Open Nav Logo Mais Retorno

Demonstração do Resultado do Exercício – DRE

O que é a Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)?

A Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) é um tipo de demonstração financeira que se utiliza da análise das receitas, dos custos e das despesas operacionais e não-operacionais para fornecer um panorama do desempenho financeiro da empresa.

Em suma, a principal forma pela qual o DRE consegue realizar esse feito é indicando o lucro ou o prejuízo obtido pela companhia em um determinado período.

Segundo a lei n° 11.638/07, todas as organizações brasileiras devem produzir uma DRE ao menos uma vez por ano, como relatório contábil do Exercício. Contudo, não raro os gestores optam pela produção do documento em espaços menores de tempo.

Isso se dá porque uma das funções mais relevantes da DRE é auxiliar a administração dos negócios, indicando a eficiência das estratégias de faturamento e o andamento dos gastos, promovendo a capacidade de ajustes para superar prejuízos ou maximizar os lucros.

Esse papel é realizado em associação a outros documentos de cunho contábil, que formam o conjunto conhecido como Demonstrações Financeiras.

Assim como a Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados, o Balanço Patrimonial e a Demonstração do Fluxo de Caixa, o DRE cumpre a sua função no apoio à gestão financeira das empresas de todo e qualquer tamanho.


Como a DRE é feita?

Toda demonstração do tipo DRE é feita seguindo uma estrutura determinada. Em geral, ela é composta pelos itens a seguir:

A seguir, trataremos brevemente de cada um deles. Veja:

  • Receita bruta: é o saldo de todas as entradas da empresa. Inclui desde o dinheiro recebido nas vendas de produtos e serviços, até os direitos (vendas realizadas, mas que não foram pagas à vista) e os valores de caixa.
  • Custos: são os gastos assumidos diretamente na produção dos itens ou ainda na execução dos serviços que compõem a atividade-fim da companhia.
  • Lucro bruto: é a diferença entre a receita bruta e os custos.
  • Despesas operacionais: são gastos que estão diretamente associados ao objeto social da companhia, ou seja, ao objetivo do negócio. Diferentemente dos custos, engloba, entre outras coisas, os gastos com pessoal que não necessariamente atua na fábrica ou prestando o serviço.
  • Lucro operacional: é a diferença entre o lucro bruto e as despesas operacionais.
  • Resultado não-operacional: diferença entre as receitas não-operacionais (como na venda de bens da companhia, por exemplo) e as despesas não-operacionais (como os juros pagos na captação de capital de terceiros).
  • Impostos: em geral, nessa categoria são contemplados 2 tributos principais, o Imposto de Renda e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Os demais já são incluídos nas categorias anteriores sob a forma de custos ou despesas.
  • Lucro Pré-recolhimento do Imposto de Renda: nome autoexplicativo, não?
  • Resultado Líquido: a receita bruta após toda a somatória de descontos (custos, despesas e impostos) resulta em duas alternativas: lucro líquido ou prejuízo líquido.

Como a Demonstração de Resultados do Exercício (DRE) é estruturada?

Agora que conhecemos cada um desses componentes, somos capazes de visualizar corretamente como o documento do DRE é composto.

Em sua forma estruturada, a DRE costuma seguir a seguinte progressão:

Demonstração do Resultado do Exercício
Receita Bruta
(–) Custos
(=) Lucro Bruto
(–) Despesas Operacionais
(=) Lucro Operacional
(+-) Resultado não-operacional
(=) Lucro pré-recolhimento do Imposto de Renda
(–) Impostos
(=) Resultado Líquido, ou seja, lucro líquido ou prejuízo líquido

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais.

Nos ajude a melhorar o conteúdo desse texto! Envie um complemento ou correção por aqui para deixar esse conteúdo ainda melhor. Seu nome pode ser citado como revisor desse conteúdo com a sua permissão! ;)

Envie sua sugestão