Open Nav Logo Mais Retorno

4 investimentos para viver de renda do mercado financeiro

Por:
12/11/2019

O sonho de muitos brasileiros é viver de renda. Embora possa parecer um tanto utópico, fazer o dinheiro trabalhar para você é algo perfeitamente factível. O caminho para isso, no entanto, não é simples, especialmente para quem não tem um capital acumulado.

O fato é que quem tem dinheiro pode fazer ainda mais dinheiro se souber empregá-lo na modalidade certa. E se você pensa que para isso é necessário assumir riscos gigantescos no mercado de ações, saiba que está longe da realidade. Existem formas seguras para ter uma vida sustentada pelo seu próprio capital.

Pensando em tudo isso, hoje você vai entender algumas formas para finalmente poder viver de renda. Antes, contudo, precisamos passar por alguns conceitos básicos.

O que é viver de renda?

O que é viver de renda, ilustração.

Quando se fala em viver de renda, a ideia é basicamente não depender mais de um ganho de capital para pagar suas contas e despesas. Em suma, trata-se de acumular uma quantidade de dinheiro que permita ter rendimentos periódicos suficientes para arcar com todo passivo de uma pessoa por meio de investimentos.

A verdade é que o trabalho é, para a maioria das pessoas, a principal fonte de obter capital. São poucas que trabalham verdadeiramente por amor à profissão. As contas chegam todo mês e, portanto, é preciso ter como pagá-las.

É neste ponto que entra o sonho de viver de renda. Desta forma, o capital é gerado automaticamente em função do seu patrimônio e garante que as dívidas contraídas ao longo do mês estejam pagas. Assim, o tempo pode ser destinado ao que uma pessoa realmente gosta de fazer.


Quanto eu preciso para viver de renda?

Quanto eu preciso para viver de renda, ilustração.

Uma dúvida muito comum quando o assunto é viver de renda é sobre a quantidade de capital que precisa ser acumulada. Feliz ou infelizmente, a resposta é genérica: depende.

Ora, depende do que? De muita coisa!

Para começo de conversa, qual é o seu gasto médio financeiro? Existem pessoas que gastam três mil por mês, outros que precisam de cinco mil e ainda um grupo que passa da casa dos dez mil.

Desta forma, não há como dizer quanto juntar para viver de renda. Isso dependerá diretamente do seu padrão de vida e, principalmente, como você o enxerga para o futuro.

Se não há como definir a sua renda mensal, podemos ajudar a calcular esse valor.

Como calcular o valor necessário para viver de renda?

Como você já viu, para viver de renda o primeiro passo é entender qual seria essa renda necessária para garantir o pagamento das suas contas. De preferência, trabalhe com uma margem de gordura sobre o gasto médio para não ficar sempre no zero a zero.

Suponha que você precise de R$ 5.000,00 mensais para garantir os seus gastos médios ao longo de cada ano. Portanto, é necessário encontrar investimentos que garantam minimamente esse valor sem sustos.

Vamos considerar então que seja utilizado um investimento que ofereça 0,5% ao mês de rentabilidade. Com esse dado, você já tem como saber o valor ideal para viver de renda.

Para isso, basta encontrar qual é a quantidade de capital necessária que, gerando lucro de 0,5% ao mês, seja suficiente para dar lucros periódicos de R$5.000.

Se preferir uma fórmula, você pode chegar a esse valor calculando: 

Patrimônio Total = Renda Mensal/Taxa de Retorno

Patrimônio Total = 5000/0,5%

Ou seja, para esse exemplo fictício, o montante necessário seria de R$1 milhão. Esse valor investido seria suficiente para garantir R$5.000 mensais e, desta forma, que todas as despesas estivessem garantidas sem precisar trabalhar.

Claro que esse foi apenas um exemplo simplificado. Na prática, ainda é importante você descontar do retorno dos seus investimentos os impostos e a inflação.

Quais são os investimentos para viver de renda?

Quais são os investimentos para viver de renda, ilustração.

Como agora você já sabe, viver de renda é fazer o dinheiro se multiplicar por meio de investimentos em ativos financeiros. Agora, quais são as opções disponíveis para essa missão? Quais aplicações são recomendadas para essa finalidade?

Pois bem, as opções são diversas. No entanto, muitos dos ativos financeiros trazem também alguns riscos que não são bem-vindos a quem quer viver de renda que, ao menos na enorme maioria das vezes, opta por segurança.

Portanto, os investimentos ideais para essa forma de trabalhar o capital pede por investimentos de renda fixa.

Nesta modalidade, os ganhos são pequenos, mas constantes. Isso permite, afinal, uma tranquilidade ao investidor de saber que seu dinheiro está sempre crescendo e gerando a renda necessária para pagar suas contas.

Vamos então conferir os mais formatos mais conhecidos para viver de renda.

