Logo Mais Retorno

Siga nossas redes

  • Instagram Mais Retorno
  • Youtube Mais Retorno
  • Twitter Mais Retorno
  • Facebook Mais Retorno
  • Tiktok Mais Retorno
  • Linkedin Mais Retorno
dinheiro poupança.jpg
Finanças Pessoais

10 dicas para melhorar sua organização financeira

Data de publicação:20/06/2023 às 18:38 -
Atualizado um ano atrás
Compartilhe:

Cansou de sempre estar no vermelho? O fim do mês nem chegou e você já está contando o troco para poder sair no próximo final de semana? É por situações como essas que a organização financeira é importante, inclusive para o enriquecimento.

Ter uma vida financeira nos eixos é o caminho para crescer o seu patrimônio e assim, realizar todos os seus objetivos e sonhos. Até porque é a forma com que você lida com o seu dinheiro que dita se no final do mês vai sobrar ou faltar.

Mas não vamos te iludir, não é uma linda jornada. A maioria das pessoas também considera que é muito difícil manter a organização em dia, sem extrapolar e gastar demais. E o que isso resulta? Isso mesmo, em dívidas, financiamentos e mais contas desnecessárias.

Vale incluir no pacote que por mais que o salário não seja alto, isso não afeta no comportamento como um todo. Quem não sabe gerir R$ 1 mil, também não vai saber gerir R$ 10 mil. Por isso, as dicas valem para todos na hora de colocar a casa em ordem, ou melhor, a carteira.

A importância da organização financeira

Quando falamos de colocar a sua vida financeira nos eixos estamos falando sobre criar o hábito de economizar com um objetivo em mente. Pensar com inteligência na hora de gastar é o que faz ter sempre dinheiro sobrando, ou pelo menos, te ajuda a não criar dívidas que não consegue pagar.

Outro passo é pensar no que quer conquistar. Um carro? Uma viagem? Um casamento dos sonhos? Uma casa com tudo que tem direito? Uma aposentadoria boa? Ser um milionário? A resposta tem um ponto comum de partida: precisa de dinheiro.

Assim, equilibrar as suas finanças é a base para chegar lá. Sem contar que vai passar a saber quais são os seus gastos fixos (mais importantes) e diferenciar dos gastos supérfluos (que podem ser cortados).

Algumas pesquisas, inclusive da Anbima, quantificada pelo DataFolha, já revelou que a maioria dos brasileiros prefere esperar agir só quando o pior acontece, ou seja, não gostam de planejar as finanças.

Dessa maioria, os jovens tendem a ser os que menos estão preocupados com o próprio dinheiro, quem dirá controlar o que entra e sai do bolso. O que é um erro enorme, não é mesmo?

A importância da organização financeira precisa fazer parte da sua rotina o mais cedo possível, justamente para evitar que sofra com os juros na hora de financiar algo ou que caia na cilada no cheque especial.

Tanto que a falta de planejamento pode fazer com que você viva uma vida que não tem condições de pagar, e assim, vai criando uma bola de neve. Ao invés de aumentar seu patrimônio, acaba fazendo com que ele escorra em suas mãos.

A parte boa é que nem tudo está perdido. Há como colocar tudo no lugar com pequenas atitudes. Se você já está endividado ou quer evitar que isso aconteça, chegou a hora de incrementar nossos hábitos em sua rotina.

Separamos aqui 10 dicas para correr atrás da sua independência financeira a partir de hoje. Por isso, o que acha de fazer as pazes com o seu bolso e criar uma carteira de investimentos?

1. Anote todos os seus gastos

O primeiro passo sempre dá preguiça, mas vale a pena. Para começar, é preciso ter um planejamento financeiro e anotar todos os seus gastos.

Você pode pode utilizar planilhas ou aplicativos de celular. Até caneta e papel serve, se for mais adepto ao modo antigo.

Registre qual é a sua receita por mês, ou seja, o seu salário. Depois, coloque o quanto gasta por mês com contas como: aluguel, água, luz, internet, mercado e transporte.

Subtraia os seus gastos do quanto ganha por mês, assim, terá uma quantia livre para gastar com lazer e investimentos.

