Logo Mais Retorno
Fundos de Investimentos

Fundo multifatores

O que é fundo multifatores? Fundo multifatores é um fundo de investimento lançado em agosto do ano de 2019 pela gestora Avantgarde Asset Management cuja administração…

Data de publicação:03/05/2021 às 19:32 -
Atualizado um ano atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O que é fundo multifatores?

Fundo multifatores é um fundo de investimento lançado em agosto do ano de 2019 pela gestora Avantgarde Asset Management cuja administração é feita pela Necton Investimentos S.A. 

É classificado como Fundo de Investimento em Ações (FIA), pela Comissão de Valores Mobiliários, ou seja, é um investimento coletivo em que pelo menos 67% do patrimônio está em ações e os rendimentos são divididos entre os participantes, na proporção da contribuição de cada investidor.

O diferencial desse fundo é que ele é o primeiro, do Brasil, a utilizar factor investing — estratégia de análise de dados avançada para a escolha dos ativos. Já popular na Europa e nos Estados Unidos, esse tipo de investigação colhe dados como cenário macroeconômico, preço do ativo naquele momento, qualidade e tamanho da empresa antes de adicioná-la ao portfolio.

Como funciona o fundo multifatores?

Como todo fundo de ações, o fundo multifatores FIA da Avantgarde conta com recibos de subscrição, certificados de depósito de ações, cotas de outros fundos, como os índices de ações e, ainda, BDRs ((BDR - Brazilian Depositary Receipts).

Em relação às taxas, a Avantgarde cobra a taxa de administração (2% a.a.) e de performance (20% do que exceder o retorno do Índice Brasil). 

Em relação aos impostos, incide 15% de Imposto de Renda e IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

Algumas das outras características específicas do fundo multifatores FIA são:

  • Aplicação, movimentação e resgate mínimos de R$ 1000;
  • Cotização D+0;
  • Banco BM&F Bovespa (096);
  • 52 ativos na carteira;
  • Tipo Long Only, ou seja, aposta na valorização das ações as quais investe;
  • Com resultados relevantes, como retorno de 67,36% no intervalo em que o Índice Brasil (IBX) subiu apenas 19,54%;
  • Geração consistente de alfa, isto é, lucra de forma acima do esperado regularmente;
  • Estratégia top-down.

Como surgiu o fundo multifatores?

O ano em que o fundo da Avantgarde foi criado, 2019, bateu o recorde de pontos na Bolsa de Valores (ultrapassou os 100 mil pontos) e a renda variável se destacou — o que atraiu novos investidores para o mercado financeiro.

Nessa lógica, com muitos iniciantes entre os investimentos, as gestoras surgiram como ótima opção. A desvantagem do pouco conhecimento técnico e da dificuldade com o gerenciamento emocional dos novos investidores é, geralmente, atenuada quando, em vez de comprar ações diretamente, investe-se em um FIA e os gestores se responsabilizam por isso. 

No caso do fundo da Avantgarde, esse gestor é o próprio co-fundador da empresa, Luciano França. Inicialmente, a empresa teria um fundo multimercado de opções com liquidez competitiva, mas a XP Asset Management lançou primeiro esse produto e captou boa parte dos clientes naquele momento.

Em resposta a isso, Luciano e Mario Avelar, os fundadores, precisaram se reinventar e, assim, criaram o fundo multifatores. 

A indústria de fundos brasileira é quase que completamente baseada em value investing e o factor investing traz a expectativa de portfolios ainda mais elaborados. 

Entendendo a estratégia factor investing

A grande vantagem do fundo multifatores é o factor investing. 

Na pesquisa tradicional, os gestores realizam uma análise de ótima qualidade, para identificar os melhores ativos para investir. 

Já no factor, ocorre uma modelação semelhante ao da pesquisa normal, mas com processos ainda mais sistemáticos, baseados em modelos matemáticos validados nas Academias. 

Um exemplo de fatores alvo do factor investing é o do Quality Minus Junk, que quer dizer a compra de ações de empresas rentáveis (Quality ou qualidade) e vender as ações de empresas pouco rentáveis (Junk ou ruim). Indicadores como Retorno sobre patrimônio líquido (ROE), Retorno sobre ativos (ROA) e Lucro Bruto sobre Ativos (GPOA) ajudam a identificar essas ações de qualidade.

Sobre o autor
Bruna Rodrigues
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!
Mais sobre