Logo Mais Retorno
Conheça o Retorno Prime
allianz
Fundos de Investimentos

Ex-gestor de fundos da Allianz acusa empresa e seus advogados de traição

Em sua demissão, Gregoire Tournant diz que os advogados que foram contratados para representá-lo em uma investigação de fraude mudaram de lado para se tornarem informantes do governo

Data de publicação:02/02/2023 às 11:24 -
Atualizado 2 meses atrás
Compartilhe:

Um ex-gestor de fundos da Allianz SE que foi responsabilizado pelas perdas da empresa durante um colapso do mercado provocado pela pandemia de Covid-19 acusa promotores federais de cometer violações éticas ao colocar seus próprios advogados contra ele.

Gregoire Tournant, que era diretor de uma das divisões de investimentos da Allianz nos Estados Unidos, disse que os promotores encorajaram os advogados que atuavam tanto para a empresa quanto para ele pessoalmente a mudar de lado.

allianz-shutterstock.jpg
Tournant acusa Allianz e seus advogados de traição nos Estados Unidos - FOTO: Shutterstock

Segundo informações da reportagem do Wall Street Journal, ele também falou sobre o uso de comunicações privilegiadas para ajudar a construir uma narrativa falsa contra ele.

As acusações fazem parte de uma moção apresentada por Tournant na segunda-feira, que constitui sua primeira contestação legal às acusações de fraude de valores mobiliários e de consultoria de investimentos feitas contra ele no ano passado. Ele foi preso em maio e se declarou inocente no final daquele ano.

Na época da prisão de Tournant, a Allianz concordou em pagar cerca de US$ 6 bilhões em multas e restituições aos investidores como parte de um acordo com o governo. A empresa admitiu ter controles internos deficientes, mas disse que a má conduta criminosa se limitava a um punhado de indivíduos que não trabalhavam mais na empresa.

Funcionários do Departamento de Justiça apontaram o caso da Allianz como um exemplo de como pretendem combater a fraude corporativa. A moção de Tournant visa diretamente essa campanha, dizendo que foram os esforços dos promotores para assustar as empresas a cooperar com eles que levaram a empresa e seus advogados a usá-lo como bode expiatório.

O caso é um dos vários nos últimos anos que questionaram as políticas do Departamento de Justiça que oferecem recompensas como tratamento indulgente para empresas que voluntariamente revelam possíveis irregularidades e entregam provas de funcionários que possam estar envolvidos.

Em sua petição, Tournant extraiu um slide contendo fotos dele e de outros dois ex-executivos da Allianz, que seus advogados compararam a um cartaz de procurado. O slide fazia parte de uma apresentação que a empresa fez ao Departamento de Justiça antes do acordo, na qual argumentava que não deveria ser obrigada a se declarar culpada de acusações criminais. Como parte de seu eventual acordo com os promotores, a Allianz Global Investors U.S. 

LLC, uma subsidiária americana da Allianz com sede em Munique, foi obrigada a se declarar culpada de acusações de fraude de valores mobiliários.

Uma acusação do grande júri aberta no ano passado acusou Tournant e dois outros executivos de fraudar a subsidiária da Allianz e seus investidores ao subestimar os riscos que os ativos dos investidores estavam expostos, inclusive exagerando o nível de supervisão sobre a estratégia de seu portfólio e alterando documentos para esconder seu risco.

Trevor Taylor, um executivo que co-liderou com Tournant o conjunto de fundos privados que entrou em colapso em meio à turbulência do mercado em março de 2020, e Stephen Bond-Nelson, gerente de portfólio desses fundos, no ano passado se declararam culpados de uma série de acusações e admitiu a participação no esquema.

Na segunda-feira, Tournant chamou a narrativa adotada pelos promotores de “extremamente enganosa”, mas disse que não era o foco de sua moção. Em vez disso, ele argumentou que os arranjos legais feitos pela Allianz durante sua investigação levaram a uma situação em que seus advogados se tornaram essencialmente informantes contra ele.

Ele pediu ao juiz que supervisiona o caso que rejeite as acusações contra ele como resultado, ou que realize uma audiência para determinar a extensão das interações dos promotores com seus ex-advogados.

A violação descrita pelo Sr. Tournant supostamente surgiu como resultado de um acordo segundo o qual os advogados das firmas Sullivan & Cromwell LLP e Ropes & Gray LLP concordaram em representar a Allianz e o Sr. e Comissão de Câmbio. O Sr. Tournant também foi representado por uma terceira empresa que não foi contratada conjuntamente pela Allianz, de acordo com a manifestação.

Sullivan & Cromwell e Ropes & Gray disseram que uma representação conjunta seria mais eficiente, disse Tournant. O acordo parece ter sido feito em um momento em que ambas as partes previam que seus interesses legais seriam semelhantes. Os acordos das empresas exigiam que elas informassem o Sr. Tournant caso surgisse um conflito de interesses, de acordo com o Wall Street Journal. 

A postura da Allianz em relação a Tournant mudou depois que Bond-Nelson rompeu relações com a equipe de defesa da empresa e começou a transferir a culpa para Tournant, segundo seu relatório. Os advogados da empresa continuaram se reunindo com Tournant como seu advogado, mas a Sullivan & Cromwell começou a conduzir uma investigação que os levaria a sugerir ao governo que ele cometeu irregularidades, disse ele.

Representantes da Allianz e da Sullivan & Cromwell se recusaram a comentar ao WSJ. Ropes & Gray não respondeu a um pedido de comentário.

O pivô foi resultado direto das políticas traçadas nos últimos anos pelaoficiais como a Procuradora-Geral Adjunta Lisa Monaco, de acordo com Tournant.

“Essas políticas deixaram a Allianz na posição desesperada de precisar colocar o Sr. Tournant como bode expiatório em uma tentativa de evitar o indiciamento, e coagiram o ex-advogado do Sr. Tournant a trair um cliente para salvar outro”, escreveram seus advogados na segunda-feira.

Leia mais:

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

Inscreva-se em nossa newsletter