Open Nav Logo Mais Retorno

Contribuir para o INSS vale a pena? Devo pagar facultativo?

Por:
11/10/2018
Contribuir para o INSS vale a pena? Devo pagar facultativo?
4.9 (97.5%) 16 voto[s]

Em tempos de risco fiscal e reforma da previdência em discussão, todo mundo acaba tendo receios e dúvidas sobre a sua aposentadoria.

Como citado, o regime atual de previdência parece bastante complicado e inseguro, o que nos remete à dúvida: vale a pena contribuir para o INSS?

Hoje vamos tentar oferecer argumentos para responder essa pergunta objetivamente e sem carregar de emoções ou ideologias.

Por isso, continue lendo para saber mais sobre:

Como o INSS funciona e seus benefícios

Previdência privada x previdência pública

Afinal, vale a pena contribuir para o INSS? E para a Previdência Privada?

Como o INSS funciona e seus Benefícios

Como o INSS funciona

O INSS é uma poupança “forçada” que é feita com o intuito da aposentadoria.

Na verdade INSS significa Instituto Nacional do Seguro Social e é um direito adquirido pelos trabalhadores brasileiros. Ele que provém os benefícios da Previdência Social.

Dentro da previdência social existem dois regimes: o Regime Geral e o Regime Próprio.

O primeiro abriga todos os trabalhadores assalariados e empresários que contribuem no regime. Já o segundo abriga os servidores públicos e tem teto remuneratório e benefícios próprios.

O benefício teto atual do INSS no regime GERAL é de R$ 5.531,31. Já no Regime próprio, o teto é o teto remuneratório dos servidores públicos, definido pelos juízes do STF (algo em torno de R$ 33 mil).

Sim, a diferença é gritante, é por isso que um dos pontos da tão falada reforma da previdência – e que eu concordo muito – é igualar ou aproximar os dois regimes.

Atualmente o Regime Geral tem as seguintes regras:

  • Aposentadoria por idade para mulher: 60 anos;
  • Aposentadoria por idade para homem: 65 anos;
  • Mínimo de contribuições para aposentadoria por idade: 180 meses (15 anos);
  • Para se chegar à média de contribuição, utilizam-se as 80% maiores contribuições e descarta as 20% menores, desde o Plano Real (1994) – lembrando que estes valores são corrigidos.

Além disso, o INSS conta com alguns benefícios específicos:

  • Pensão por morte ao cônjuge ou dependentes;
  • Auxílio doença;
  • Cobertura por invalidez;
  • Proteção à maternidade;
  • Salário-família e auxílio-reclusão para os dependentes dos segurados de baixa renda.

Assim, o INSS garante, por exemplo, que você receba seu salário caso necessite ficar afastado por alguma doença ou qualquer acontecimento.

Já foi até algo que aconteceu comigo. Há um tempo atrás eu estava jogando futebol (paixão nacional rsrs) e rompi os ligamentos de um joelho.

Precisei operar e fazer fisioterapia. Resultado: fiquei fora do trabalho por 3 semanas!

Quem pagou meu salário nesse período não foi a empresa que eu trabalhava, mas sim o INSS.

Previdência Privada x Previdência Pública

Previdência privada ou Previdência pública

Quando falamos de INSS, obviamente o que nos remete é a aposentadoria. Para responder a pergunta do título, dessa forma, precisamos também fazer um contraponto com a Previdência Privada.

Paralelo ao regime de previdência social, temos outros diversos regimes de previdência privada. Essa é uma contribuição facultativa que é feita visando a aposentadoria.

Existem basicamente dois planos de previdência privada: o PGBL e o VGBL.

O PGBL é uma modalidade plano de previdência que permite que você adie o pagamento de até 12% do seu imposto de renda anual, abatendo os valores aportados nos seus investimentos da sua base tributável.

Em termos práticos, se você possuir uma renda tributável anual de R$ 100.000,00, mas investiu até R$ 12.000,00 nesse ano em uma Previdência Privada PGBL, então você poderá abater (descontar) esse valor da sua declaração e a receita federal só irá te cobrar nesse ano por R$ 88.000,00.

Dessa forma, esses impostos que você não recolher podem ser usados hoje para investir ainda mais ou simplesmente dar maior alívio ao seu orçamento anual.

O PGBL apenas permite que você faça o pagamento desse imposto lá na frente e não te dá isenção dele. Ou seja, você só irá pagar de qualquer forma no futuro.

