Empresa

A Rumo Logística, que faz parte do grupo Cosan, informou, na última sexta-feira, 14, que deverá inaugurar mais uma etapa da operação do tramo central da Ferrovia Norte-Sul em pouco tempo. A notícia foi dada pelo diretor financeiro do grupo, Ricardo Lewin, durante a teleconferência de divulgação dos dados trimestrais da companhia.

Foto: Wesley Souza Fotos
Para XP, investimento da Rumo no tramo central da Ferrovia Norte-Sul pode engordar o caixa da empresa - Foto: Wesley Souza Fotos

Durante a ocasião, Ricardo Lewin afirmou que o terminal deverá captar a atual safra do milho, que, segundo analistas, deve emplacar um novo recorde neste ano. Para a analista de renda fixa da XP, Camila Dolle, esse investimento é visto como positivo para os resultados da empresa no segundo semestre.

“A empresa possui duas vezes mais contratos de ‘take or pay’ para a atual safra de milho frente à do ano anterior, o que garante que a Rumo capte com maior intensidade a melhor safra e aumente a previsibilidade de receitas”, destaca Camila em relatório.

Contratos de “take or pay” envolvem cláusulas que garantem à ferrovia um pagamento mínimo caso o cliente não forneça carga para transporte.

A capacidade do terminal de Rio Verde será duas vezes maior se comparado ao de Rondonópolis, enfatiza a analista de renda fixa da XP. “E deverá iniciar suas operações no segundo semestre, o que contribuirá para evoluir as operações da Malha Central, assim como obter ganhos de escala”, aponta.

A empresa assinou, em maio de 2020, a renovação antecipada da concessão da Malha Paulista até 2058, finalizou as obras de expansão da capacidade do Terminal de Rondonópolis em julho e concluiu os investimentos para tornar a Malha Central (antiga Ferrovia Norte-Sul) operacional no início deste ano.

Transporte incerto

De acordo com Camila, ainda há algumas incertezas em relação à movimentação do transporte de milho no quarto trimestre, como a venda da soja acontecendo no mesmo período em que a comercialização da commodity.

“Devido ao atraso da safra de soja, o período de venda das duas commodities, que possuem relevância significativa para as operações da empresa, deverá coincidir, o que resultará em um desafio logístico para o seu escoamento”, avalia a analista da XP.

Para Camila, mesmo com a coincidência de escoamento das safras, que, na visão dela é um desafio temporário, as perspectivas de ampliação da capacidade de transporte da Rumo no segundo semestre são positivas, aumentando a capacidade de geração de caixa da companhia.

Imagem do autor

Repórter do Portal Mais Retorno.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Empresa
Empresa
Empresa
Empresa
Veja mais Ver mais