Logo Mais Retorno
Economia

Inflação acelera em junho, indicam novos índices; prévia do IGP-M é de 0,55%

Preços ao consumidor e da construção avançam no mês, só preços ao produtor refluem

Data de publicação:20/06/2022 às 12:35 -
Atualizado 11 dias atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) acelerou a 0,55% na segunda prévia de junho, de 0,39% na mesma leitura de maio, informou nesta segunda-feira, 20, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Dois dos três componentes do IGP-M registraram avanço no período.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M) acelerou a 0,66% neste decêndio, de 0,28% na prévia de junho, de acordo com a FGV. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M) também avançou no período, de 0,70% para 3,33%. Em contrapartida, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M) desacelerou de 0,38% na segunda prévia de maio para 0,21% agora.

Inflação
Inflação tanto nos preços no atacado como ao consumidor voltam a subir em junho

Inflação ao consumidor pelo IPC-S sobe 0,91%

O Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) acelerou a 0,91% na segunda quadrissemana de junho, após 0,79% na primeira leitura. A informação foi divulgada nesta segunda-feira, 20, pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador acumula alta de 10,58% em 12 meses, maior do que o avanço de 10,44% no período até a primeira medição.

Das oito categorias de despesas que compõem o indicador, quatro avançaram da primeira para a segunda quadrissemana do mês, com destaque para Habitação, que passou de queda de 0,15% para alta de 0,79%. O item com maior influência no grupo foi tarifa de eletricidade residencial (-4,99% para -0,15%).

Vestuário (1,62% para 1,94%), Comunicação (-0,31% para -0,23%) e Educação, Leitura e Recreação (3,43% para 3,44%) foram os outros grupos a apresentar acréscimo na taxa de variação. Nessas classes, os itens com maior peso foram roupas masculinas (2,12% para 2,93%), serviços de streaming (0,46% para 1,09%) e passagem aérea (15,40% para 15,90%).

Por outro lado, Transportes (0,62% para 0,30%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,89% para 0,72%), Despesas Diversas (0,77% para 0,61%) e Alimentação (0,73% para 0,70%) arrefeceram ante a primeira quadrissemana. Esses grupos foram puxados por etanol (0,07% para -4,87%), artigos de higiene e cuidado pessoal (1,85% para 0,95%), serviços bancários (1,04% para 0,75%) e hortaliças e legumes (-7,09% para -8,04%).

Variações de cada item

Passagem aérea (15,40% para 15,90%) e taxa de água e esgoto residencial (3,85% para 3,21%) foram os itens que mais pressionaram para cima o IPC-S da segunda quadrissemana de junho. Leite tipo longa vida (5,09% para 5,31%), condomínio residencial (0,45% para 1,38%) e automóvel novo (0,93% para 0,92%) completam a lista.

Na outra direção, tomate (-23,56% para -16,45%), cenoura (-34,48% para -34,15%) e etanol (0,07% para -4,87%) foram os itens que mais puxaram o indicador para baixo, seguidos por batata-inglesa (-2,71% para -7,14%) e banana-prata (-5,09% para -7,42%). /Com Agência Estado

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!