Empresa

A Eternit contabilizou um lucro líquido ajustado de R$ 58,26 milhões no 1º trimestre, revertendo o prejuízo de pouco mais de R$ 11 milhões obtido pela companhia na mesma base de comparação de 2020.  

No período, a receita líquida da empresa foi de R$ 270, 3 milhões, 138% maior frente aos três primeiros meses do ano anterior – R$ 113,6 milhões. Essa elevação é o quarto aumento consecutivo da companhia.

Foto: Harald Weber
Eternit reverte prejuízo obtido no primeiro trimestre de 2020 - Foto: Harald Weber

O Ebtida (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) cresceu 26% ante o trimestre anterior, totalizando R$ 85 milhões.

O endividamento bruto consolidado totalizou R$ 68,2 milhões para uma disponibilidade de caixa de R$ 216,3 milhões. O caixa líquido foi de R$ 148,1 milhões no primeiro trimestre, frente a uma posição de R$ 14,8 milhões no encerramento de 2020.

Telhas

Considerado o carro-chefe da Eternit, as vendas de telhas de fibrocimento tiveram o melhor primeiro trimestre em volume de vendas desde 2016, com uma expansão 53% em comparação ao primeiro trimestre de 2020 e 9,8% frente ao quarto trimestre do mesmo ano.

“O bom desempenho comercial do segmento de fibrocimento vem sendo sustentado pela implementação da estratégia baseada no aumento da cobertura geográfica e na pulverização das vendas.

Em um ano, expandimos 65% o número de municípios atendidos de forma direta e mais que dobramos a base de clientes”, destaca o presidente do Grupo Eternit, Luís Augusto Barbosa, em balanço.

Outro destaque fica para o volume de vendas de placas e painéis cimentícios, que apresentaram crescimento de 27% em um ano, e de 21% frente ao quarto trimestre de 2020, registrando o terceiro trimestre consecutivo de aumento nas vendas.

“O crescimento nas placas e painéis cimentícios é muito importante para nós, pois trata-se de outra frente de crescimento definida em nosso planejamento estratégico”, afirma Barbosa.

Investimentos e modernização

A Eternit cresce à base de investimentos em seus processos de produção do fibrocimento. “Estamos ampliando em 25% a capacidade instalada da fábrica de Goiânia e 15% da fábrica do Rio de Janeiro, representando um adicional de capacidade de 7 mil toneladas por mês”, informa Barbosa.

A ampliação do projeto no Rio de Janeiro tem conclusão prevista para o final deste ano e o projeto em Goiânia tem previsão de partida no início de 2022.

De olho no mercado sustentável, a Eternit informou que segue com o projeto da Tégula Solar, realizando a instalação de cinco novos projetos-piloto de telhas fotovoltaicas de concreto BIG-F10, totalizando, ao final de março, a implantação de seis projetos-pilotos para avaliação de desempenho do produto.

O início da comercialização está previsto para o segundo semestre de 2021.

Aquisições

Em 29 de março, a companhia realizou uma oferta vinculante para aquisição da Confibra, no valor de R$ 110 milhões.

Segundo o presidente, a aquisição representará um aumento de capacidade de cerca de 20% no parque industrial de produção de telhas de fibrocimento e está em linha com a estratégia de crescimento e consolidação setorial, proporcionando elevação imediata da capacidade instalada e da participação de mercado da Eternit, sem provocar excedente de produção na indústria.

“Haverá captura de sinergias com o ganho de escala de produção, com destaque para a ocupação plena da unidade de Manaus, que passará a fornecer as fibras de polipropileno para a Confibra”, afirma Barbosa.

O processo de compra da empresa está em due diligence (diligência prévia, em português), procedimento de estudo e investigação sobre os riscos de uma empresa para os diferentes públicos interessados.

Imagem do autor

Repórter do Portal Mais Retorno.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Empresa
Empresa
Empresa
Empresa
Veja mais Ver mais