termos

Old Money

Autor:Equipe Mais Retorno
Data de publicação:13/07/2021 às 01:43 - Atualizado 3 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O que é Old Money?

De modo geral, Old Money refere-se às pessoas que provêm de famílias ricas, que nasceram em “berço de ouro”. A riqueza desses mais abastados não é gerada por meio do esforço próprio, não é fruto de seu trabalho, mas sim transmitida por seus familiares, que a eles repassaram os bens pertencentes à família, juntamente com a missão de cuidar desse legado econômico e, talvez, até multiplicá-lo.

Tendo como base as questões relacionadas ao fato de um indivíduo ser pertencente ou não a uma família rica, diversas discussões são feitas com o intuito de debater se o recebimento de bons ordenados advindos dos pais, avós ou outros ascendentes são, de fato, determinantes para que se tenha uma vida próspera em termos financeiros.

Em outras palavras, não é de hoje que especialistas das áreas social, econômica, entre outras tentam determinar qual seria o papel do legado recebido no sucesso ou não do Old Money. E o que provavelmente instiga essa observação é o senso comum de que herdar uma fortuna é a garantia de ser rico para o resto da vida.

Exemplos de herdeiros e suas trajetórias financeiras

Há alguns anos, foi feito um levantamento que apurou quem eram os mais ricos na primeira lista da Forbes, do ano de 1987. Três desses nomes eram Taikichiro Mori, fundador da empresa Mori Building Company; Salem Ahmed, criador do maior banco da Arábia Saudita na ocasião; e Yohachiro Iwasaki, que fundou a Iwasaki Sangyo, empresa do ramo de turismo e transportes do Japão.

O que se pretendia nessa pesquisa era descobrir como os herdeiros desses bilionários lidariam com a fortuna ao longo do tempo. Ao contrário do que se pode prever, os números mostraram que houve grande depreciação quanto aos valores deixados como herança aos descendentes diretos.

Taikichiro Mori: morreu em 1993, deixando para seus dois filhos uma fortuna de US$ 15 bilhões. Quando um de seus filhos morreu, do valor recebido (cerca de US$ 7,5 bilhões), restava a ele apensa US$ 1,6 bilhão. Já seu irmão, à época do levantamento, possuía US$ 4,8 bilhões. Concluiu-se, então, que, somando-se os dois valores e considerando a inflação, a quantia remanescente mostra uma perda de aproximadamente 80% do que foi deixado por Mori.

Salem Ahmed: em 1987, sua fortuna era de US$ 6,2 bilhões. Seu filho e herdeiro, falecido em 2009, deixou o valor de US$ 3,9 bilhões. Tais cifras, considerando os índices inflacionários, representam uma perda de mais ou menos 72%.

Yohachiro Iwasaki: até o momento de sua morte, ele conseguiu acumular um patrimônio de US$ 5,6 bilhões. Quando seu filho veio a falecer, no ano de 2009, a fortuna da família estava em US$ 5,7 bilhões. Porém, ao ser descontada a inflação e equiparando o valor real do dólar atual ao de 1987, percebe-se que, na verdade, houve um prejuízo de cerca de 50%. 

Esse estudo mostra que ser um Old Money não significa necessariamente usufruir da riqueza herdada para sempre. Também é necessário saber, sobretudo, administrar a fortuna. Ainda que o trabalho não seja determinante para a construção de uma vida abastada, ele é necessário ao menos para mantê-la.

Quais as vantagens do Old Money?

Apesar da máxima de que as pessoas dão mais valor àquilo que elas conquistaram com esforço, receber de presente um peixe, em vez de pescá-lo, pode ser muito importante na construção do ser-humano em muitos aspectos.

Com alguns milhões ou bilhões na conta, o Old Money vai precisar se dedicar à manutenção desse patrimônio, tendo que aprender muito sobre como cuidar de si e de outras pessoas, também o peso da responsabilidade, as características de um bom administrador etc., sob o risco de deixar para seus descendentes apenas resquícios do que um dia foi uma vida sem preocupações econômicas.

Sobre o autor
Equipe Mais RetornoA Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!