Índices e Indicadores

A renda fixa reúne títulos que habitualmente fazem parte da carteira de investidores com perfil mais conservador, afinal, elas apresentam resultados tão seguros quanto a caderneta de poupança, mas com uma rentabilidade mais significativa.

Por outro lado, quando o assunto é o retorno dos indexadores, muitos investidores se questionam sobre resultados, sobretudo dos títulos pós-fixados, como CDI, SELIC ou IPCA.

É importante lembrar, que essas opções se apresentam de maneira mais atrativa e segura para quem busca por variações que acompanham a economia, já que o rendimento de aportes desse tipo segue as taxas determinadas em um período específico. Contudo, a queda histórica da SELIC (taxa básica de juros) e consecutivas altas do dólar, contribuíram para queda de aplicações em títulos de renda fixa. 

Nesse contexto, será que ainda vale a pena investir em CDI em 2021? Para entender melhor sobre esta questão, continue sua leitura.

Afinal, o que é CDI?

O CDI ou Certificado de Depósito Interbancário é o nome dado aos empréstimos realizados entre instituições bancárias com o objetivo de fechar o caixa no azul. Isso acontece em razão da determinação do Banco Central, que obriga os bancos a fecharem o dia com saldo positivo, ou seja, eles devem ter mais dinheiro entrando do que saindo de suas contas.

Nesse contexto, é importante destacar que nem sempre é possível manter esse equilíbrio, por diferentes motivos. No geral, entende-se que o número de saques em um determinado dia pode ser maior que os depósitos, por exemplo. Logo, o banco precisa de um empréstimo para superar a diferença e deixar as contas positivas.

É neste momento que surge o CDI, afinal, os bancos solicitam os empréstimos diretamente para outras instituições bancárias. Em contrapartida ao dinheiro emprestado, eles devem pagar juros — definidos pela taxa do CDI. Em outras palavras, o Certificado de Depósito Interbancário é uma taxa correspondente ao rendimento dos bancos em função dos juros do empréstimo.

Como é calculada a taxa do CDI?

A taxa do CDI é calculada pela Bolsa de Valores brasileira (B3) a partir de operações diárias, ou seja, negociações concluídas no dia. Assim, com o valor dos índices diários definidos, é estabelecido, portanto, uma média mensal e anual, sendo estas as taxas consideradas para os rendimentos dos investimentos indexados ao CDI na renda fixa.

O cálculo oficial do CDI é efetuado pela Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos Privados (CETIP). No site da instituição, por exemplo, o interessado pode consultar desde as variações diárias até as séries históricas do CDI e, assim, basear suas decisões em investimentos mais eficientes.

Como o CDI afeta seus investimentos?

Como já destacamos, o CDI é um indexador utilizado como referência para rentabilidade de investimentos de renda fixa pós-fixados. Por isso, é importante estar atento às variações do indexador, sobretudo para investir em títulos privados como o CDB, LCI e LCA, já que elas contribuem para determinar os melhores investimentos.

Entenda, a seguir, como o Certificado de Depósito Interbancário influencia esse tipo de aplicação.

Comparativo de investimentos

O CDI é um dos principais benchmarks financeiros do país, pois permite que o investidor faça comparativos entre diferentes tipos de aplicações. Com isso, é possível identificar, por exemplo, aqueles que performam melhor, isto é, pode indicar se uma aplicação é de fato adequada ou não.

Na prática, o CDI reflete o menor prazo de um investimento conservador, o que impede que esse tipo de aplicação incorra em risco de perdas. Nesse contexto, o interessado pode avaliar o tipo de ativo que melhor se adequa às suas expectativas em relação aos ganhos, evitando também que você faça apostas em títulos que não correspondem ao seu perfil e objetivos.

Facilita o cálculo de rendimento das aplicações

Como destacamos anteriormente, o CDI é uma das principais taxas de investimentos em renda fixa. Neste caso, o retorno sobre a aplicação é definido no momento da compra do título, ou seja, ela não sofrerá variações externas após a aplicação.

Contudo, o CDI é ainda mais importante para as aplicações com taxa pós-fixada. Isso porque, nesta modalidade, o rendimento é aplicado apenas no resgate das aplicações, tendo como base, portanto, o índice de referência, como é o caso do CDI.