Tesouro Direto

O Tesouro Direto é, sem dúvidas, uma das melhores opções de renda fixa. Nesta modalidade, você pode comprar títulos públicos emitidos pelo próprio governo. Os ganhos podem apresentar variações porque nem todos são prefixados, mas não há risco de perder dinheiro.

Além disso, o seu dinheiro estará com a maior instituição do nosso país, isto é, o Governo Federal. Isso dá uma tranquilidade muito grande para quem investe já que o risco de calote é quase nulo.

Geralmente, esse ativo financeiro apresenta longos prazos para retornar o dinheiro, o que pode ser um problema. No entanto, você pode buscar títulos com cupom.

Os títulos do Tesouro Direto que possuem cupom, vão pagando o valor acordado a cada seis meses, facilitando a sua organização pessoal.

Por fim, o Tesouro Direto ainda oferece liquidez diária. Ou seja, a qualquer momento você pode solicitar seu dinheiro de volta que o governo recomprará os títulos.

Isso gera ainda mais tranquilidade caso, por qualquer razão, você se desorganize em relação às contas pessoais.

Previdência Privada

Para quem quer viver de renda sem sustos, a Previdência Privada é mais uma boa opção. Ela é, afinal, justamente focada na aposentadoria — ou seja, o objetivo para quem deseja não depender mais do trabalho para pagar as suas contas no futuro.

Aproveite para acessar nosso e-book gratuito sobre previdência, clicando aqui.

O seu funcionamento é semelhante a outros ativos de renda fixa. Ao contrário deles, no entanto, o foco precisa ser de longo prazo. Assim, o banco (ou a corretora) onde você empregar o seu capital irá pagar os rendimentos em forma de aposentadoria passados os anos estabelecidos.

Em suma, trata-se de um investimento que você começa a fazer hoje para, posteriormente, colher os frutos dela e poder viver de renda, sem se preocupar em seguir trabalhando — como, aliás, acontece com boa parte dos profissionais.

Existem alguns modelos de Previdência Privada e você pode entender tudo sobre essa modalidade de investimento no artigo completo que fizemos sobre o tema.

Dividendos de ações

As duas opções anteriores são perfeitas para quem busca estabilidade com a renda fixa, assim como poderíamos citar os CDBs também. Mas e no caso de ativos de renda variável? É possível usá-los na tentativa de gerar renda?

Naturalmente que sim! Ativos de renda variável também oferecem possibilidades de ganhos. Essa possibilidade, aliás, é de ganhos bem melhores do que na renda fixa.

O problema é que há risco de perda, algo que costuma incomodar quem quer viver de renda.

Ainda assim, não deixa de ser uma opção. Neste caso, como o pensamento é gerar ganhos periódicos, o ideal é trabalhar com ações que paguem dividendos. Ou seja, investir em empresas que compartilhem lucros com os seus acionistas.

Ademais, especialmente pensando no seu objetivo final de garantir suas contas, use com moderação o mercado de ações. Ele é bem mais volátil e, portanto, a diversificação da sua carteira é essencial para não comprometer o montante investido.

Fundos Imobiliários

Nessa mesma linha das ações, pode-se considerar também investimentos em um Fundo de Investimento Imobiliário. Essa modalidade permite que uma pessoa empregue dinheiro em imóveis, mesmo sem precisar efetivamente comprar um.

Os fundos funcionam por meio de cotas, que podem ser compradas por valores consideravelmente menores para o segmento do que na aquisição de um prédio ou de uma casa. Assim, diversas pessoas se reúnem para, juntas, adquirirem esses imóveis que serão administrados por especialistas.

A vantagem desse ativo, além da acessibilidade a um mercado de ticket médio bem elevado, é a possibilidade de gerar renda periódica com aluguel. É um funcionamento parecido com os dividendos, mas com uma renda mais recorrente.

No entanto, registre-se que o seu ganho será proporcional ao que você tem como cota de um determinado fundo e que, ao contrário da renda fixa, esses investimentos apresentam riscos de desvalorização do capital.

A poupança é uma opção para viver de renda?

A poupança é uma opção para viver de renda, ilustração.

Quando se fala sobre viver de renda, muita gente pensa logo na caderneta de poupança. No entanto, já faz tempo que essa nem deve ser considerada como uma opção de investimento.

Dentro do universo da renda fixa, você viu que existem opções tão seguras quanto a poupança, mas que apresentam resultados superiores. Em suma, nem faz sentido usar dela porque, na prática, você apenas estará perdendo dinheiro.

Esperamos que esse artigo ajude-o a elucidar essas questões sobre viver de renda e que, a partir de agora, você esteja pronto para preparar sua estrutura financeira para o futuro.

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais.

Leia também:

Sobre o autor

  • Stéfano Bozza
  • Formado em Administração pela PUC-SP. Trabalhou em empresas do segmento financeiro (Itaú BBA) e varejo (BRMALLS) até 2016, quando iniciou a jornada de produção de conteúdo para a internet com foco em finanças.

Deixe seu comentário aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *