Última modificação em 9 de junho de 2021

Quem é Michael Rubin?

Michael Rubin é o CEO e sócio majoritário de uma holding do setor de varejo chamada Kynect, voltada para o e-commerce.

Nos anos 90, quando estudante universitário, tinha uma empresa de soluções em tecnologia para as vendas, a GSI Commerce, que vendeu por 2,4 bilhões de dólares ao eBay. 

Nessa mesma negociação, o primeiro marketplace no mundo vendeu para ele a ShopRunner e a Fanatics, que contribuíram para a posição em que o empresário ocupa: uma das 400 pessoas mais ricas dos Estados Unidos. 

Qual a trajetória profissional de Michael Rubin?

Michael Rubin nasceu na Pensilvânia, EUA, nos anos 70. Aos 8 anos, vendia sementes e itens de papelaria de porta em porta. Aos 14, no seu bar mitzvah, ganhou 2500 dólares e decidiu abrir uma loja de esquis com o dinheiro, que já estava em atividade há 2 anos, no porão da sua casa.

Por insistência do pai, Ken Rubin, um médico veterinário, o garoto entrou para a faculdade, mas desistiu no primeiro semestre, quando encontrou uma operação muito lucrativa com a sua empresa. 

Aos 26 anos, era dono da bilionária GSI Commerce, companhia fundada por ele. Depois da negociação com o eBay e de algumas recompras, inclusive de produtos da GSI, passou a ser dono também da Rue Gilt Groupe — um grupo com 3 outras organizações. 

A propósito, uma das histórias envolvidas com a fundação da GSI, foi que Rubin fez um pitch de 30 min para um dos investidores, o Masayoshi Son, da SoftBank. O empresário japonês respondeu dizendo que ele e a equipe seriam os próximos Jeff Bezos e Michael Dell e, enfim, comprou 30% da empresa.

Em 2020, fez outra negociação, dessa vez com a FedEx, por meio da venda da ShopRunner, que já havia recebido investimentos até do gigante Alibaba.

Quais as contribuições de Michael Rubin para o empreendedorismo?

Rubin foi um dos mais jovens diretores a ter uma empresa listada na NASDAQ, a GSI Commerce, aos 25 anos de idade. Um dos motivos para os seus negócios terem dado certo se deve ao seu modelo original de v-commerce.

Neste modelo, os produtos das lojas virtuais devem ser únicos, especializados e diferentes — sobretudo para não serem ‘commoditizados’ pela Internet. A proposta é fazer com que os varejistas controlem o destino dos seus produtos e venda-os diretamente aos consumidores, ou seja, tornar a empresa semelhante às do tipo verticais.

As organizações verticais produzem e distribuem seus próprios produtos ou serviços, o que contribui com a sua independência, com a obtenção de lucros maiores e com a possibilidade de usar tecnologia própria.  

Michael também prioriza a integração omnichannel para entregar os produtos de forma ágil aos clientes, ainda que a entrega seja feita pela Uber. 

Um outro ponto é a entrega sob demanda: o empresário estadunidense prioriza a experiência e a satisfação dos desejos dos clientes. Esse cuidado é necessário, já que nessa transformação digital qualquer produto de qualquer outra loja está ao alcance dos usuários a qualquer momento. 

Por fim, Rubin também é bastante conhecido pelo seu trabalho social com a REFORM Alliance, organização em que é co-fundador e divide a liderança com outros ícones como o rapper JAY-Z. O objetivo da REFORM é reduzir o número de pessoas que estão injustamente sob o controle do sistema de justiça criminal, como liberdade condicional. 

Michael Rubin já esclareceu, em entrevista, que não pretende financiar ativismo ou intermediários entre presidiários e advogados, mas fazer lobby por mudanças políticas para que alcance a meta principal: reduzir o número de prisões injustas e outras restrições, em um milhão, nos próximos cinco anos. 

Termo do dia

Black & Scholes

O que é Black & Scholes Os economistas Fischer Black e Myron Scholes foram os responsáveis pelo modelo de precificação de opções conhecido como Black &…