Logo Mais Retorno
Empresa

Nubank terá muitos desafios pela frente, apontam analistas, embora resultado tenha sido positivo em 2021

Aumento da inadimplência, dificuldade de monetizar usuários e valuation excessivo são alguns dos entraves

Data de publicação:25/02/2022 às 00:30 -
Atualizado 3 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O Nubank reportou lucro líquido ajustado de US$ 6,6 milhões (cerca de R$ 33 milhões) em 2021, revertendo prejuízo de US$ 26,8 milhões (aproximadamente R$ 135 milhões) em 2020, segundo balanço divulgado ao mercado nesta semana. No entanto, a avaliação do mercado não foi tão positiva.

Analistas apontam algumas fragilidades nos resultados e um prognóstico menos favorável ao banco para os próximos meses.

Nubank reporta balanço financeiro positivo, mas analistas apontam os pontos fracos desses números
Em seu primeiro balanço pós-IPO, o Nubank reportou lucro em 2021, mas não sinalizou o guidance para este ano - Foto: Reprodução


Considerando somente o quarto trimestre do ano, o banco digital obteve um salto de 224% em sua receita líquida, para US$ 636 milhões, sendo US$ 439 milhões vindo da margem com clientes e US$ 196 milhões com receita de serviços.

A base de clientes do Nubank encerrou o ano passado em 53,9 milhões de clientes, incluindo consumidores e PMEs (pequenas e médias empresas), crescimento de 61,9% ante dezembro de 2020.

"O Nu teve um forte começo como companhia de capital aberto, como ficou claro no nosso desempenho no quarto trimestre. A listagem das ações do Nu nas bolsas e o nosso programa NuSócios também abriram a porta para a inclusão de milhões de brasileiros no mercado de capitais"

David Vélez, acionista fundador e presidente do Nubank, no relatório de resultados.

Resultados bons, porém, com pontos a serem melhorados

Em relatório de análise sobre os resultados do Nubank, Rodrigo Crespi, especialista de mercado da Guide Investimentos, aponta que os números reportados pelo Nubank vieram em linha com o esperado pelo mercado, porém com resultado líquido ainda em campo negativo.

“Ainda que tenha tido um aumento expressivo no número de clientes e marginal redução de custos, o Nubank mostra dificuldade na passagem por cenários econômicos adversos, exprimido pelo aumento da taxa de inadimplência e dos custos financeiros causados pela remuneração de depósitos pessoa física”.

Rodrigo Crespi, especialista da Guide Investimentos

Além disso, segundo Crespi, o crescimento da receita foi ofuscado pelos custos expressivos com despesas financeiras, impulsionado pela alta na taxa de juros do Brasil.

Outro ponto negativo destacado por Crespi foi o aumento de 270% nas despesas do banco com provisão de crédito no trimestre – US$ 200 milhões versus US$ 54 milhões no quarto trimestre de 2020 - impulsionado pelo crescimento rápido da carteira e à metodologia de provisionamento adotada pelo Nubank.

O aumento da inadimplência também pesou no pacote negativo, com um aumento marginal de 10 pontos base, alcançando o nível de 3,5%, “1,5 ponto porcentual abaixo da média da inadimplência dos empréstimos pessoais, porém 1,2% acima da média de inadimplência do Sistema Financeira Nacional”.

“Permanecemos com visão cautelosa quanto a sustentabilidade do modelo de negócios do banco, que acreditamos enfrentará obstáculos maiores frente a mais aumentos da taxa de juros”, conclui Crespi.

Alguns analistas ressaltam ainda outros desafios enfrentados pelo Nubank como a dificuldade de monetização de seus usuários e o valuation excessivo.

Primeiros números apresentados após IPO

Este foi o primeiro resultado financeiro que a fintech divulgou ao mercado desde sua abertura de capital (IPO, na sigla em inglês na Bolsa brasileira e na bolsa de Nova York, em dezembro passado.

Desde sua estreia nas bolsas – sua chegada lá fora foi considerada o terceiro maior IPO da bolsa americana - o Nubank viu suas ações lá fora e seu BDR no Brasil registrarem forte queda de mais de 30%. No dia da divulgação do balanço as ações do banco em Nova York caíram mais de 14%, enquanto seu BDR na Bolsa derreteu 15%.

Leia mais

Nubank e Vale foram ativos mais negociados por brasileiros em janeiro (maisretorno.com)
Apesar do risco, Nubank é boa alternativa de investimento em longo prazo (maisretorno.com)
Nubank deixou de ser o banco mais valioso da América do Sul (maisretorno.com)
Ações do Nubank disparam mais de 14% em estreia na NYSE (maisretorno.com)

Sobre o autor
Julia Zillig
Repórter do Portal Mais Retorno.