamos anteriormente, o pullback trata-se de uma técnica melhor empregada em investimentos de curtíssimo prazo. Justamente por isso, é mais indicada para operações em trade. Portanto, para se posicionar com base nele, deve-se analisar atentamente as informações do gráfico do ativo em questão.

Tendo em vista que o pullback permite se identificar as tendências, bem como confirmá-las, as entradas em operações são mais simples o que, por sua vez, minimiza eventuais perdas. Logo, esta é uma ferramenta muito útil no monitoramento de forças que trafegam na contramão da tendência primária de um ativo, sinalizando que as posições estão sendo zeradas para efetuar ganhos.

Muitos cuidados são indispensáveis àqueles que desejam obter lucro, especialmente no curto prazo. Afinal, é muito importante analisar muito bem o mercado, a fim de tomar decisões acertadas sobre quanto entrar no movimento de pullback, afinal, não é sempre que ele acontece.

Logo, dispor de informações relevantes e dominar essa técnica pode permiti-lo identificar os eventuais movimentos de pullback, bem como as tendências de reversão. Assim, evita-se a tomada de decisões inadequadas e, consequentemente, amplia-se os rendimentos obtidos através da renda variável no longo prazo.

Conclusão

Mesmo considerando a pouca experiência dos investidores, o pullback é uma ferramenta muito útil, afinal, quando bem aplicada, pode aumentar as possibilidades de ganhos em relação às aplicações. Isso porque, como vimos, ela indica os momentos mais adequados para realizar uma entrada, seja ela de compra ou venda.

No entanto, os cuidados em relação ao uso dessa estratégia são diferenciais importantes para o sucesso. Afinal, em dado momento, os preços podem mostrar uma maior amplitude e, ainda assim, incorrer em uma recuperação lenta. Nesse cenário, os ganhos estão fadados a ocorrer de maneira limitada ou, ainda, podem haver resultados negativos. Logo, é muito importante ter atenção para evitar movimentos que não retornam ao ponto anterior.

E aí, gostou deste texto? Se quer saber mais sobre o mercado financeiro e investimentos, não deixe de conferir os “12 Pilares que Todo Investidor de Ações Precisa Saber” para investir de maneira mais segura e eficiente.

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!