Logo Mais Retorno
Economia

BioNTech: desenvolvimento de uma nova vacina pode ser necessário para combater a variante ômicron

Segundo Ugur Sahin, diretor presidente da empresa, é preciso fazer mais pesquisas sobre a nova cepa, o que pode demandar tempo para a produção de um novo imunizante

Data de publicação:03/12/2021 às 12:50 -
Atualizado 7 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O diretor presidente da farmacêutica alemã BioNTech, indústria parceira da Pfizer no desenvolvimento da vacina contra o coronavírus, disse nesta sexta-feira, 3, que uma nova vacina contra o coronavírus poderia, eventualmente, ser necessária por conta da variante ômicron, segundo o jornal The Washington Post.

“Acredito, em princípio, que em um determinado momento precisaremos de uma nova vacina para combater essa nova variante. A questão é o quão urgente o imunizante precisa estar disponível”, disse Ugur Sahin, em uma conferência organizada pela Reuters.

Foto: Envato
Diretor executivo da BioNTech afirma que uma nova vacina seja necessária para combater a nova variante ômicron do coronavírus - Foto: Envato

Sahin ressaltou que a vacina atual poderia ser adaptada “relativamente rápido”, se necessário, para combater a nova variante. Porém, alertou que a realização de mais pesquisas ainda é preciso para desenvolver o novo imunizante.

Bilhões de doses da vacina Pfizer-BioNTech foram administradas no âmbito global, inclusive nos Estados Unidos, de acordo com a reportagem.

O executivo da BioNTech disse ainda que esperava que a variante ômicron ainda infectasse pessoas já vacinadas, o que seria conhecido como casos a serem avaliados. No entanto, ele acrescentou que as vacinas devem continuar fornecendo proteção contra doenças mais graves.

Avanço da ômicron

A Alemanha confirmou nesta sexta-feira quatro casos da variante ômicron em pessoas devidamente vacinadas, segundo autoridades de saúde do país. Os alemães infectados haviam retornado recentemente da África do Sul, onde a nova cepa foi detectada pela primeira vez.

No entanto, até o momento todos estavam apresentando apenas sintomas leves, informou o instituto alemão Robert Koch.

Capacidade de contaminação

Enquanto isso, um estudo preliminar publicado no dia anterior apontou que a ômicron tem, pelo menos, três vezes mais chances de causar reinfecção do que as variantes anteriores beta e delta.

No início desta semana, o executivo da BioNTech pediu as pessoas que não entrem em pânico em meio ao surgimento da nova variante do coronavírus. “Não surte. O plano continua o mesmo: acelerar a terceira dose da vacina”, disse em entrevista ao Wall Street Journal.

À medida que a pandemia do coronavírus entra em seu terceiro ano, Sahin afirmou à Reuters que ele poderia prever um cenário no qual as vacinas contra o coronavírus se tornem anuais, assim como a vacina da gripe.

Mais informações

Pouco se sabe ainda sobre a variante ômicron. Tanto a BioNTech quanto os outros fabricantes pediram um certo tempo para a realização de mais pesquisas. Assim como Sahin, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden e as autoridades de saúde do país também defenderam a terceira dose de reforço como um meio-chave de defesa.

“Sabemos que os vírus sofrem mutações, e a nova variante não é nada surpreendente”, disse o executivo. “Estamos confiantes de que as pessoas que foram vacinadas, incluindo o reforço, terão proteção suficiente contra a nova cepa”.

Já Stéphane Bancel, diretora presidente da Moderna, adotou um tom diferente na última terça-feira, 30, em entrevista ao Financial Times, quando previu que as vacinas atuais não teriam capacidade suficiente de proteção contra a nova cepa, em comparação com as variantes anteriores.

A Regeneron Pharmaceuticals, que produz um coquetel de anticorpos popular usado como tratamento para pacientes com covid-19, também alertou esta semana que sua terapia poderia ser menos eficaz contra o ômicron.

No entanto, funcionários da Organização Mundial da Saúde (OMS) na Europa disseram anteriormente que não havia evidências até o momento que sugerissem que as vacinas atuais disponíveis no mercado seriam menos eficazes contra a nova cepa.

A cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, disse à Reuters que, embora a variante ômicron pareça ter uma capacidade de transmissão maior, a resposta certa é buscar preparo.

“Quão preocupados devemos estar? Precisamos estar preparados e cautelosos, mas não em pânico, porque estamos em uma situação diferente de um ano atrás", enfatizou.

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!