Última modificação em 28 de junho de 2021

O que é CCL?

CCL, que significa Capital Circulante Líquido, é um cálculo composto pelos bens, direitos e outros recursos que a empresa dispõe para garantir ou aumentar as suas atividades ao longo de um ciclo de operações.

No mercado financeiro, o CCL, também conhecido como capital de giro líquido (CGL), é útil para saber se a companhia tem os seus pagamentos em dia e as suas operações estão em pleno funcionamento. 

Como é calculado o CCL?

A fórmula é bastante simples, veja:

CCL = Ativo circulante - Passivo circulante

Ou seja, é apenas a diferença entre ativo e passivo circulantes. 

Sendo que ativo circulante são os bens de alta liquidez ou os que serão consumidos e convertidos em dinheiro durante o período especificado. Exemplos: saldo bancário da organização e estoques. 

Já o passivo circulante são as contas e despesas que precisam ser cobertas ao longo do exercício social, como os salários dos funcionários e o pagamento dos impostos. 

Lembre-se de que esses indicadores se referem às datas que constam no Balanço Patrimonial (BP) ou na DOAR (Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos) — onde o CCL aparece. 

Cenários possíveis do CCL 

Um capital circulante líquido muito baixo, ou seja, quando os valores dos ativos estão próximos aos valores dos passivos, significa uma saúde financeira a desejar. 

De forma diametralmente oposta, quando a diferença está alta, pode indicar que o dinheiro dos investidores está parado. 

Por isso, caso o CCL esteja em algum dos extremos, é aconselhável tirar uma conclusão real apenas a partir da análise de outros indicadores do BP ou DOAR.

Que operações independem do CCL?

Agora que você viu que esse índice está relacionado com os bens e as despesas da empresa, veja também o que não o influencia:

Como manter um CCL ideal?

Não é regra, mas é recomendável manter os passivos menores que os ativos. Isso se obtém com algumas práticas, como o gerenciamento adequado de custos e despesas da empresa.

O CCL positivo, usualmente, representa uma folga na liquidez, uma sobra de recursos que pode ser destinada à cobertura de gastos eventuais.

Nos investimentos, quanto maior o índice, menor o risco de insolvência da empresa, já que os recursos de curto prazo suprem os passivos do mesmo horizonte de tempo.

Vale a pena investir em uma empresa com CCL baixo?

Em regra geral, os investidores analisam a liquidez corrente como um todo, se ela está igual ou maior que 1. 

Esse indicador mensura a capacidade da organização de, a curto prazo, dar conta de todas as suas obrigações. 

Inclusive, a sua fórmula consiste na divisão do ativo circulante sobre o passivo circulante, não a subtração, como no CCL.

Portanto, se a empresa tem um capital circulante líquido negativo e uma liquidez corrente adequada, pode valer a pena investir nela. Até porque o próprio processo operacional de algumas companhias provocam esse CCL desfavorável.

Imagine o caso de uma prestadora de serviços, que trabalha à vista e recebe dinheiro diariamente. O seu capital circulante líquido, possivelmente, se encontra sempre baixo (por não haver estoques). 

Mas isso não significa saúde financeira ruim, pelo contrário. Essa é a realidade da economia digital, com empresas de software e de serviços se valorizando cada vez mais.

Afinal, como não errar nessa análise?

É simples, sempre considere, além do valor do CCL, o setor de atuação da companhia e os seus outros indicadores de liquidez.

Termo do dia

Propriedade Privada

O que é a propriedade privada? Propriedade privada é o nome dado à qualidade específica de um bem – a de ser posse de uma pessoa,…