Em outras palavras, ativos que pagam 113% do CDI, por exemplo, representam o valor integral +13% da taxa no período da aplicação. Dessa forma, é muito importante levar em consideração os rendimentos de cada ativo, para assim determinar qual a rentabilidade mais atrativa dentro dos cenários possíveis.

Como investir em CDI em 2021?

Em via de regra, o CDI trata-se apenas de uma referência do mercado, portanto, na prática ele não pode ser considerado um tipo de investimento. Dessa forma, não se pode investir diretamente no CDI. Contudo, é possível aplicar em títulos de renda fixa atrelados à taxa.

A seguir, separamos alguns dos principais ativos que você pode adicionar à sua carteira de investimentos agora mesmo!

CDB

O CDB é um dos investimentos mais comuns do mercado financeiro. Atualmente, é possível encontrar diferentes títulos em diversas corretoras e bancos de investimento. Em razão da competitividade entre essas instituições, tanto as taxas quanto os prazos disponíveis podem variar bastante. Por isso, é fundamental fazer uma pesquisa cautelosa, a fim de encontrar a melhor opção para o seu investimento.

O Certificado de Depósito Bancário (CDB) pós-fixado é uma modalidade que está associada à taxa do CDI, logo, seu retorno se dá a partir de um percentual dessa taxa estabelecido previamente. Sendo assim, as principais ofertas para esse tipo de crédito rendem, por exemplo, entre 100% e 140% do CDI, podendo chegar até mais em alguns casos.

LC

As Letras de Câmbio (LC), diferente do que o próprio nome sugere, não estão relacionadas às moedas estrangeiras e, por isso, não sofrem variações em razão da alta ou queda do dólar. Na verdade, a LC é um tipo de aplicação financeira emitida por um banco ou outra instituição especializada em ofertas de empréstimo, semelhante ao que ocorre no CDB.

Portanto, o princípio é basicamente o mesmo, já que essas instituições bancárias oferecem títulos como uma contrapartida para angariar fundos e assim financiar suas operações. Os investimentos em LC se tornam ótimas oportunidades para quem deseja diversificar sua carteira, sem que haja uma exposição maior a riscos, pois as aplicações nas Letras de Câmbio são garantidas pelo FGC.

Vale destacar, porém, que neste caso há incidência de Imposto de Renda. Dessa forma, é preciso estar atento a tabela de deduções regressivas. Isso porque as alíquotas iniciam-se em 22,5% e podem variar até 15%, a depender de fatores como o prazo do investimento.

LCI e LCA

As Letras de Crédito Imobiliário e Letras de Crédito do Agronegócio (LCI e LCA) são títulos emitidos por instituições bancárias com finalidade de angariar recursos — através de empréstimos —, destinados a subsidiar atividades do setor imobiliário e do agronegócio.

Sua principal característica está diretamente relacionada à isenção do Imposto de Renda. Portanto, os investidores aplicam recursos para que os bancos possam emprestá-los aos setores da economia supracitados e, em contrapartida, são pagos rendimentos atrelados ao CDI, com a isenção do IR.

Apesar disso, é importante lembrar que receber isenção da Receita Federal nem sempre é sinônimo de bons rendimentos. Dessa forma, aconselha-se verificar os índices da taxa CDI nos cálculos sobre o retorno da sua aplicação. Assim, além de ser possível identificar o rendimento líquido, você descobre se as letras de crédito são opções realmente viáveis.

Qual é a diferença entre CDI e Selic?

A grosso modo, a principal diferença entre os dois indexadores está relacionada ao fato da taxa básica de juros ser aplicada pelo Governo Federal para determinar a remuneração dos bancos que oferecem empréstimo através dos títulos do Tesouro Direto. Enquanto isso, o CDI se refere aos empréstimos realizados entre instituições bancárias com recursos próprios.

Isso acontece porque o Governo precisa arcar com suas despesas e honrar compromissos. Para tanto, são emitidos títulos públicos — que podem ser negociados por qualquer pessoa através do Tesouro Direto. As corretoras de valores e demais instituições bancárias, por sua vez, são as principais detentoras dos papéis do Tesouro Direto.