Já VGBL, tem seus pontos fortes e fracos praticamente invertidos. Afinal de contas ele é um plano que não te permite abater nada da sua declaração de imposto de renda anual.

Por outro lado, quando você for realizar resgates lá na frente, os impostos que você pagará incidirão apenas sobre os lucros que você tiver com o investimento na Previdência Privada.

Basicamente, O PGBL só fará sentido se você fizer declaração completa do imposto de renda e aplicar no máximo até 12% da sua renda tributável por ano nesse plano.

O VGBL, portanto, será a opção ideal para todas as outras pessoas que fizerem declaração simples do imposto de renda anual, aplicarem mais que 12% da sua renda anual tributável ou simplesmente forem isentas do imposto de renda.

Enfim, como você pôde notar, eu coloquei muitos dos aspectos financeiros no regime de previdência privada. Aqui o que estamos interessados é muito mais o quanto de valor financeiro iremos receber lá na frente e qual será nossa renda mensal.

Isso é muito justo, afinal o sentido da aposentadoria é aproveitar os bons momentos da vida sem ter que continuar trabalhando para os financiar.

Porém, a previdência privada não terá nenhum outro benefício além do óbvio financeiro.

Se você quiser saber ainda mais sobre previdência privada, produzimos um e-book exclusivo sobre este tema e vale muito a pena a leitura! Clique aqui para baixar, é GRATUITO!

Mas então, vale a pena contribuir para o INSS? E para a Previdência Privada?

Vale a pena contribuir para o INSS

Para mim eu tenho que nada forçado é muito adequado. Entretanto, esse é um bom direito que os trabalhadores lutaram para adquirir.

O INSS tem o lado bom, que nenhum outro regime de aposentadoria tem, que são os benefícios que oferece.

O contribuinte do INSS está seguro contra alguns riscos importantes e consegue garantir um sossego maior em contratempos que ocorram (veja meu exemplo jogando simplesmente futebol, num momento de lazer).

Esses benefícios são algo importante a ser levado em conta quando respondemos a pergunta pois é uma exclusividade desse sistema.

Além disso, os benefícios do INSS são vitalícios. Não importa qual a idade que você se aposentou e até que idade você viverá, após a aposentadoria, seu benefício está para sempre garantido.

Por outro lado, eu reconheço que o teto do INSS muitas vezes não dá conta de garantir uma aposentadoria tranquila e proveitosa. O valor financeiro parece baixo para isso.

Respondendo diretamente a pergunta agora: Eu digo que sim, vale a pena contribuir para o INSS, mas a complementação por uma previdência privada também é bastante indicada.

O INSS irá garantir benefícios e uma segurança maior, enquanto uma previdência privada irá garantir que seus rendimentos financeiros sejam de fato suficientes para aproveitar a melhor idade. Afinal, trabalhamos muito para isso também.

Conclusão

O INSS muitas vezes é visto com reticência por ser algo forçado e que tem um teto remuneratório bastante baixo. As pessoas gostariam muitas vezes de se livrar dessa amarra.

No entanto, o INSS tem benefícios que garantem uma proteção importante para qualquer pessoa. Além de ter um caráter vitalício.

Previdências privadas devem ser sempre levadas em conta para complementar o INSS, mas ainda assim, o regime geral de previdência é um importante aliado que não devemos desconsiderar.

E você, vai contribuir para o INSS e/ou alguma previdência privada? Se ficou com alguma dúvida ou quiser compartilhar mais ideias com a gente e outros leitores, deixe seu comentário abaixo!

Aproveite e compartilhe esse conteúdo com mais investidores que você deseja a ajudar a obter Mais Retorno entendendo melhor se vale a pena contribuir para o INSS.

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais.

Contribuir para o INSS vale a pena? Devo pagar facultativo?
4.9 (97.5%) 16 voto[s]

Leia também:

Sobre o autor

  • Vinicius Alves
  • Economista, atuou no departamento econômico de empresas de sell side no mercado financeiro. Já foi Top-5 de projeção de inflação de curto prazo do BC.

Deixe seu comentário aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


17 Comentários

  • Avatar Diego disse:

    Oi…me chamo diego…tenho 35 anos de idade e 15 de contribuicao.Minha pergunta é vale a pena eu continuar á pagar 20% do salario minimo…pq a minha vontade é de si apisentar com 55 anos de idade e 35 de contribuição..me ajuda ai nessa duvida

  • Avatar ingrid disse:

    Olá, Boa tarde!
    Sou consultora de cosméticos, sem registro na CTPS, e gostaria de contribuir para a previdência como contribuinte individual, não sei se essa o perfil em que me enquadro, o meu maior interesse neste momento é pelos benefícios que a mesma disponibiliza para os as segurados, vale a pena eu começar a contribuir ainda este primeiro semestre, ou devo esperar pela reforma ?

