Empresa

A Raia Drogasil reportou lucro líquido ajustado de R$ 232,022 milhões no segundo trimestre de 2021, alta de 276% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Lucro da Raia Drogasil sobe 276% no segundo trimestre de 2021 ante o resultado obtido na mesma base de comparação de 2020 - Foto: Reprodução

Excluindo os ajustes, o lucro somaria R$ 266,443 milhões entre abril e junho do ano passado, com avanço de 342% na comparação anual.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortizações e depreciação) ajustado da companhia atingiu R$ 497,1 milhões no trimestre, crescimento de 114% na comparação com igual intervalo de 2020. A margem Ebitda ajustada passou de 4,9% para 8%.

A receita líquida de vendas e serviços da RD cresceu 31% no comparativo anual, passando de R$ 4,469 bilhões para R$ 5,868 bilhões. A rede fechou o trimestre com 2.374 lojas, com a inauguração de 62 unidades e fechamento de sete no período.

Segundo balanço da companhia divulgado ao mercado na noite anterior, a empresa inaugurou 62 novas farmácias no segundo trimestre e encerrou sete pontos de venda, concluindo o período com 2.374 farmácias. “Reiteramos nosso guidance de 240 aberturas brutas por ano para 2021 e 2022”, enfatizou a Raia Drogasil.

As despesas com vendas no trimestre totalizaram R$ 1.119,8 milhões, equivalente a 17,9% da receita bruta, uma diluição de 2,1 ponto percentual sobre o mesmo período do ano anterior.

Aquisição da Cuco Health

O conselho de administração da Raia Drogasil aprovou, por unanimidade e sem ressalvas, a aquisição de 100% da Cuco Health.

O valor da operação não foi informado pela companhia. Criada em 2016, a Cuco Health é pioneira no desenvolvimento de uma plataforma digital de cuidado focada em aderência ao tratamento.

Segundo a empresa, a baixa aderência ao tratamento é considerada um dos principais problemas de saúde em todo o mundo, em especial no caso de doenças crônicas assintomáticas.

Em comunicado ao mercado, a companhia afirma ainda que entende que a tecnologia e expertise desenvolvidas pela Cuco Health serão fundamentais para ajudar seus clientes a aderir de forma plena ao tratamento prescrito pelo seu médico.

A rede de farmácias ainda deve finalizar estudo sobre a necessidade de aprovação da compra à Assembleia Geral de Acionistas e aguarda a submissão do acordo ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), além de outros atos necessários à sua conclusão. / com Agência Estado

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Veja mais Ver mais