Última modificação em 29 de setembro de 2020

O que é FCFE?

FCFE é uma abreviação para o termo Free Cash Flow to Equity ou, se preferir, "Fluxo de Caixa Livre para o Patrimônio Líquido", em tradução livre. Em Português, costumamos usar mais a expressão "Fluxo de Caixa do Acionista".

O motivo é justamente o seu significado prático e objetivo como ferramenta de avaliação de um investimento. O intuito aqui é entender qual é a sobra de caixa de uma companhia, após o pagamento de todos os custos, despesas e impostos.

A nomenclatura de "Fluxo de Caixa do Acionista" para o FCFE também tem uma razão técnica: o resultado final da sua composição acaba por ser, geralmente, o valor a ser distribuído como dividendos para os acionistas.

Neste sentido, vale observar que cada empresa tem a sua política de dividendos e não necessariamente o valor que sobra no caixa é totalmente distribuído. É importante entendê-lo antes de realizar um investimento.


Como funciona o FCFE?

Para o cálculo do FCFE, um investidor deve primeiro analisar outro tipo de fluxo de caixa: o Fluxo de Caixa do Credor (FCFF — Free Cash Flow to the Firm), uma métrica utilizada para entender a sobra de caixa de uma companhia para pagar, além dos seus acionistas, também bancos e outras instituições financeiras.

Para encontrar o FCFF, você tem duas ferramentas. Uma delas utiliza o NOPAT (Lucro Líquido Operacional) e outra baseada no resultado EBITDA  (que é o lucro da empresa antes dos descontos de taxas financeiras e impostos). Veja abaixo uma das suas fórmulas:

FCFF = [EBITDA * (1-T)] + (D*T) - LT - WC

Onde:

Uma vez que você tenha o resultado do FCFF de uma empresa, torna-se possível passar a olhar para o FCFE que, afinal, é o grande foco do nosso texto. Novamente, temos uma fórmula matemática para chegar ao resultado desejado:

FCFE = FCFF - P + N

Onde:

Sendo assim, podemos constatar que a diferença entre o FCFE e o FCFF está justamente em considerar os valores que a companhia deve para os bancos ou outras instituições financeiras. Descontando esses custos, aí sim teremos o que sobra no caixa da empresa que será equivalente também ao capital destinado aos acionistas.

Qual é a importância do FCFE?

O Fluxo de Caixa do Acionista é uma importante ferramenta de análise para os investidores, sendo uma métrica numérica que pode ser utilizada para precificar uma companhia — processo conhecido como Valuation.

Essa é uma etapa importante para encontrar um "preço justo" para as ações de uma companhia, permitindo a avaliação se essa empresa está cara ou barata. Em outras palavras, se realmente vale a pena realizar um investimento.

Além disso, o FCFE indica a capacidade da empresa de gerar valor aos seus investidores, isto é, de apresentar resultado lucrativo. Se o resultado é negativo, por exemplo, representa que não há sobra de caixa e, portanto, distribuição aos acionistas.

Outro ponto a observar é que essa abordagem é mais completa sobre o caixa de uma companhia. Isso porque, por vezes, a sobra de caixa em um atual momento não considera eventuais valores que ainda precisam ser utilizados para custos e despesas. É o caso do capital de giro ou do pagamento de dívidas bancárias — algo que, como vimos, é considerado no cálculo do Fluxo de Caixa do Acionista (FCFE).

Termo do dia

Horário de negociação da bolsa (B3)

Você sabia que existe um horário de negociação da Bolsa de Valores? Confira como a B3 organiza seus horários para os investidores negociarem as ações.

Veja outros termos