Outros

A atividade econômica do Brasil voltou a recuar depois de dez meses seguidos de recuperação, de acordo com o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), divulgado nesta quinta-feira, 13. Houve retração de 1,59% em março em relação a fevereiro, levando-se em conta os ajustes sazonais que permitem a comparação. 

foto: Envato
O Banco Central projeta crescimento de 3,6% do PIB para 2021

A última vez em que o País havia registrado queda na atividade foi em abril de 2020, logo após a primeira onda da pandemia de Covid-19, quando o IBC-Br havia despencado 9,82%, devido aos lockdowns em várias cidades e ao fechamento de milhares de empresas. Desde aquele período até fevereiro deste ano, o índice registrou alta de 18,76%. 

A mudança de trajetória em março tem como causa principal a segunda onda de Covid-19, que voltou a forçar o fechamento de estabelecimentos em todo o território nacional. A medida, tomada por vários prefeitos e governadores, se deve ao aumento da taxa de contaminação pelo coronavírus, enquanto o Brasil ainda tenta acelerar o ritmo de vacinação. 

O IBC-Br saiu de 142,43 pontos em fevereiro para 140,16 pontos em março de 2021, na série com ajustes sazonais. A queda de 1,59 ponto percentual era esperada pelo mercado, que projetava mediana de menos 3,30%, percentual inferior ao registrado no período.

O resultado foi antecipado pela equipe econômica do governo, que alertou para a provável retração da atividade no primeiro semestre. O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, prevê que a economia reaja a partir de julho, conforme a vacinação avance. 

A imunização em massa ainda engatinha

A menos de dois meses para o fim do primeiro semestre, apenas 8,8% da população receberam as duas doses da vacina contra a covid-19, de acordo com dados do consórcio de imprensa. Entre aqueles que receberam pelo menos a primeira dose estão 17,5% do total. 

Espécie de prévia do Banco Central para o PIB, o IBC-Br serve como parâmetro de avaliação do ritmo da economia ao longo dos meses. O BC atualmente projeta crescimento de 3,6% do PIB para 2021, depois de retração de 4,1% em 2020. 

O Relatório Focus, que traz a compilação das expectativas do mercado financeiro, a projeção para o PIB em 2021 é de alta de 3,21%, menos do que o esperado pela autoridade monetária.  

Em janeiro e fevereiro, o IBC-Br acumulou alta de 2,27% na série sem os ajustes sazonais. Nos 12 meses até março, porém, o indicador apresenta retração de 3,37%./Agência Estado

Imagem do autor

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Outros
Economia
Empresa
Outros
Veja mais Ver mais