Logo Mais Retorno
termos

CAD

Autor:Equipe Mais Retorno
Data de publicação:12/05/2022 às 16:18 -
Atualizado 5 dias atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O que é CAD?

CAD é o código internacional da moeda utilizada no Canadá, o Dólar Canadense – ou Dólar Canadiano, como também é conhecido..

A região que conhecemos hoje como Canadá já foi habitada por diversos povos, desde asiáticos, até vikings vindos da Islândia. Entretanto, sua colonização aconteceu por meio de duas potências mundiais: França e Inglaterra..

A disputa por espaços de terra resultou numa mistura tanto social, quanto econômica. A Libra Esterlina e o Franco Francês circulavam livremente entre todos os Estados do país. Além disso, também era permitido o uso de moedas holandesas e moedas privadas como unidade de compra e venda, em sua maioria emitidas por províncias de culturas bem específicas.

O CAD foi adotado em 1858 e, em 1867, tornou-se moeda oficial do país. A partir desse ano, todas as outras unidades monetárias saíram de circulação e o Canadá foi nomeado livre de anexação aos Estados Unidos da América.

Fato curioso é que, até 1935 qualquer banco privado podia emitir notas de Dólar Canadense. O direito exclusivo de emissão foi concedido ao Banco do Canadá apenas no ano seguinte. Atualmente, o CAD é dividido em cêntimos e simbolizado por “$” ou “C$”. Suas moedas são de 1, 5, 10, 2 e 50 cêntimos, enquanto as notas são de 5, 10, 20, 50 e 100 dólares.

Além do CAD, conheça também SGD e NZD

SGD é o código internacional para o Dólar de Singapura. O país é referência em tecnologia e alto padrão de vida, composto por ilhas sofisticadas, modernas e totalmente desenvolvidas.

A Inglaterra foi colonizadora da região, mas, com os resultados da Segunda Guerra Mundial, precisou reunir forçar afim de recuperar os incontáveis prejuízos econômicos, estruturais e sociais que sofrera. Isso deu margem para que o Japão invadisse Singapura e, dali para frente, controlasse o país.

Desde sua independência, em 1965, o país utiliza o SGD como unidade monetária. Atualmente, Singapura é um dos principais centros financeiros do mundo, com fundos de investimento em tecnologia a partir de 100 milhões de dólares.

O símbolo da moeda é “S$” e a unidade é dividida em cêntimos. A emissão das notas é feita pela Autoridade Monetária de Singapura, enquanto a cunhagem das moedas fica sob responsabilidade da Casa da Moeda de Singapura.

Existem notas de 2, 5, 10, 20, 50, 100, 1000 e 10 000 dólares, e moedas de 1, 5, 10, 20 e 50 cêntimos.

Já o NZD, é o código internacional da moeda utilizada na Nova Zelândia, o Dólar Neozelandês.

A Nova Zelândia é um país localizado a sudoeste do Oceano Pacífico, composto por duas ilhas. Foi descoberto em 1642 e colonizado pela Inglaterra, que na época também colonizava terras pela Europa e Continente Asiático.

As primeiras moedas foram instituídas durante o século XIX, e em 1850 a Libra Esterlina foi designada como unidade monetária oficial do país. Apesar disso, a circulação dela não era igualitária entre todas as regiões por ser considerada uma moeda real; exclusiva da coroa britânica.

A partir de 1935, a Libra Esterlina deixou de ser oficial, embora a nova moeda fosse baseada em seus valores. Só em 1967, a libra neozelandesa dava lugar ao Dólar Neozelandês.

O NZD está entre as 12 principais moedas mais negociadas no mundo. Seu símbolo é “$” e, além de Dólar Neozelandês, também é conhecido como “Kiwi”. A divisão da unidade monetária é feita em cêntimos e sua emissão acontece pelo Banco da Reserva da Nova Zelândia.

As moedas são divididas entre 10, 20 e 50 cêntimos, enquanto as notas são de 5, 10, 20, 50 e 100 dólares. A título de curiosidade, as primeiras moedas e notas eram cunhadas com o rosto de Rainha Isabel II, sendo substituídas posteriormente por elementos locais que retratam a história da Nova Zelândia.

Sobre o autor
Autor da Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!