Logo Mais Retorno
Número de IPO’s bate recorde na Bolsa em 2021, mas acumula rentabilidade negativa
Empresa

Sem IPOs no 1º tri, mercado de capitais movimenta volume recorde com renda fixa

Empresas recorreram à emissão de debêntures para captação de recursos

Data de publicação:13/04/2022 às 00:30 -
Atualizado 6 meses atrás
Compartilhe:

As ofertas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês) secaram no primeiro trimestre, e não houve estreias na B3 no período, mas muitas empresas resolveram lançar títulos de renda fixa.

Com isso, o volume total de captações no mercado de capitais no Brasil no primeiro trimestre de 2022 chegou a R$ 105,2 bilhões, de acordo com a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). O valor supera os R$ 102,8 bilhões captados no mesmo período de 2021 e é novo recorde histórico.

ipos
Volume total de captações no mercado de capitais no Brasil no primeiro trimestre de 2022 chegou a R$ 105,2 bilhões - Foto: Reprodução

Desse total, a renda fixa respondeu por 85%, com captações somando R$ 89,1 bilhões de janeiro a março, o melhor primeiro trimestre para a categoria desde 2012. O número de operações pode ainda aumentar em R$ 19,7 bilhões, por conta de ofertas que estão em análise na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

O carro-chefe no primeiro trimestre foi a emissão de debêntures, com R$ 55,9 bilhões, quase o dobro do mesmo período do ano passado e um recorde para esse tipo de ativo.

Nas debêntures, a Anbima destaca algumas grandes operações no período, como a Claro, que captou R$ 4,3 bilhões, a da Equatorial Energia (R$ 4 bilhões) e a da Iguá RJ (R$ 4 bilhões). Os principais destinos dos recursos captados via debêntures foram capital de giro (34,2%) e refinanciamento de passivo (24,2%).

Uma tendência observada no primeiro período do ano foi que os bancos coordenadores das operações e demais participantes reduziram o porcentual do papel que colocam em suas carteiras.

Com isso, essa fatia caiu de 62,9% para 51,6%. Já os fundos de investimento mostraram-se mais interessados nas debêntures, elevando sua participação de 24,7% para 36,6%, segundo a Anbima.

O vice-presidente da Anbima, José Eduardo Laloni, ressalta em nota à imprensa que o cenário internacional teve um papel importante no resultado da renda fixa no primeiro trimestre.

Com a perspectiva de alta de juros nos Estados Unidos, a guerra da Ucrânia e o real mais fortalecido, ficou desfavorável captar no exterior, o que fez empresas procurarem tomar recursos no mercado doméstico, sobretudo via debêntures. /Agência Estado

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

Inscreva-se em nossa newsletter