Economia

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reforçou nesta terça-feira, 23, que pretende elevar a taxa Selic novamente em 0,75 p.p., para 3,50% ao ano já na próxima reunião, nos dias 4 e 5 de maio.

Segundo o colegiado, que divulgou nesta manhã a ata da reunião realizada na semana passada, uma nova alta nessas proporções apenas não acontecerá caso ocorra uma mudança significativa nas projeções de inflação ou no balanço de riscos.

Copom atribui avanço da inflação como um dos motivos para a decisão de subir a Selic em 0,75 p.p

"O Copom ressalta que essa visão para a próxima reunião continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, e das projeções e expectativas de inflação", completou a ata.

Segundo o colegiado, o cenário atual da economia já não prescreve "um grau de estímulo extraordinário". O colegiado elevou na semana passada a taxa básica de juros em 0,75 po porcentual, para 2,75% ao ano. Desde agosto do ano passado, a taxa estava estacionada em 2% ao ano, em seu piso histórico.

"O PIB encerrou 2020 com crescimento forte na margem, recuperando a maior parte da queda observada no primeiro semestre, e as expectativas de inflação passaram a se situar acima da meta no horizonte relevante de política monetária. Adicionalmente, houve elevação das projeções de inflação para níveis próximos ao limite superior da meta em 2021", registrou o Copom, em nota.

Como já constou no comunicado da decisão, publicado na quarta-feira 23, o BC repete na ata desta terça-feira que o Copom decidiu iniciar um processo de normalização parcial, "reduzindo o grau extraordinário do estímulo monetário".

Na avaliação do Copom, no entanto, uma estratégia de ajuste mais célere do grau de estímulo tem como benefício reduzir a probabilidade de não cumprimento da meta para a inflação deste ano, assim como manter a ancoragem das expectativas para horizontes mais longos.

A ata reitera que essa estratégia é compatível com o cumprimento da meta em 2022, mesmo em um cenário de aumento temporário do isolamento social.

Riscos fiscais altos

Em meio a um cenário de inflação já em alta, o Copom avaliou que os riscos fiscais de curto prazo seguem elevados devido ao agravamento da pandemia de coronavírus, o que coloca um viés de alta nas projeções de autoridade monetária para o IPCA e demais indicadores de preços. A explicação consta da ata da reunião do Copom da quarta-feira passada, divulgada nesta manhã. / com Agência Estado.

#47 - 2021 Já é um ano PERDIDO? Com André Perfeito - RetornoCast

E no Retornocast de hoje, o tema é: 2021 já pode ser considerado um ano perdido? O Cenário Economico de 2021 tem sido muito afetado com a pandemia. Principalmente quando falamos de IGPM, IPCA e inflação, alguns investidores têm ficado bastante assustados. O que podemos esperar nos próximos meses? Ouça agora o que os especialistas em investimentos Luis Felipe Vieira, Felipe Medeiros, o editor-chefe da MR, Renato Jakitas e nosso convidado André Perfeito falam sobre! Gostou? Quer saber mais sobre este tema? Ficou com dúvidas? Envie um e-mail para: [email protected] Nos acompanhe também nas mídias e fique por dentro de todas as novidades sobre o mercado financeiro: Telegram: https://t.me/maisretorno Instagram: @mais_retorno Youtube: youtube.com/maisretorno Twitter: mais_retorno Site: maisretorno.com
  1. #47 - 2021 Já é um ano PERDIDO? Com André Perfeito
  2. #33 - POCKET | Curto Prazo: o ASSASSINO de Investidores!
  3. #46 | Fundos Imobiliários em 2021: Vem mais BOMBA?
  4. #32 - POCKET - A potencial virada nas Taxas de Juros no Brasil | Reunião do COPOM 17/03/2021
  5. #45 - Investindo em ações FORA da BOLSA!
Imagem do autor

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Visualizar Comentários

Economia
Economia
Economia
Economia