Caso não sobre muito ou até falte, é o momento que vai identificar e reduzir os gastos supérfluos. Por exemplo, uso de motorista por aplicativo, delivery's e aquela saidinha com os amigos todo final de semana.

Mesmo que aparenta ser pouco, no fim da conta, se torna um valor considerável.

2. Mapeie as suas dívidas

Já deu de ficar no vermelho, né? Após ter mapeado todos os seus custos variáveis e fixos, separe um lugar no planejamento financeiro para detalhar as dívidas.

Quanto está devendo? Para quem? Qual o prazo de vencimento? Quais os juros? Coloque todas as informações para ter a noção do valor final da dívida e quanto precisa pagar por mês.

O próximo passo é colocar a parcela da dívida dentro dos custos fixos, já que vai ter que honrar esse compromisso financeiro todo mês.

Por outro lado, se não tiver como pagar, então terá que ir por um caminho diferente. Converse com o seu credor para chegar em um acordo de pagamento, que caiba no seu bolso e não sofra tanto com os juros.

Também não esqueça: não faça mais dívidas!

3. Busque renda extra

Ao olhar toda a sua vida financeira no papel, o que entra e o que sai do seu bolso depois que o salário cai, veja se como está a situação. Se estiver muito feia, pode ser o caso de buscar uma renda extra.

Organizar um brechó das roupas que não usa mais, vender comida caseira para os amigos e conhecidos, fazer freelas na sua área de atuação e até trabalhar com serviços de aplicativos são algumas boas opções.

Toda renda extra que entra vai direto para ajudar no pagamento das dívidas. O objetivo é quitar tudo e ter as finanças em ordem para seguir com a sua vida sem estar no vermelho, e assim, começar a investir.

4. Tenha uma reserva de emergência

Essa é uma dica super importante para não cair no buraco de novo. Uma reserva de emergência serve justamente para evitar que faça dívidas para resolver algum imprevisto. É um dinheiro guardado para caso fique desempregado, tenha algum problema de saúde ou quebre o carro, por exemplo.

Parte do dinheiro que sobrou do seu orçamento (depois que quitou suas dívidas) é o que vai criar a sua reserva de emergência, ou melhor, o seu colete salva-vidas.

O ideal é ter guardado o valor equivalente a seis meses das suas despesas mensais. Mas calma, não é de um dia para o outro, e sim, uma construção do patrimônio.

Você pode ter uma reserva de emergência atrás de investimentos como títulos públicos do Tesouro Direto ou CDBs, que são títulos privados de Certificado de Depósito Bancário. São aplicações conservadoras, mais seguras e com liquidez imediata que vão render conforme o índice atrelado e também aumentar o seu capital.

No final das contas, você terá uma grana guardada para resolver qualquer imprevisto no futuro.

5. Comece a economizar

Mesmo já se restabelecido financeiramente, tenha o hábito de frear os gastos desnecessários. Procure selecionar melhor as saídas, jantares em restaurantes e idas ao cinema. Mas a ideia não é cortar tudo fora, afinal, ninguém é de ferro, não é mesmo?

Até porque ser tirar todo o lazer, a chance de se frustar e não ver mais sentido na organização financeira é maior. Por isso, a proposta é dosar e economizar parte do seu salário. Alguns especialistas falam que o ideal é guardar 10% dos seus ganhos.

Além disso, quanto mais poupar, mais você vai ter. Uma boa dica é colocar o dinheiro que for guardado em um local inacessível, evitando a sensação e possibilidade de gastar por impulso.

6. Invista o seu dinheiro

Sem dívidas, com as finanças organizadas, reserva de emergência formada e com um dinheiro guardado, chegou a hora de dar o próximo passo, começar a investir para valer.

A quantia que você separou e economizou pode render bem mais e ajudar a acumular mais capital, conseguindo realizar os seus objetivos que traçou lá no início.

Para investir, primeiro saiba qual é o seu perfil de investidor, que pode ser conservador (avesso ao risco), moderado (que suporta mais oscilações) e arrojado (amante do risco).

Depois, você pode ver quais tipos de ativos se encaixam mais no seu perfil, dentro da renda fixa e variável. Por exemplo, pode ser em Tesouro Direto, CDBs e fundos de investimentos no caso da renda fixa. Ou em ações, fundos imobiliários e BDRs no caso da renda variável.

