Última modificação em 20 de janeiro de 2020

O que é seguro garantia judicial?

O seguro garantia judicial é uma modalidade de seguros pouco explorada no país, dado que se aplica exclusivamente a processos judiciais.

Quando a Justiça é acionada para resolver uma disputa, ao invés de se depositar os valores em uma conta judicial ou oferecer bens como garantia, pode-se usar essa apólice de seguros específica.

Banner Imersão em Fundos de Investimentos Mais Retorno

Como é a contratação de um seguro garantia judicial?

Ele é contratado como qualquer outro tipo de seguro, onde se identificam as partes envolvidas:

Seu custo, representado por um percentual sobre o valor da causa, depende de uma série de fatores, entre os quais:

As seguradoras oferecem certa margem para negociação, aceitando inclusive bens pessoais de sócios para complementar as exigências para a emissão da apólice.

O que pouca gente sabe é que o seguro garantia judicial não é aplicável apenas às novas causas. Ele também pode substituir garantias de processos já em andamento.

Como funciona o seguro garantia judicial na prática?

Na área de fusões e aquisições, é muito comum que uma companhia pague um ágio quando compra outra.

Fato gerador

O ágio é determinado em função da expectativa de rentabilidade futura da empresa adquirida.

Considerado uma despesa dedutível do balanço, ele pode ser lançado nos 5 anos seguintes à compra. Por conta disso, reduz os valores do Imposto de Renda (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Interpretação da Receita Federal

Apesar de ser um procedimento totalmente legal, muitas empresas são obrigadas a recorrer nos processos fiscais iniciados pela Receita Federal, quando ela suspeita que a fusão entre empresas teve por único objetivo pagar menos tributos.

Nas autuações, além do imposto que o órgão de fiscalização entende que é devido, são acrescidas as multas.

Apresentação de garantias

Quando o recurso se inicia, a empresa precisa providenciar a garantia dos valores que estão sendo contestados, por meio de qualquer um dos 3 instrumentos:

  1. Depósito judicial: alternativa praticamente inviável, visto que a empresa precisa depositar o valor integral em dinheiro;
  2. Carta de fiança: emitida por um banco, funciona como um financiamento, ao cobrar 1% ao mês do valor contestado. Por outro lado, consome o limite de crédito da companhia;
  3. Seguro garantia judicial: emitido pela seguradora, incorre em um custo menor, de 0,5% ao mês do valor em questão.

Percebe-se aqui a utilidade desse tipo de seguro, imprescindível quando as causas envolvem altos valores.

Até mesmo o Judiciário reconhece as suas vantagens, visto que já se encontra em vias de estabelecer uma padronização para receber as apólices. O objetivo é justamente facilitar a execução das sentenças emitidas pelos tribunais.

Qual a relação entre o seguro garantia judicial e a reforma trabalhista?

Até a promulgação de Lei 13.467/17, que aprovou a reforma trabalhista, as empresas que recorriam de decisões desfavoráveis na Justiça eram obrigadas a fazer um depósito, chamado de depósito recursal.

Com a vigência da Lei, o seguro garantia judicial passou a ser aceito. Entretanto, os processos trabalhistas anteriores a ela continuaram com os valores em depósito bloqueados. Calcula-se que eles representam algo em torno de R$ 65 bilhões, que poderiam ser liberados para que as empresas investissem.

Por conta disso, pretende-se mudar, via projeto de lei complementar, o Artigo 899 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), para que novas apólices de seguros possam os substituir, tal como ocorre nos demais processos judiciais.

Como Investir nos Melhores Fundos

Termo do dia

Ágio

O que é o ágio? Ágio é um termo utilizado no mercado financeiro para designar a diferença entre o valor de mercado de um produto e…

Veja outros termos