Economia

Relatório do BTG Pactual divulgado nesta semana aponta fatores positivos na economia global que poderão beneficiar os mercados  emergentes. Dá suporte à ideia a combinação de crescimento econômico e ampla liquidez no mundo que estimularia o fluxo de capitais para diversos mercados, até os com maior risco. Um cenário favorável, especialmente para o grupo de países emergentes, como o Brasil.

Compõem os fatores globais que supostamente beneficiarão os países em desenvolvimento, de acordo com o relatório, a vacinação em ritmo mais rápido no Hemisfério Norte, com redução de mortes e retomada da economia.

Com vacinação acelerada e retomada da economia mundial, investidor internacional fica mais propenso a tomar risco nos emergentes

O relatório aponta que com a vacinação acelerada nos EUA – o governo conseguiu alcançar a meta, revisada, de 200 milhões de vacinas aplicadas até o fim de abril – o ambiente de normalização da atividade econômica está cada vez mais próximo.  E isso deve acentuar a propensão a tomada de risco pelos investidores internacionais.

Um cenário que contaria com a contribuição ainda do vigor de recuperação das duas maiores economias do mundo: China e Estados Unidos. A estimativa é de um PIB chinês robusto em 2021 e 2022. Um dos dados que apontam nessa direção são as importações, que cresceram 38% em março, acima das previsões. Nos EUA, as políticas de estímulos fiscais do presidente Biden fortaleceram também as expectativas de crescimento da economia para os próximos dois anos.

A retomada de expansão da economia chinesa acima das estimativas   valoriza as commodities, principal produto de exportação dos emergentes, e a elevada liquidez nos EUA eleva a demanda da economia global.

Juro mais baixo nos emergentes também são atrativo

Perspectiva que beneficia os mercados emergentes, que também têm como chamariz taxas de juros mais atraentes que as de economias avançadas e ações com perspectivas mais rentáveis no longo prazo.

Embora mais atraentes que as de economias centrais, as taxas de juros de emergentes também estão em baixa, segundo o relatório, o que pode estreitar a diferença em relação aos juros globais. Nesse cenário, a liquidez global pode migrar para empresas de países emergentes, com elevado potencial de valorização de ações nesses mercados.

A demanda global por commodities, sobretudo pela China, deve favorecer o Brasil, um dos poucos emergentes, ao lado da Rússia, que mantêm forte correlação com commodities, dos quais o setor mais relevante, com 18%, é o de mineração e siderurgia, aponta o relatório do BTG.

A contribuição das commodities

As exportações de commodities, como minério de ferro, grãos, petróleo, têm contribuído para os poucos dados positivos que a economia brasileira exibe: forte participação no crescimento do PIB, um dos sustentáculos do superávit da balança comercial, e também da valorização do B3, em momentos de alta das commodities no exterior.

As exportações de grãos, petróleo, minério de ferro e petróleo contribuem para melhorar os dados da economia no Brasil

As commodities têm lugar cativo na pauta de exportações brasileiras, porque o mundo precisa delas e cada vez mais, à medida que houver a normalização da atividade econômica global.

A atração de capital estrangeiro ao País, via fluxo financeiro ou para investimento produtivo, dependerá não apenas das condições globais mais positivas. O Brasil oferece uma série de atrativos, mas também uma penca de incertezas para quem pensa investir aqui. Como a persistente insegurança jurídica e política e o desrespeito às regras, que deixam o investidor temeroso de trazer seu capital para o País.

Um termômetro dessa desconfiança está no preço alto do dólar no País. O relatório do BTG prevê a manutenção de um dólar fraco diante das principais moedas em um cenário de liquidez abundante por muito tempo no mundo, como consequência da política expansionista do FED (Federal Reserve, banco central americano) adotada na pandemia. 

“A normalização da liquidez, quando ocorrer, será um processo gradual e com capacidade reduzida nos cenários de médio prazo”, aponta o relatório.

Imagem do autor

Colaborador do Portal Mais Retorno.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Visualizar Comentários

Economia
Economia
Economia
Economia
Veja mais Ver mais