Open Nav Logo Mais Retorno

Ótica da Renda (PIB)

O que é a Ótica da Renda do PIB?

A Ótica da Renda é uma das formas de se encontrar o valor do PIB de uma nação, de acordo com as normas da contabilidade social.

O Produto Interno Bruto (PIB) é, a grosso modo, a soma de todos os bens e serviços finais produzidos durante um determinado período de tempo em uma determinada região.


Quais as 3 óticas do PIB?

Para que se chegue a um dado representativo, é preciso transformar tudo o que foi produzido em um dado monetário (R$); ou seja, soma-se os seus respectivos valores agregados a preços de mercado. Isso pode ser obtido de 3 formas distintas:

Pela ótica da oferta (produto): soma dos produtos finais da indústria, do comércio, do setor de serviços e da atividade agropecuária;

Pela ótica da despesa (dispêndio): soma dos gastos para a manutenção (consumo) e a expansão da economia (investimento);

Pela ótica da renda: soma de todas as rendas pagas durante o período.

Independente da ótica usada, a resposta é a mesma para todas. O motivo é bastante simples: tudo o que é produzido é consumido, remunerando os componentes empregados ao longo do processo.

Como é calculado o PIB pela ótica da renda?

No conceito de PIB pela ótica da renda, considera-se os valores atrelados a:

  • Salários: renda do trabalho;
  • Juros: renda do capital;
  • Aluguéis: renda das instalações físicas;
  • Lucro: renda sobre o processo de produção;
  • Impostos: renda do governo.

Entretanto, o resultado não é obtido puramente pela soma de todos eles. São necessários alguns ajustes antes que se chegue à representação matemática do PIB pela ótica da renda: São eles os impostos indiretos e os subsídios, além da depreciação (perda de valor dos ativos fixos).

Desse modo:

Renda (Y) = C + P + T

C = Consumo das famílias;

P = Poupança;

T = Tributos (impostos).

Qual é a relação entre renda e despesa na economia?

O fluxo de renda gera o seu respectivo fluxo de despesa (demanda agregada), dado que os diversos agentes econômicos usam os seus recursos para adquirir bem e serviços.

Isso é representado pelos 3 grandes públicos que representam a economia:

  • Famílias;
  • Governo;
  • Agentes externos.

Famílias

São os consumidores que compram os produtos e serviços vendidos pelas empresas. Elas, por sua vez, usam o resultado de suas vendas para rentabilizar os fatores usados na produção: salários, aluguéis, etc.

Porém, nem tudo é gasto pelas companhias. Uma parte é destinada para a aquisição de novas máquinas. Isso é representado pelo investimento.

Demanda Agregada (DA) = Consumo (C) + Investimento (I)

De forma análoga, as famílias que recebem a sua renda também não a consomem na sua integralidade: elas formam poupança.

Renda (Y) = Consumo (C) + Poupança (P)

Esses recursos (P) são “reciclados” na economia por meio dos agentes financeiros; eles recebem os depósitos das famílias e os emprestam para projetos de investimento.

Portanto:

Renda (Y) = Demanda Agregada (DA)

Consumo (C) + Poupança (P) = Consumo (C) + Investimento (I)

Ou, simplesmente:

Poupança (P) = Investimento (I)

Todavia, os fatores utilizados na produção sofrem desgaste; ou seja, se depreciam.

Assim, o investimento (I) é usado tanto para repor os bens depreciados como para adquirir novos equipamentos.

Governo

O governo recolhe impostos para poder prover os serviços de sua competência: segurança, educação, saúde, etc. Eles podem ser tantos diretos como indiretos.

Demanda Agregada (DA) = Consumo (C) + Investimento (I) + Gastos do Governo (G)

No caso dos impostos indiretos, eles fazem parte do preço final de um produto ou serviço. Dessa forma, parte do valor das vendas é destinado ao governo. O mesmo efeito, mas na direção contrária, ocorre com os subsídios.

Desse modo, temos:

Renda (Y) = Demanda Agregada (DA)

Onde:

Renda (Y) = Consumo (C) + Poupança (P) + Tributos (T)

Demanda Agregada (DA) = Consumo (C) + Investimento (I) + Gastos do Governo (G)

Então:

Consumo (C) + Poupança (P) + Tributos (T) = Consumo (C) + Investimento (I) + Gastos do Governo (G)

Agentes externos

As economias não são fechadas; elas transacionam entre si. Usando o mesmo conceito de economia fechada, a renda é usada para o consumo (importações), sendo que as empresas remuneram os fatores de produção (no exterior).

Assim, temos:

Renda (Y) = Demanda Agregada (DA)

Onde:

Renda (Y) = Consumo (C) + Poupança (P) + Tributos (T)

Demanda Agregada (DA) = Consumo (C) + Investimento (I) + Gastos do Governo (G) + (Exportações – Importações)

Então:

Consumo (C) + Poupança (P) + Tributos (T) = Consumo (C) + Investimento (I) + Gastos do Governo (G) + (Exportações – Importações)

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais.

Nos ajude a melhorar o conteúdo desse texto! Envie um complemento ou correção por aqui para deixar esse conteúdo ainda melhor. Seu nome pode ser citado como revisor desse conteúdo com a sua permissão! ;)

Envie sua sugestão