Logo Mais Retorno
termos

Just say no defense: entenda como funciona

Autor:Equipe Mais Retorno
Data de publicação:25/08/2022 às 17:52 -
Atualizado 3 meses atrás
Compartilhe:

O que é Just Say No?

Just Say No é uma expressão, em inglês, que significa "simplesmente diga não". Embora pareça algo relativamente simples, ela tem uma aplicabilidade importante no contexto do mercado financeiro — em especial diante de propostas de aquisição.

Quando uma empresa tem o interesse em adquirir uma outra companhia sem que esta esteja à venda, pode realizar o que de chama de uma "oferta hostil". O nome, embora possa aparentar algo agressivo, tem origem apenas no tipo de oferta, pois ela não foi solicitada pela outra parte.

No entanto, quando um conselho de administração se vê diante da possibilidade de vender o seu negócio, pode optar por uma estratégia defensiva de simplesmente recusar qualquer possibilidade de negócio. É justamente o que propõe a defesa "Just Say No".

Como funciona o Just Say No?

A estratégia de "Just Say No" é observada como uma prática defensiva no mercado financeiro, que visa proteger os interesses de uma companhia diante de potenciais compradores.

Desta forma, ao utilizar do "Just Say No" para recusar eventuais ofertas concorrentes, uma companhia está transmitindo uma mensagem ao mercado de que não se interessa por qualquer tipo de negócio.

Essa é uma abordagem válida em diversas situações. É o caso de quando não há interesse em se desfazer do negócio, acreditando que há um grande potencial de valorização no qual vale a pena se manter como executivo. Ou então em uma situação na qual a oferta realizada esteja abaixo do que os proprietários entendem como justo para abrir uma negociação.

Em alguns cenários mais específicos, a estratégia de "Just Say No" também pode ser empregada em uma situação na qual já há um destino traçado para a companhia. É o caso, por exemplo, de uma fusão em mente para o futuro com outra empresa que não seja aquela responsável pela emissão da proposta em questão.

Qual é a origem da defesa Just Say No?

Embora seja muito comum no ambiente corporativo, a origem do termo "Just Say No" como uma resposta defensiva e uma estratégia de proteção tem origem em um segmento mais distante.

Na década de 1980, essa foi a expressão para uma campanha contra drogas promovida pela primeira dama Nancy Reagan. A proposta era simples: para fugir dos efeitos negativos promovidos pelo uso de substâncias perigosas, bastava recusar a quem oferecesse. Ou, para usar o idioma original da campanha, "Just Say No".

No contexto corporativo, a expressão foi adotada em função de uma série de aquisições de pequenos negócios, com propostas muitas vezes abaixo do que seria um acordo justo para ambas as partes.

Desta forma, os pequenos empresários passaram a adotar essa estratégia mais defensiva de simplesmente recusar propostas superficiais para os seus negócios, de forma a preservar a sua participação e o potencial crescimento que o empreendimento apresentava.

Críticas à defesa Just Say No

Nem só de elogios vive a defesa "Just Say No" no ambiente corporativo. Existem também alguns críticos da estratégia, alegando que essa metodologia ignora o interesse de muitos acionistas.

A verdade é que, ao adotar a estratégia "Just Say No", o conselho de administração de um negócio demonstra uma mensagem ao mercado de que não está disposto sequer a negociar a sua venda.

No entanto, nem sempre essa é a visão que possuem os acionistas — afinal, outras companhias podem oferecer um valor substancialmente maior do que as ações são negociadas em bolsa. Ou seja, os investidores da empresa acabam perdendo a oportunidade de um bom lucro.

Ao mesmo tempo, não se pode negar que, a depender dos gestores do negócio, o próprio corpo administrativo pode contribuir para o crescimento da companhia, gerando um crescimento que acabe como um lucro superior ao oferecido em uma oferta hostil. É isso que deve ser comparado e, em muitos casos, cria divergências e conflitos de interesses.

Sobre o autor
Autor da Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

Inscreva-se em nossa newsletter

,