  • Avatar Adriana disse:

    Tenho 25 anos de carteira assinada, mas o cálculo de 240meses eu receberia uns 60% do que ganho hoje, vale apena começar a contibuir para a previdência privada??

    • Olá Adriana,

      É um pouco difícil responder essa questão sem conhecer seu caso com mais detalhes. Em geral eu diria que vale a pena contribuir para a previdência privada independentemente de qualquer cálculo, justamente porque o INSS provavelmente diminuirá consideravelmente o seu padrão de vida quando decidir se aposentar.

      Para podermos te ajudar melhor na prática, poderia nos enviar mais informações para [email protected] ? Dessa forma um membro do nosso time poderá entender melhor o seu caso.

      Grande abraço e bons investimentos!

  • Avatar Marta disse:

    Olá, Gostaria de uma orientação, se possivel. Estou com 29 anos e nunca fui contribuinte para o INSS. Comecei a pesquisar para passar a contribuir como contribuinte facultativo. Acha que é melhor eu esperar o resultado da reforma ou ja iniciar a contribuição agora?

    • Olá Marta,

      É uma decisão difícil mesmo… Como a reforma está para sair (em questão de poucos meses), talvez valha a pena esperar mesmo. Enquanto isso você pode aproveitar para investir o dinheiro que pretendia contribuir no INSS em outras aplicações no mercado financeiro mesmo.

      Grande abraço e bons investimentos!

  • Avatar nando disse:

    ola
    1 me chamo NANDO, TENHO 35 ANOS NUNCA TRABALHEI DE CARTEIRA ASSINADA E NUNCA PAGUEI O INSS, MAS TENHO UMA PEQUENA EMPRESA DE TRANSPORTE GOSTARIA DE UM ORIENTAÇÃO , QUAL SERIA O MELHORA PARA MIM COM ESSA IDADE ?
    SENDO QUE TENHO UMA BOA POUPANÇA?

    • Olá Nando,

      É difícil de responder, pois cada caso é um caso e precisaríamos entender melhor qual é o seu. Aparentemente, se você se aposentar após os 65, teria 30 anos de contribuição, o que nas regras atuais te permitiria receber até o teto. No entanto, sabemos que vem reforma pela frente e é difícil saber o que pode acontecer.

      Enfim, é difícil te dar uma resposta responsável aqui pelos comentários do texto. O ideal é você procurar um especialista que possa estudar com calma sua situação para te orientar da melhor maneira possível.

      Grande abraço e bons investimentos!

  • Avatar carolina disse:

    Olá!
    Parabéns pelas explicações! Muito úteis!
    Mas gostaria de tirar uma duvida referente ao meu caso específico se não se importar:
    _ tenho 41 anos e já tenho 20 anos de contribuição.
    _ vale a pena continuar contribuindo com o máximo? ou melhor parar e aguardar a idade mínima necessária? ou ainda passar a contribuir com o mínimo? mas temo essa ultima opção já que pode comprometer a minha media salarial.
    o que acham?

    • Oi Carolina, muito obrigado pelos elogios e participação!

      A sua pergunta é ainda complicada de saber a resposta, Carolina! rsrsrsrs

      Como a reforma da previdência ainda está na câmara e todo mundo espera que haja uma série de mudanças no que está proposto, o certo seria aguardar mais detalhes antes de tomar uma decisão. Podem acontecer mudanças importantes como a mudança desse teto e das alíquotas obrigatórias de contribuição, além da questão da idade, a regra de transição e tudo o mais. Então são muitas variáveis ainda a serem definidas.

      Vale a pena entender melhor também quando você pretende se aposentar, com qual idade.

      Em todo caso, enquanto isso ainda não é definido, é importante você “se proteger” através de bons investimentos no mercado financeiro como ações, fundos e títulos públicos e privados. Para podermos te ajudar melhor, poderia encaminhar esses detalhes para [email protected]? Assim um de nossos especialistas entra em contato com você pra te ajudar nessa questão e qualquer outra dúvida que tiver.

      Grande abraço e bons investimentos!

