Última modificação em 11 de março de 2021

Quem é Alexandre Barreto de Souza?

Alexandre Barreto de Souza é um administrador que, no momento é presidente do Cade (Conselho Administrativo de Defesa ao Consumidor), órgão que é responsável por combater a formação de cartéis e assegurar a livre concorrência no mercado.

Na última década, Barreto de Souza vem se destacando pelo seu trabalho de forma geral, mas, principalmente, depois de assumir a presidência do Cade. Formado em Administração e com especialidade no desempenho de funções na área pública, atua em cargos do Estado desde o início dos anos 1990 e, desde o ano de 2000 está no Tribunal de Contas da União (TCU).

A maior parte da sua carreira foi voltada ao Estado. Alexandre foi responsável pela 2ª Diretoria da Secretaria de Controle Externo De Aquisições Logísticas e, como tema da sua dissertação de mestrado, abordou as comissões parlamentares de inquérito instaladas na Câmara dos Deputados e no Senado depois da Constituição de 1988. O intuito era verificar se elas podem ser consideradas como instrumento de accountability horizontal.

Qual é a formação de Alexandre Barreto de Souza e como foram seus primeiros passos profissionais?

Barreto de Souza é formado em Administração de Empresas pela UNB (Universidade de Brasília). Também é especializado na área de administração pública e tem um mestrado nesse mesmo setor. O começo da sua carreira no estado se deu no início dos anos 1990, onde trabalhou como técnico em finanças na Secretaria do Tesouro Nacional.

Alexandre permaneceu nessa função até o ano de 1998, quando precisou deixar o cargo para tomar posse como analista na Receita Federal do Brasil, onde permaneceu até 2000. Depois disso, se tornou auditor no Tribunal de Contas da União, função que ocupa até os dias de hoje. Nesse mesmo período, atuou em outros cargos do Estado.

Como se deu a trajetória profissional de Alexandre Barreto de Souza até aqui?

Entre os anos de 2000 e 2005, Alexandre Barreto de Souza foi cedido ao Senado Federal pelo Tribunal de Contas da União para exercer a função de assessor técnico desse órgão. Já de volta ao TCU, ganhou ainda mais destaque quando ocupou a posição de diretor no setor que fiscaliza todas as instituições financeiras.

Alexandre permaneceu no cargo até o ano de 2013 e, logo depois, se tornou diretor da área que é responsável pelo controle de licitação de contratos. Essa função foi ocupada até 2014, quando foi convidado a assumir a posição de Chefe de Gabinete do ministro do Tribunal de Contas da União na época, Bruno Dantas.

Como Alexandre Barreto de Souza assumiu a presidência do Cade?

Com a queda da então presidente do Brasil, Dilma Rousseff, o seu vice-presidente assumiu o posto. Uma das mudanças realizadas por ele, então, foi nomear Alexandre Barreto de Souza como presidente do Cade.

O Cade compõe o Sistema Brasileiro De Defesa da Concorrência (SBDC). Junto dele, estão a Secretaria de Direito Econômico (SDE/MJ) e a Secretaria de Acompanhamento Econômico (Seae/MF). Sendo assim, cabe às secretarias investigar possíveis infrações no âmbito concorrencial. Já o Cade, em última instância, fica responsável por realizar o julgamento dos processos. Outra função é a de combater a prática de formação de cartéis.

A presidência do Cade foi assumida por Barreto de Souza no ano de 2007. Nessa ocasião, o administrador assumiu o cargo que, até então, era ocupado por Gilvanido Araújo — que foi afastado na época por envolvimento em casos de corrupção. Com o intuito de retomar a credibilidade do órgão, Alexandre se utilizou de um discurso bastante direto sobre temas que envolvem diretamente o Cade desde o início do seu mandato.

Outro fator que contribui bastante para o modelo de gestão adotado por ele foi a pressão sofrida pelo Conselho Administrativo de Defesa ao Consumidor em relação a casos envolvendo a Petrobras nos últimos anos. Não à toa, o nome de Alexandre Barreto de Souza é sempre citado quando aparecem notícias que envolvem possíveis negociações envolvendo os ativos da estatal.

Termo do dia

Plano de Recuperação Judicial

O que é Plano de Recuperação Judicial? O plano de recuperação judicial, cujos requisitos para a realização estão dispostos na Lei Nº 11.101/2005, é um instrumento…