Logo Mais Retorno
Economia

MTST ocupa a sede da B3 na tarde desta quinta-feira em protesto contra fome e desigualdade social

Segundo a B3, o ato do MTST foi pacífico, não afetou as operações do pregão e acabou por volta das 16h, com cerca de duas horas de duração

Data de publicação:23/09/2021 às 17:36 -
Atualizado 9 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Manifestantes ligados ao Movimento de Trabalhadores Sem Teto (MTST) ocuparam, na tarde desta quinta-feira, 23, o prédio da Bolsa de Valores brasileira, a B3. O protesto, de acordo com informações do movimento, foi contra a fome e a desigualdade social. Outras pautas abordadas pelos manifestantes foram a alta da inflação e o desemprego.

As ações da B3, que viviam um dia de volatilidade na Bolsa, passaram a registrar uma queda mais acentuada após o início da manifestação. Os papéis da empresa caíram 2,39%, negociados a R$ 13,91.

mtst b3
Integrantes do MTST na B3 | Foto: Vivian Reis

Em nota divulgada à imprensa, a B3 informou que o ato se manteve pacífico, não afetou as operações do pregão e acabou por volta das 16h, com cerca de duas horas de duração.

Segundo as lideranças do MTST, o local foi escolhido porque a bolsa é o "maior símbolo da especulação e da desigualdade social". Debora Pereira, liderança do movimento, afirmou que "é inadmissível que quase 100 milhões de brasileiros estejam em situação de fome e insegurança alimentar enquanto os bilionários movimentam R$ 35 bilhões por dia só aqui na bolsa".

Alguns dos manifestantes carregavam ossos e faixas com menções à situação de fome e miséria. Entre os principais dizeres, "sua ação financia a nossa miséria" e "tem gente ficando rica com a nossa fome".

Debora complementou seu discurso afirmando que os manifestantes estavam ali para "denunciar o que acontece no País e a política por trás disso. Em um ano, o número de milionários dobrou, enquanto aumentou a miséria. Não é possível que 99% da população empobreça para que 1% enriqueça. Este é um grito que estava engasgado na garganta de quem vai no supermercado".

Sobre o autor
Bruna Miato
Repórter na Mais Retorno
Mais sobre