Logo Mais Retorno
Economia

Tesouro: média mensal de emissões saltou de R$ 50 bi para R$ 145 bi na pandemia

Governo quer a consolidação fiscal para reduzir o endividamento e seu custo

Data de publicação:23/07/2021 às 17:33 -
Atualizado um ano atrás
Compartilhe:

O secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, disse nessa sexta-feira, 23, que as emissões de títulos saltaram de uma média de R$ 50 bilhões por mês passaram para R$ 145 bilhões nos últimos meses. Ele lembrou que o nível de endividamento e a curva de juros brasileira são mais altos que os de outros países emergentes.

Foto: Jenifer Corrêa
Total de emissões de títulos triplicou durante a pandemia para financiar a dívida pública

"Quando o país tem uma dívida muito grande e cara, ela acaba drenando recursos do setor privado, tira recursos do investimento e prejudica o crescimento econômico. Endereçar a questão do endividamento é reverter esse processo, tirar o Estado da drenagem de recursos do setor privado e abrir espaço para investimentos", afirmou, em videoconferência promovida pelo Jota.

Bittencourt apontou que o teto de gastos já provocou uma forte redução nas despesas discricionárias nos últimos anos, embora as despesas obrigatórias continuem em alta. O secretário reforçou que apenas os gastos extraordinários para o combate da pandemia de covid-19 seguem fora do teto.

"A consolidação fiscal vale a pena, ela reduz os juros. O nosso objetivo é fortalecer o fiscal, para termos um custo de dívida e um endividamento menor", repetiu.

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!