Logo Mais Retorno
termos

Correção em gráfico de preço

Autor:Equipe Mais Retorno
Data de publicação:27/06/2022 às 14:21 -
Atualizado um mês atrás
Compartilhe:

Em algumas situações, você perceberá que o preço dos seus ativos pode sofrer uma alteração mesmo que ela não seja fruto da negociação dos investidores. Esse ajuste é, na verdade, uma correção do seu preço em função de algum fator específico. Vamos entender como isso funciona na prática.

O que é a correção de preço de um ativo?

Ao contrário das naturais oscilações de preço de um ativo (ações, fundos imobiliários ou títulos de renda fixa, por exemplo) causadas pelas condições de mercado — cenário econômico ou movimentos dos investidores ao comprar e vender os seus ativos —, a correção de preço diz respeito a um ajuste técnico no seu valor de negociação.

Ele é forçado por algum fato relevante que envolve o ativo. Os casos mais comuns são a distrubuição de rendimentos (algo que pode ser o pagamento de dividendos para as ações ou o pagamento de cupom para títulos de renda fixa) e o desdobramento de ações. Entenda o efeito desses eventos:

  • Distribuição de rendimentos: é a distribuição financeira do ativo. Neste caso, uma parte do seu valor é transferido ao investidor, algo que deve ser considerado no seu preço.
  • Desdobramento ou grupamento de ações: esse é um processo no qual a empresa "dobra" suas ações, reduzindo o preço pela metade. Não tem qualquer efeito de lucro ou prejuízo, mas o preço precisa ser dividido para se adequar à realidade.

Como funciona a correção de preços em gráficos?

Para esses dois eventos (ou situações similares), o preço de um ativo precisa ser ajustado. Vamos considerar que você tenha 100 ações de uma empresa, compradas ao preço de R$10 cada uma.

Distribuição de dividendos

Suponha agora que, no dia 25 de junho de 2022, essa companhia distribuiu R$0,50 de dividendos por ação. Como há uma saída do caixa da empresa, ela passa a "valer menos" em termos patrimoniais. Assim, o mercado deve corrigir o preço do ativo que, ao invés de ser negociado a R$10,00, abrirá no dia 26 de junho com a ação a R$9,50.

Note que não se trata de uma perda de valor da empresa na prática, pois as suas ações não se desvalorizaram em 5%, mas foram "transferidas" para o seu bolso enquanto acionista. Por outro lado, sem o ajuste de preço, o investidor simplesmente ganharia 5%, o que não faria sentido visto que nada mudou na empresa. A mesma lógica se aplica à renda fixa.

Desdobramento de ações

Já no caso de desdobramento de ações, vamos considerar que a empresa antes tenha realizado, no dia 10 de maio, um desdobramento na proporção de 1 para 2. Ou seja, ao invés de ter 100 ações, você passa a ter 200 ações da companhia.

Como não se trata de uma nova emissão e sim uma mudança de quantidade de ações disponíveis, no dia seguinte essa mesma ação passaria a ser negociada a R$5,00 (preço dividido por dois) em função do desdobramento.

Essa correção de preço acontece para ajustar o valor do ativo às novas condições de negociação. Note que, sem essa alteração, a sua posição dobraria de valor — passando de R$1.000 (100 ações x R$10) para R$2.000. O mercado sabe que isso não faz sentido, pois nada mudou com a empresa, então a correção é realizada.

Como calcular ajuste de preço no preço dos ativos?

O ajuste das correções de preço são bem simples de calcular. Eles são aplicados quando um dos eventos acontece, adequando a precificação do ativo diante da sua nova condição. Veja abaixo a fórmula para cada caso.

  • Distribuição de rendimentos: Preço do Ativo x (1 - [Rendimentos/Preço do Ativo])
  • Desdobramento de ações: Preço do Ativo / Fator de Desdobramento

As fórmulas estão compartilhadas a título de curiosidade visto que a nossa ferramenta faz os ajustes de preço de forma automática. Portanto, você não precisa se preocupar em aplicar os cálculos, mas sim entender os motivos pelos quais os valores dos ativos são ajustados.

Através da nossa ferramenta, é possível encontrar nos gráficos a opção retorno ajustado, onde você pode selecionar para encontrar a diferença.

Aqui está um exemplo do título público NTN-b com vencimento em 2045, SEM o retorno ajustado:

Gráfico de rentabilidade NTN-B - 05/2045 SEM o retorno ajustado

E aqui o mesmo exemplo COM o retorno ajustado:

Gráfico de rentabilidade NTN-B - 05/2045 COM o retorno ajustado

Price Return ou Total Return: qual a diferença?

Ao analisar o preço dos ativos no mercado financeiro, você vai encontrar duas formas de cálculo: Price Return e Total Return — "Retorno do Preço" e "Retorno Total", em tradução para a língua portuguesa. Mas qual é então a diferença desses dois formatos?

O Total Return representa o retorno total de um ativo. Isto é, além da natural variação de preço em função da negociação dos investidores, entram para esse contato o pagamento de dividendos, rendimentos ou, para os títulos de renda fixa, o pagamento de cupom.

Já o Price Return traz uma abordagem exclusivamente sobre o preço do ativo. Neste caso, portanto, não são considerados esses pagamentos adicionais de modo a compreender apenas como a cota, a ação ou o título performou em termos de negociação.

Essa diferenciação é interessante para que o investidor consiga visualizar o impacto positivo dos eventos como dividendos ou rendimentos no longo prazo dos seus investimentos.

LEIA MAIS:

Sobre o autor
Autor da Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!