Logo Mais Retorno
Empresa

Sem IPOs no 1º tri, mercado de capitais movimenta volume recorde com renda fixa

Empresas recorreram à emissão de debêntures para captação de recursos

Data de publicação:13/04/2022 às 00:30 -
Atualizado um mês atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

As ofertas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês) secaram no primeiro trimestre, e não houve estreias na B3 no período, mas muitas empresas resolveram lançar títulos de renda fixa.

Com isso, o volume total de captações no mercado de capitais no Brasil no primeiro trimestre de 2022 chegou a R$ 105,2 bilhões, de acordo com a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). O valor supera os R$ 102,8 bilhões captados no mesmo período de 2021 e é novo recorde histórico.

ipos
Volume total de captações no mercado de capitais no Brasil no primeiro trimestre de 2022 chegou a R$ 105,2 bilhões - Foto: Reprodução

Desse total, a renda fixa respondeu por 85%, com captações somando R$ 89,1 bilhões de janeiro a março, o melhor primeiro trimestre para a categoria desde 2012. O número de operações pode ainda aumentar em R$ 19,7 bilhões, por conta de ofertas que estão em análise na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

O carro-chefe no primeiro trimestre foi a emissão de debêntures, com R$ 55,9 bilhões, quase o dobro do mesmo período do ano passado e um recorde para esse tipo de ativo.

Nas debêntures, a Anbima destaca algumas grandes operações no período, como a Claro, que captou R$ 4,3 bilhões, a da Equatorial Energia (R$ 4 bilhões) e a da Iguá RJ (R$ 4 bilhões). Os principais destinos dos recursos captados via debêntures foram capital de giro (34,2%) e refinanciamento de passivo (24,2%).

Uma tendência observada no primeiro período do ano foi que os bancos coordenadores das operações e demais participantes reduziram o porcentual do papel que colocam em suas carteiras.

Com isso, essa fatia caiu de 62,9% para 51,6%. Já os fundos de investimento mostraram-se mais interessados nas debêntures, elevando sua participação de 24,7% para 36,6%, segundo a Anbima.

O vice-presidente da Anbima, José Eduardo Laloni, ressalta em nota à imprensa que o cenário internacional teve um papel importante no resultado da renda fixa no primeiro trimestre.

Com a perspectiva de alta de juros nos Estados Unidos, a guerra da Ucrânia e o real mais fortalecido, ficou desfavorável captar no exterior, o que fez empresas procurarem tomar recursos no mercado doméstico, sobretudo via debêntures. /Agência Estado

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!