Embora se tratem de taxas distintas, tanto o CDI quanto a SELIC estão diretamente relacionadas. Afinal, seus índices são próximos e o ajuste de uma pode fazer com que a outra se regule em razão dos novos números. Mediante essa prática, o lucro das operações das instituições financeiras refere-se à diferença entre os dois indicadores.

Afinal, vale a pena investir em renda fixa em 2021?

Antes de determinar se vale ou não a pena investir em qualquer ativo, é fundamental estabelecer quais serão os seus objetivos e expectativas em relação ao investimento. Em via de regra, caso esteja em busca de proteger o seu patrimônio da inflação, continuar apostando na renda fixa, por exemplo, é uma boa prática, sobretudo para investidores mais conservadores.

Contudo, é muito importante ainda pensar sobre a liquidez, ou seja, o resgate da sua aplicação. Como você sabe, ativos de renda fixa podem garantir mais facilmente aos investidores a oportunidade de acessar o capital aplicado sem maiores problemas, principalmente caso haja algum imprevisto.

Nesse contexto, investir em CDI para a formação de um fundo de emergências, por exemplo, é uma excelente alternativa. Afinal, algumas aplicações garantem liquidez diária e pode ser também uma boa maneira de diversificar sua carteira, a fim de minimizar eventuais perdas — caso seja um investidor de perfil mais moderado e que tenha maior predisposição a apostar na renda variável.

Vantagens e desvantagens

Ainda em dúvida sobre investimentos da renda fixa indexados ao CDI? Confira, a seguir, algumas vantagens dessa modalidade!

Retorno: por se tratar de uma operação cujo retorno pode ser recorrente, a renda fixa é uma aplicação recomendada para investidores que estejam buscando construir um patrimônio, ou formar seu fundo de emergências, por exemplo. Isso porque no mercado atual, é possível encontrar inúmeras financeiras que oferecem títulos rendendo acima dos 100% do CDI.

Acessibilidade: com o advento da tecnologia, muito se pode observar em matéria de desenvolvimento das plataformas de investimentos no Brasil. Nos dias atuais, é possível aplicar ativos em renda fixa pela internet, e o investidor não precisa dispensar muito tempo para acompanhar o rendimento diário da sua aplicação, já que os ganhos são diários.

Além disso, o preço dos papéis torna este investimento acessível para todos os tipos de perfis de investidor. Em grande parte do mercado é possível encontrar, por exemplo, títulos de renda fixa a partir de 30 reais.

Diversificação: ao contrário do que imaginam a maioria dos investidores iniciantes, ao optar por títulos de renda fixa atrelados ao CDI você não estará colocando todas as suas fichas em uma única aposta. Como já destacamos, existem diferentes ativos atrelados ao indexador pós-fixado, como CDB, LC, LCI, LCA e até mesmo títulos do Tesouro Direto.

Por outro lado, é natural que sejam observadas algumas desvantagens importantes em ativos de renda fixa. Abaixo, reunimos alguns pontos que merecem sua atenção:

Carência: apesar de boa parte dos papéis de renda fixa terem liquidez diária, é preciso ficar atento ao período de carência para resgatar o valor aplicado corrigido pelos índices determinados. Vale lembrar ainda que, em alguns casos, pode haver uma rentabilidade negativa, principalmente quando há o resgate fora do prazo contratado.

Rentabilidade menor: com a taxa de juros em queda, a renda fixa vem cada vez mais apresentando resultados menos expressivos, já que a taxa de retorno é atrelada direta ou indiretamente à Selic.

Concluindo, para investidores com perfil conservador, investir em ativos indexados ao CDI pode ser uma excelente oportunidade, já que conta com ótimos títulos, tanto em CDB, quanto em LCI, LCA, entre outros. Alguns deles ainda representam uma boa rentabilidade, sem contar na possibilidade de isenção do Imposto de Renda, como destacamos anteriormente.Gostou deste artigo? Se ficou alguma dúvida ou deseja aprofundar ainda mais seu conhecimento sobre este assunto, não deixe de conferir a série de vídeos que fizemos sobre como investir no CDI.

Imagem do autor

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Índices e Indicadores
Economia
Índices e Indicadores
Índices e Indicadores
Veja mais Ver mais