Logo Mais Retorno
Economia

Mercado de beleza tem apetite para novos movimentos de fusões e aquisições, diz XP

Cenário macroeconômico é o maior desafio para os planos das companhias

Data de publicação:17/06/2022 às 05:00 -
Atualizado 20 dias atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

As companhias do mercado varejista de beleza estão abertas a uma maior movimentação de fusões e aquisições no setor. É isso que diz a XP Investimentos, uma semana após a realização de sua 1ª Conferência sobre o mercado de beleza, com mais de 10 empresas brasileiras de diversos segmentos, tamanhos e posicionamentos no setor.

Em relatório elaborado Danielle Heiger, Head de Varejo da XP, e Gustavo Senady e Thiago Suedt, ambos analistas de Varejo da casa de investimentos, as marcas mais consolidadas do mercado de beleza estão em busca de complementar seus portfólios com produtos e serviços de diferentes categorias. Ao mesmo tempo, as companhias menores enxergam essas "parcerias estratégicas como uma maneira de escalar suas operações".

mercado de beleza
Maior operação no setor de beleza no País foi a incorporação da Avon à Natura em 2020 - Foto: Reprodução

"A maior parte das empresas do setor só superou a marca de US$ 100 milhões (cerca de R$ 507 milhões, com a cotação atual do dólar) em receitas após se associar à um parceiro no varejo", destacam os analistas.

Cenário macroeconômico é desafio para o setor

Uma das aquisições mais famosas no setor no Brasil foi concluída há pouco mais de dois anos, em janeiro de 2020, com a incorporação da Avon à Natura&Co. Com um ano de negócio, a companhia mais do que dobrou o seu valor de mercado e chegou a valer cerca de R$ 70 bilhões em ações no mercado. O movimento positivo foi observado até o último semestre de 2021, quando a empresa apresentou um lucro líquido de R$ 695,4 milhões.

No entanto, com a deterioração do cenário macroeconômico - inflação elevada e taxa de juros subindo numa tentativa de controlar a alta dos preços -, a Natura começou 2022 surpreendendo negativamente o mercado e, só no primeiro trimestre, já apresentou um prejuízo líquido de R$ 643,1 milhões, resultado quatro vezes pior que no mesmo período do ano passado. Atualmente, o valor de mercado da empresa é de R$ 20,6 bilhões.

A Natura é a única companhia brasileira do mercado de beleza listada na Bolsa de Valores. Entretanto, outras empresas também sentem os impactos da economia em seu crescimento. A XP destaca que, embora o desejo das marcas e a tendência do mercado seja de mais aquisições e fusões, o cenário macro ainda é um desafio para o crescimento de volume e rentabilidade.

"Embora o mercado de beleza esteja se recuperando com a retomada das atividades, ainda existem desafios para o crescimento do volumes de vendas, devido ao menor poder de compra da população, com expectativa que o mercado cresça 5% em 2022, principalmente impulsionado pelo aumento de preços; e inflação de custos, que deve impactar as margens das empresas. Como resultado, os consumidores estão em busca de marcas que ofereçam a melhor relação de custo-benefício."

Danielle Heiger, Head de Varejo da XP Investimentos, Gustavo Senady e Thiago Suedt, Analistas de Varejo da XP Investimentos

Tendências para o mercado de beleza

Na Conferência organizada pela XP, a principal tendência observada entre as marcas é a força do digital no mercado de beleza. Os analistas explicam que as redes sociais reduziram as barreiras de entrada do mercado, possibilitando a distribuição de produtos e serviços de forma virtual, além da forte presença do marketing digital. As empresas nativas digitais (DNVDs, na sigla em inglês) já representam de 3% a 5% do mercado e seguem crescendo.

Para os analistas, ser omnichannel é o caminho. "Apesar de diversas companhias terem nascido online, vimos um claro movimento para o canal físico, tanto através de lojas próprias/pop-ups ou outros varejistas (farmácias e lojas de departamento). Ainda assim, o e-commerce permanece como um canal importante, com todas as companhias vendo o digital como estratégico para um crescimento sustentável", diz o relatório.

Sobre o autor
Bruna Miato
Repórter na Mais Retorno