Logo Mais Retorno
termos

OECD

Autor:Equipe Mais Retorno
Data de publicação:14/12/2021 às 13:43 -
Atualizado 5 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O que é OECD?

OECD é a sigla abreviativa para Organization for Economic Co-operation and Development - ou Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em português.

Essa organização é composta pelos países que apresentam o melhor desempenho econômico entre todo o mundo. Por essa razão, também é conhecida como "Clube dos Ricos".

Tem como objetivo a promoção de políticas públicas que favoreçam o desenvolvimento de seus membros em diversos aspectos, ou seja, estabelece padrões internacionais que auxiliam na conduta econômica, governamental, social e ambiental de cada país associado.

Como a OECD surgiu?

A OECD é sucessora da OCEE (Organização para a Cooperação Econômica Europeia), criada em 1948 para incentivar a colaboração entre os países europeus devastados pela Segunda Guerra Mundial.

Esse incentivo a colaboração entre os países aconteceu através do investimento feito pelos Estados Unidos. Na época, os norte americanos disputavam poder com a União das Repúblicas Socialistas Sov­­­­­­­­­­­­­­­iéticas (URSS), portanto, precisavam garantir a instalação do capitalismo pela Europa a fim de impedir o avanço do comunismo pelo Ocidente.

O período de disputa entre as duas potências ficou conhecido como Guerra Fria, enquanto o incentivo financeiro dos Estados Unidos a Europa foi registrado formalmente como Plano Marshall.

A OECD foi criada em 1961. Uma vez reestruturados, os países europeus poderiam prestar apoio as demais nações, abrindo a organização para países de todos os continentes - desde que estes atendam aos critérios exigidos, claro. Sua sede fica em Paris, na França.

Qual é a relação do Brasil com a OECD?

Entrar para a OECD é a garantia de credibilidade internacional. Quem não gostaria de fazer parte do Clube dos Ricos, afinal?!

Em 2007, o Brasil solicitou ao Conselho Ministerial sua entrada ao grupo. Embora - ainda! - não tenha sido aprovado, passou a ser considerado "parceiro-chave" em 2012. Isso significa que podemos participar de Comitês da Organização e outras instâncias de trabalho:

"O Brasil pode atuar, de forma seletiva, nos Comitês que lhe são de interesse, que lhe servem como fonte de informações e de plataforma para a divulgação de posicionamentos". - Governo Federal Brasileiro

Em 2015, foi assinado o Acordo Marco de Cooperação, que estabelece um novo patamar na relação do país com a OCDE. Desde então, os membros da organização vem se dedicando a avaliar nossos progressos econômicos e sociais.

Isso porque, como dissemos no início, o objetivo da associação é auxiliar no desenvolvimento de diversos aspectos importantes. Sendo assim, não basta ser um país de PIB altíssimo, também deve garantir a qualidade de vida da população levando em conta sua segurança, educação.

Dentre os critérios de avaliação da OECD, a adesão ao capitalismo e a plena democracia estão em primeiro lugar. Para se tornar membro, além de cumprir com todas as exigências, o país precisa de aprovação unânime entre todos os participantes do conselho.

Além de estar sob observação, o Brasil conta com uma série de metas a serem cumpridas. Caso consiga, terá a chance de receber muito mais investimento, uma vez que as instituições dão preferência para países membros da organização.

A OECD pode ser considerada um Bloco Econômico?

Negativo!

A organização coopera entre si com políticas públicas e padrões internacionais de governança, a fim de garantir o crescimento econômico de seus membros. Perceba que não se tratam de acordos comerciais, como num bloco econômico.

O objetivo não é fazer com que as mercadorias circulem isentas de barreira tributárias, por exemplo, tampouco incentivar processos de importação ou exportação. A OECD preza pelo desenvolvimento geral dos países participantes.

Temos um artigo completo sobre Bloco Econômico, vale a pena dar uma olhada para tirar todas as dúvidas. Clique aqui!

Sobre o autor
Autor da Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!