Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Após alta da Selic, juros futuros caem com ancoragem das expectativas de inflação

Os juros futuros dos contrato de prazo mais longo transitaram em queda por boa parte das operações nesta quinta-feira, 6, um dia depois de o Comitê…

Data de publicação:06/05/2021 às 14:56 -
Atualizado um ano atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Os juros futuros dos contrato de prazo mais longo transitaram em queda por boa parte das operações nesta quinta-feira, 6, um dia depois de o Comitê de Política Econômica, Copom, puxar a Selic para 3,5% ao ano. No entanto, em alguns meses de vencimento, o sinal foi invertido e os juros fecharam com leve alta.

A reação de queda está diretamente ligada à percepção do mercado de que o Banco Central não está brincando em serviço para a conter a inflação. Não só pelo ajuste de 0,75 ponto porcentual, que veio dentro das expectativas de investidores com a indicação do próprio BC, como pela sinalização de nova alta, e de mesmo tamanho, na próxima reunião do Copom agendada para meados de junho.

Juros futuros caem quando mercado acredita que alta dos juros vão segurar a inflação - Foto: Agência Brasil

O efeito imediato dessa regularidade e transparência da atuação da autoridade monetária é uma ancoragem de expectativas. O entendimento do mercado é o de que o BC poderá usar e abusar dos juros com o propósito de conter a alta dos preços. E se a inflação é dominada desde já não haverá necessidade de subir os juros cada vez mais no futuro.

Esse é um dos fatores que contribuem para a queda dos juros futuros nesta quinta. Os contratos com vencimento mais próximo, até outubro deste ano, apresentam estabilidade e ligeira alta, quando é natural um estreitamento de spread em relação aos juros presentes.

Outra consequência da elevação dos juros é a entrada de dólares no mercado interno, de investidores estrangeiros em busca de rendimento que se torna mais atraente com juros de 3,5% ao ano, se comparados com os juros lá fora. A diferença entre as taxas possibilita e favorece as operações de arbitragem.

Se é assim, a elevação dos juros também contribuiu para a queda do dólar que, por sua vez, tira gás da inflação. No caso, os preços de matéria-prima e commodities importadas não exercem tanta pressão sobre os índices de inflação.

Os juros no mercado futuro

Acompanhe a cotação dos contratos de juros de acordo com o mês de vencimento:

Vencimento               Juros            Variação(%)

01/07/21                   3,604%         +0,024

01/02/22                   4,95%            -0,005

01/01/26                    8,34%           -0,08

01/01/27                   8,64%           +0,07

01/01/29                   8,98%           +0,06

01/01/31                   9,17%           +0,05

Sobre o autor
Regina Pitoscia
Editora do Portal Mais Retorno.