Última modificação em 26 de outubro de 2020

O que são Commercial Papers?

Commercial Papers, ou Notas Promissórias, são títulos de dívida de curto prazo emitidos apenas por empresas que são sociedades anônimas (S.A.), abertas ou fechadas, que não atuem como instituições financeiras.

Entendendo Commercial Papers

Quando uma empresa precisa de recursos, ela pode explorar várias alternativas; uma delas é a emissão de títulos de dívida. Existem diferentes tipos de títulos de dívida, incluindo os commercial papers, mais conhecidos no Brasil como notas promissórias.

Entre as principais características dos commercial papers, podemos destacar (1) que são títulos de curto prazo e (2) que não contam com garantia real. Vale a pena lembrar que garantia real é aquela vinculada a um bem, em oposição à garantia pessoal, que é vinculada a uma pessoa.

A remuneração, nesses casos, pode ser tanto na forma prefixada quanto pós-fixada.  

Quais são as vantagens de Commercial Papers?

A emissão de commercial papers traz como vantagem para a empresa o fato de que seu custo é menor o que o de empréstimos bancários. Por isso, é uma alternativa mais atrativa para captar recursos para investimentos de curto prazo ou, ainda, para fortalecer o capital de giro [/link] da empresa.

Já do ponto de vista do investidor, uma das principais vantagens é a boa liquidez do papel, já que ele tem um prazo de maturidade curto. Em outras palavras não é necessário esperar muito até que o investimento e seus rendimentos possam ser resgatados.

Quais são as desvantagens de Commercial Papers?

Para o investidor, a principal desvantagem de investir em commercial papers é o risco, já que, como foi explicado anteriormente, esses títulos não contam com garantia. Portanto, se a empresa emissora falhar em devolver o valor pago pelo papel e o rendimento devido, o processo para conseguir seu dinheiro acaba sendo mais complicado e demorado.

Enquanto isso, a empresa emissora enfrenta outra desvantagem: o fato de que a negociação com os investidores é direta, sem o suporte e a intermediação de instituições financeiras – diferentemente, por exemplo, de uma oferta pública de ações. Por isso, existe um trabalho maior envolvido para organizar a emissão, o controle e o pagamento.

Quais são as diferenças entre Debêntures e Commercial Papers?

Embora Commercial Papers e Debêntures sejam, ambos, títulos de dívida, eles diferem em vários aspectos.

Em primeiro lugar, como já vimos, os recursos captados com commercial papers são destinados objetivos de curto prazo, como reforçar o capital de giro. Enquanto isso, os recursos captados com debêntures são destinados a objetivos de longo prazo, como a compra de maquinário ou a realização de aquisições e fusões.

Em segundo lugar, o prazo mínimo para resgate de commercial papers é de apenas 30 dias. Enquanto isso, para o resgate de debêntures, o prazo mínimo é doze vezes maior: 360 dias. 

Em terceiro lugar, o prazo máximo para resgate de commercial papers é de 360 dias, no caso de a empresa emissora ser uma S.A. de capital aberto, ou de 180 dias, no caso de ser uma S.A. de capital fechado. Enquanto isso, não há prazo máximo para resgate de debêntures; para algumas, esse prazo chega a 10 anos.

Commercial Papers podem ser negociados no mercado secundário?

Chamamos de mercado primário aquele que envolve apenas a negociação entre emissor e investidor; no mercado primário, a empresa emite diretamente e o investidor compra esses títulos. Enquanto isso, chamamos de mercado secundário aquele que envolve negociações entre investidores.

Os commercial papers podem ser negociados no mercado secundário. Isso significa que, após um investidor comprar o título da emissora, ele pode revendê-lo a outro investidor. Isso ajuda a aumentar a liquidez desse tipo de papel, já que nem é preciso esperar a maturidade para recuperar o investimento.

Termo do dia

Oligopólio

O que é o oligopólio? Oligopólio é o nome dado ao cenário econômico em que apenas um grupo restrito de companhias domina a comercialização de um…