Logo Mais Retorno
Empresa

SEC: Boeing terá de pagar US$ 200 milhões para liquidar acusações de investidores

Segundo investigações, empresa teria dado declarações supostamente enganosas sobre 737-MAX

Data de publicação:23/09/2022 às 10:44 -
Atualizado 7 dias atrás
Compartilhe:

A Boeing vai pagar US$ 200 milhões para encerrar uma investigação da Securities and Exchange Commission (SEC, a CVM norte-americana) sobre declarações supostamente enganosas. De acordo com reguladores, a empresa e o então presidente-executivo, Dennis Muilenburg, fizeram essas declarações sobre os jatos 737 MAX que caíram na Indonésia e na Etiópia e tiraram 346 vidas.

A SEC impõe leis que exigem que empresas públicas como a Boeing divulguem fatos relevantes e outras informações que os acionistas precisam para tomar decisões de investimento. A agência investigou como a empresa se comunicou com os investidores sobre os acidentes e sua resposta à crise, que eliminou bilhões de dólares do valor de mercado da empresa.

Boeing terá de pagar por acusações de investidores | Foto: Reprodução

Pilotos não sabiam sobre novo sistema de controle da Boeing

O Departamento de Justiça (DOJ) conduziu uma investigação criminal separada que alegou que um ex-piloto da Boeing enganou os reguladores de segurança aérea sobre como o sistema de controle de voo do MAX funcionava.

A Boeing pagou US$ 2,5 bilhões, a maior parte destinada a clientes de companhias aéreas e famílias das vítimas do acidente, para encerrar a investigação criminal do DOJ. Em março, um júri federal no Texas absolveu o ex-piloto de todas as acusações criminais contra ele.

Depois que o primeiro 737 MAX caiu na Indonésia em outubro de 2018, Muilenburg elogiou a segurança do avião, pois os reguladores em todo o mundo continuaram a permitir que as companhias aéreas transportassem passageiros na aeronave.

"O 737 MAX é um avião muito seguro e estamos muito confiantes".

Muilenburg à Fox Business Network em 13 de novembro de 2018.

As garantias de Muilenburg seguiram um artigo do Wall Street Journal que revelou que a Boeing não havia informado os pilotos sobre um novo sistema de controle de voo no 737 MAX, que os investigadores de acidentes identificaram como tendo um papel significativo nos acidentes.

Os reguladores aterraram o avião após o segundo acidente em março de 2019. Nenhum executivo da Boeing enfrentou processos criminais por seus papéis nos acidentes do 737 MAX ou sua certificação. O acordo da empresa com o Departamento de Justiça disse que os promotores não encontraram má conduta generalizada envolvendo funcionários de alto nível da empresa. As ações da empresa caíam 3,28% no pré mercado, em Nova York, às 09h41 ( horário de Brasília). /Agência Estado.

Sobre o autor
Mari Galvão
Repórter de economia na Mais Retorno

Inscreva-se em nossa newsletter