  • Avatar Marcos Roberto SILVA disse:

    Cara, parabéns aí pelo artigo e site, tive o mesmo problema que o seu, e recebi o benefício, já pagava meu INSS (Facultativo), a quase 4 anos.
    Aqui vem minha explanação, tenho 37 anos(4 de contribuição), infelizmente comecei tarde a pagar, e me aposentarei por idade(se Deus permitir), porque por tempo de contribuição já não da mais.Tenho também uma privada, já a 14 anos , onde pago pouco mais que o valor de 11% sobre o mínimo, que é o que pago pelo meu INSS.
    Minha dúvida é: Vale a pena continuar com o INSS no meu caso? Não seria melhor dobrar o que pago na Prev. Privada e deixar o INSS de lado ? Ou espero completar 15 anos pagando INSS, que é o minimo requerido para mais tarde requerer a aposentaria?

  • Avatar Caio Menezes disse:

    Cara achei um pouco vago seu artigo, poderia ter mostrado exemplos práticos, sabe, exemplificado matematicamente.

    Nas minhas contas (bem básicas) concluí que NO MEU CASO (que consigo guardar uma boa parte da minha renda) não vale a pena contribuir. Hoje invisto em renda fixa, a uma taxa de aproximadamente 15% a.a. e vou começar a investir em fundos imobiliários e ações. Acredito que conseguirei obter uma renda alternativa em tempo muito mais hábil do que se fosse esperar o retorno do INSS.

    Outro detalhe importantíssimo é que o cash $$$ ta guardadinho lá na MINHA conta, e não numa conta de terceiros, cada vez rendendo mais. Isso faz toda diferença.

    • Avatar Vinicius Alves disse:

      Olá, Caio,

      Obrigado pela pergunta e feedback.

      Na verdade, a contribuição vai de caso a caso. Você pontuou muito os pontos do seu caso, que inclusive elogio, conseguir guardar esse cash é sempre bom e um ótimo ponto é conseguir manter em seu controle com um rendimento mais elevado.

      Digo que o INSS tem o benefícios dos seguros, que dão uma segurança maior. Você não precisa contribuir com vistas a ter esse dinheiro para se aposentar, mas o seguro que o INSS dá é interessante.

      Em relação a sua aposentadoria, você está fazendo tudo certinho, vale a pena apenas dar uma olhada nos planos de previdência privada, que oferecem custos menores.

      Um grande abraço e bons investimentos!

  • Avatar Mauricio Pimenta disse:

    Face os custos com imposto de renda e a questão de riscos nos investimentos em Previdência Privada, não seria melhor uma aplicação em Títulos do Tesouro, por exemplo Tesouro-IPCA ?

    • Oi Mauricio,

      Ótima pergunta! Por incrível que pareça, muitas vezes a previdência vai ter um custo menor, pelo menos nas questões tributárias. Afinal de contas, se você opta pelo regime regressivo, por exemplo, a alíquota mínima chega a 10% sobre os lucros, enquanto em Títulos Públicos o mínimo é de 15%. Além disso, os Títulos Públicos passam por inventário no momento de herança e são tributados na alíquota de ITCMD do estado que a pessoa morar. Já na Previdência Privada, em alguns estados ela não sofre incidência do ITCMD e nem passa por inventário.

      Além disso existem previdências que aplicam em outros ativos além da renda fixa, como ações, o que pode dar um ganho muito maior a longo prazo. No final, tudo é uma questão do objetivo de cada pessoa e suas necessidades.

      Curiosamente amanhã vamos fazer um evento ao vivo para falar justamente disso e tirar dúvidas dos investidores como essa sua. Recomendo muito que participe! Você pode se inscrever gratuitamente clicando aqui.

      Te aguardo lá!

      Grande abraço e bons investimentos!

  • Minuas dúvidas são: o governo vai conseguir manter o INSS? vala a pena pagar sobre o teto da aposentadoria?

    • Olá Elizeu,

      Excelente pergunta! Na realidade o governo tende a deixar as regras do INSS cada vez mais rígidas com o passar do tempo, na medida em que a população for envelhecendo. Portanto, o ideal é você contribuir com alguma coisa por conta dos benefícios que são citados no texto, mas nunca deve depender apenas dessa renda.

      Se possível, foque a sua aposentadoria em outros investimentos como a Previdência Privada, Fundos e demais títulos de renda fixa e variável, deixando o INSS apenas como um “seguro” para o caso de algum imprevisto.

      Abraço e bons investimentos!