Open Nav Logo Mais Retorno

Fiduciário

O que é fiduciário?

Fiduciário é o termo designado a definir o profissional que cuida do dinheiro em casos de herança e testamento. Ele é, afinal, a pessoa responsável pela transmissão dessa herança no momento em que essa ação for necessária dada a confirmação do falecimento do proprietário original.

Por essa característica, o fiduciário precisa ser alguém de confiança para garantir que a definição da herança seja devidamente cumprida. Ou seja, é um cargo que exige ética e comprometimento.

No entanto, não é apenas a função mencionada que tem relação com o termo. Além disso, existem diversos outras situações que usam o fiduciário no seu nome técnico. Vamos explorar um pouco sobre essas variações na sequência.


O que é alienação fiduciária?

Talvez com frequência até maior do que o fiduciário, a alienação fiduciária é outro termo bem popular e conhecido. Esse é um procedimento comum especialmente para veículos e imóveis.

Ela se refere à prática de incluir bens ou propriedades como garantia de uma dívida. A ideia é reduzir o risco de inadimplência para o vendedor (ou credor), fazendo com que esse bem adquirido de forma parcelada só pertença efetivamente ao comprador após o término deste pagamento.

Suponha, por exemplo, que você compre um carro hoje em 48 parcelas. Enquanto esse valor esteja em aberto, ainda que as parcelas estejam dentro do prazo acordado, a propriedade não é transferida para o seu nome. Isso só irá ocorrer com a quitação do valor, isto é, o pagamento de todas as 48 parcelas.

No entanto, durante esse período de pagamento, você já poderá usar esse carro. Ou seja, a propriedade adquirida pode ser usufruída normalmente, ficando apenas em nome da empresa vendedora até que não existam mais pendências financeiras.

A grande vantagem da alienação fiduciária é a redução do risco. Caso o comprador não cumpra com os valores estabelecidos, o bem vendido é facilmente retomado pela empresa vendedora. Isso permite, entre outros fatores, melhores condições em empréstimos e financiamentos.

O que é garantia fiduciária?

A ideia que acabamos de descrever sobre alienação fiduciária pode ser encontrada como uma referência mais objetiva à garantia fiduciária.

Essa garantia fiduciária nada mais é do que o próprio objeto de compra. Ou seja, no exemplo que demos no tópico anterior, o carro que você comprou de maneira hipotética é justamente a própria garantia fiduciária.

Desta forma, a própria compra (lembrando que poderia ser um imóvel ou outro tipo de bem também) é utilizada como garantia para a empresa que está vendendo a propriedade. Em caso de não cumprimento dos pagamentos por qualquer motivo, esse bem pode ser facilmente tomado porque, entre outros detalhes, não tem seu nome passado ao comprador — algo que atrapalharia o processo.

Novamente, vale reforçar que a garantia fiduciária tem por objetivo reduzir o risco desse tipo de negociação para ambas as partes. Embora pareça benéfico apenas para o vendedor, o comprador não apenas pode usufruir do bem enquanto paga, como ainda tem a vantagem de obter taxas menores dentro do mercado.

O que é uma moeda fiduciária?

E uma moeda fiduciária? O que remete a esse termo dentro do mundo das finanças?

Um moeda fiduciária é uma moeda não lastreada. Aqui, cabe uma rápida definição. Moeda lastreada é toda moeda cujo valor é determinado por meio de um bem durável ou físico. Geralmente, os exemplos mais comuns são o ouro e a prata.

Ou seja, a moeda fiduciária não tem esse tipo de relação, tendo seu valor aceito pela sociedade e pela economia mesmo sem uma referência física e tangível.

Atualmente, existem diversos exemplos de moedas fiduciárias como dinheiro em espécie, cheques e saldos bancários.

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais.

Nos ajude a melhorar o conteúdo desse texto! Envie um complemento ou correção por aqui para deixar esse conteúdo ainda melhor. Seu nome pode ser citado como revisor desse conteúdo com a sua permissão! ;)

Envie sua sugestão


Conheça também os termos relacionados