Jogando junto com os juros compostos e a partir dos rendimentos, você verá mais resultado e seu dinheiro aumentando aos poucos.

7. Aperfeiçoe o seu conhecimento

Afinal, conhecimento nunca é demais. Aprender mais sobre educação financeira vai te deixar afiado e atualizado para manter o seu orçamento sempre organizado.

Há vários meios para você aperfeiçoar o seu conhecimento. Pode ser através de livros ou ebooks sobre investimentos e finanças, e dos vídeos e demais conteúdos no YouTube ou plataformas.

Outra opção é fazer um curso na área. Assim, você saberá como lidar com o seu dinheiro e mudar a sua mentalidade para investir suas economias e lapidar seus custos.

8. Inclua a família no pacote

Não só você, mas a sua família também precisa entrar na linha. Desde as crianças até os mais velhos devem ter noção do que fazer com o dinheiro. Ainda mais se morarem na mesma casa e os custos forem distribuídos.

Use e abuse das dicas de economia doméstica. Como reduzir os gastos da casa, energia, água e supermercado. Cuidar com o cartão de crédito e ajudar no montante do dinheiro economizado faz toda a diferença.

9. Tenha disciplina

Não perca a disciplina em nenhuma parte do processo. A vontade de chutar o balde vai aparecer e gastar com o que quiser, mas procure pensar a longo prazo. Mantenha os investimentos com frequência e as contas em dia.

Siga o planejamento financeiro e com os gastos controlados. Desta forma, tudo se torna um hábito sem que volte para o vermelho. Aquela frase clichê de "não troque uma vida por um momento" encaixa bem aqui.

10. Analise a situação

De tempos em tempos, analise a sua situação financeira. Veja como está indo o desempenho dos seus investimentos, se está compensando a rentabilidade ou se está na hora de diversificar mais a carteira.

Também vale considerar como estão os gastos fixos, se encaixa mudar de casa ou comprar um carro. Assim, caso não esteja conforme o esperado, pode mudar a estratégia.

Se já tiver conquistado algum dos seus objetivos traçados, pode pensar em outros e traçar o caminho para chegar lá. Ter um assessor de investimentos ou educador financeiro ao seu lado ajuda na hora de reavaliar a sua vida financeira. É uma maneira de minimizar os erros e guinar a sua jornada ao sucesso.

Adeus desculpas!

Agora, chega de procrastinar e ficar empurrando as contas com a barriga. Coloque em prática essas 10 dicas para arrumar a sua vida financeira de uma vez por todas.

Continue também aprendendo sobre planejamento financeiro através dos artigos que temos por aqui! / TEXTO PRODUZIDO POR GABRIELA BULHÕES

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

® Mais Retorno. Todos os direitos reservados.

O portal maisretorno.com (o "Portal") é de propriedade da MR Educação & Tecnologia Ltda. (CNPJ/MF nº 28.373.825/0001-70) ("Mais Retorno"). As informações disponibilizadas na ferramenta de fundos da Mais Retorno não configuram um relatório de análise ou qualquer tipo de recomendação e foram obtidas a partir de fontes públicas como a CVM. Rentabilidade passada não representa garantia de resultados futuros e apesar do cuidado na coleta e manuseio das informações, elas não foram conferidas individualmente. As informações são enviadas pelos próprios gestores aos órgãos reguladores e podem haver divergências pontuais e atraso em determinadas atualizações. Alguns cálculos e bases de dados podem não ser perfeitamente aplicáveis a cenários reais, seja por simplificações, arredondamentos ou aproximações, seja por não aplicação de todas as variáveis envolvidas no investimento real como todos os custos, timming e disponibilidade do investimento em diferentes janelas temporais. A Mais Retorno, seus sócios, administradores, representantes legais e funcionários não garantem sua exatidão, atualização, precisão, adequação, integridade ou veracidade, tampouco se responsabilizam pela publicação acidental de dados incorretos.
É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos, ilustrações ou qualquer outro conteúdo deste site por qualquer meio sem a prévia autorização de seu autor/criador ou do administrador, conforme LEI Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
® Mais Retorno / Todos os direitos reservados