Logo Mais Retorno
Economia

Para 63% dos CEOs brasileiros da indústria de consumo, economia vai acelerar

Dados são da 25ª edição da Pesquisa Anual Global CEO Survey

Data de publicação:20/01/2022 às 18:00 -
Atualizado 4 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Os presidentes brasileiros de empresas da indústria de consumo estão otimistas para 2022 e acreditam que a economia vai acelerar. São 82% os que veem com boas perspectivas o cenário econômico internacional nos próximos 12 meses. A média global para esse indicador, por sua vez, é de 77%.

No Brasil, 5% dos executivos que participaram da pesquisa acreditam que 2022 será de estabilidade econômica internacional e 13% projetam uma desaceleração. Já em relação ao PIB do Brasil, 63% avaliam que haverá um aquecimento da economia do País, outros 26% veem uma desaceleração a caminho, enquanto 11% disseram que haverá estabilidade.

economia vai acelerar

Os dados são da 25ª edição da Pesquisa Anual Global com CEOs da PwC (25th Annual Global CEO Survey), que ouviu mais de 4,4 mil executivos, em 89 países.

Para Carlos Coutinho, sócio da PwC Brasil, esse otimismo diz respeito ao cenário difícil que as empresas de setor viveram nos últimos dois anos de pandemia e aos desafios que elas conseguiram superar. Considerando o passado e o quanto houve de resiliência e adaptação de seus negócios, a maioria tende a achar que o futuro será melhor. No entanto, o levantamento não quantifica o crescimento econômico esperado pelos CEOs.

A CEO Survey também revelou que a instabilidade macroeconômica (66%), os riscos cibernéticos (47%) e as mudanças climáticas (39%) estão entre as principais preocupações globais dos CEOs brasileiros do setor, que podem afetar negativamente as empresas no próximo ano.

Sobre os impactos, os líderes do segmento citaram principalmente que a instabilidade econômica pode afetar as vendas (81%) e o desenvolvimento de produtos e serviços (42%), levantar capital (39%), atrair e reter talentos (39%) e a inovação (39%).

Coutinho pontuou ainda que a pesquisa foi rodada antes da variante Ômicron do coronavírus chegar ao Brasil, assim, o otimismo econômico não relata exatamente a visão dos líderes empresariais pós-descoberta da nova cepa.

Aquisições

Outro dado do levantamento mostra que as empresas do setor de consumo participam mais de aquisições e novos projetos do que a média brasileira. Do total, 11% dos CEOs desse segmento disseram que sua empresa se envolve com aquisições mais de quatro vezes por ano, contra uma média de 6% dos CEOs do País em geral.

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!