Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Ibovespa deve chegar aos 152 mil pontos no fim de 2021, prevê Itaú BBA

Em relação aos 125 mil pontos do Índice hoje, alta será de 21,6% até o fim do ano

Data de publicação:01/07/2021 às 14:44 -
Atualizado 10 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O Índice Bovespa deve chegar a 152 mil pontos no final deste ano, essa é a estimativa revisada dos analistas do Itaú BBA, que trabalhavam com uma projeção de 135 mil pontos em relatório anterior. Isso representa uma alta de  21,6% em relação aos atuais 125 mil pontos atingidos no pregão desta quinta-feira, dia 1.

A expectativa de maiores ganhos por ações das empresas em 2021 e 2022, especialmente nas do setor de commodities, e o fato da bolsa brasileira negociar com desconto em relação à de países emergentes, abaixo da média histórica de 10 anos foram os principais fatores que levaram a uma previsão de alta mais acentuada da B3.

mercado financeiro

“A Bolsa brasileira é negociada hoje a um múltiplo Preço/Lucro de 10,4 vezes e, se atingisse nosso target, corresponderia a um múltiplo de 13,3 vezes, ainda atraente”, escreve a equipe análise, comandada por Marcelo Sa e Matheus Marques.

A conjuntura macroeconômica do País também possibilita uma estimativa de maior avanço do mercado de ações nos próximos seis meses. “A campanha de vacinação está avançando e deve permitir o retorno à normalidade econômica antes do fim de 2021”, diz um trecho do relatório. O BBA projeta crescimento de 5,5% do Produto Interno Bruto (PIB), número também revisado pela equipe que projetava uma elevação de 5% este ano, e inflação de 5,6%.

Nem tudo são flores nesse período. Os analistas alertam que o maior risco a esse cenário é o possível surgimento de novas cepas do coronavírus, que reduzam a eficácia das vacinas e atrapalhem o processo de retomada da economia mundial.

Outro ponto a ser observado é o andamento da reforma tributária que, para eles, é “um importante impulsionador do desempenho do Ibovespa”. No entanto, há duas ressalvas: o projeto deve sofrer mudanças no Congresso; e se prevalecer a tributação sobre os dividendos, o impacto é negativo para o mercado. Nesse sentido, os papeis ligados a commodities passam a ser mais interessantes do que as empresas com tradição na distribuição de dividendos.

Ações em destaque

Os analistas ressaltam que o setor bancário deve ser beneficiado por uma melhora no cenário macroeconômico do País. E entre os bancos, o destaque fica com o Bradesco.

Já na área de açúcar e etanol, a perspectiva é de uma relação de oferta e demanda favorável global, já que a produção brasileira deve ser maior para compensar as safras menores na Europa e na Ásia, e os preços devem permanecer elevados para a safra 2021 e 2022.

Na distribuição de combustível, o Itaú BBA espera volumes maiores de vendas, em linha com as projeções para o crescimento do PIB brasileiro este ano.

O banco também substituiu Cyrela por Cosan em sua carteira recomendada. “Ainda que o valuation de Cyrela pareça atraente, vemos um horizonte de curto prazo negativo para a companhia em meio à alta dos juros e pressão de custos. Desde que foi adicionada ao portfólio, em fevereiro, a companhia apresenta queda de 15,2%”, escrevem os analistas.

Ao mesmo tempo, a entrada de Cosan deve-se ao excelente time de administração da companhia, ao portfólio diversificado e de alta qualidade; à excelente alocação de capital e histórico; valuation atrativo e horizonte promissor de crescimento orgânico e inorgânico.

Sobre o autor
Regina Pitoscia
Editora do Portal Mais Retorno.