Logo Mais Retorno
termos

Superávit Primário

Autor:Equipe Mais Retorno
Data de publicação:22/10/2019 às 16:20 -
Atualizado 3 anos atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O que é Superávit Primário

Superávit Primário é a forma mais comum de expressão do superávit. O superávit é a diferença positiva entre receitas e despesas nas contas públicas. O superávit primário é calculado considerando, nas despesas, apenas o principal das dívidas – sem levar em conta, portanto, os juros e correção monetária ou cambial.

Metas de Superávit Primário

Em geral, o Governo estabelece, a cada período, metas de superávit primário. Essas metas são expressas em relação ao PIB do país. Por exemplo, a meta de superávit primário em 2010 foi de 3.1% do PIB.

Ao estabelecer – e cumprir – essas metas, o Governo demonstra que o país é capaz de se manter adimplente. Assim, ganha mais credibilidade junto à população, aos potenciais investidores, aos órgãos internacionais. Por exemplo, se o país vem batendo suas metas de superávit primário de maneira consistente, ele pode obter condições melhores de crédito junto ao FMI.

Histórico de Superávit Primário do país

Tipicamente, o superávit primário do Brasil cai, ou até se transforma em déficit, quando o país está atravessando períodos de crise e recessão econômica.

Entre as muitas explicações possíveis para esse fato, uma delas é que, durante esses períodos, o consumo da população cai. Acontece que o modelo de arrecadação tributária no Brasil é baseado amplamente na tributação do consumo.

Se o consumo diminui, a arrecadação também é afetada. E, como a arrecadação de tributos é a principal forma de receita do Governo, a conta "Receitas - Despesas" fica desbalanceada.

Por esse motivo, desde a Crise de 2014, o Brasil vem apresentando superávits primários baixos, quando não fica em déficit.

Além disso, as previsões continuam negativas. Em 2016, o FMI afirmou que o Brasil só encerraria um ano com superávit primário a partir de 2020. Em 2019, a projeção passou a ser que esse resultado só será atingido a partir de 2022; mesmo assim, a expectativa é de que o saldo positivo seja de apenas 0.1% do PIB.

No entanto, mesmo com a economia enfraquecida, o país ainda consegue obter bons resultados parciais. Por exemplo, em janeiro de 2018, o Brasil registrou excedente positivo de R$46.9 bilhões, o maior superávit primário para um mês, desde que o Bacen começou a acompanhar os dados, em 2001.

Como aumentar o Superávit Primário

Quando o Governo precisa aumentar o Superávit Primário em caráter imediato, é comum assumir uma política de austeridade.

Essa política se apoia em dois elementos: aumento da arrecadação e corte de gastos. Diferentes combinações desses elementos são possíveis, com a finalidade de aumentar a receita e/ou diminuir as despesas.

Ao mesmo tempo, várias críticas são feitas à política de austeridade. O corte de gastos geralmente afeta investimentos essenciais bem-estar social, afetando o orçamento de saúde, educação, infraestrutura.

Por outro lado, o aumento na tributação pode afetar o consumo, desacelerando a economia e prejudicando tanto empresas quanto consumidores.

Superávit Primário X Poupança em conta corrente do Governo

Alguns especialistas sugerem a substituição da meta de superávit primário por um outro indicador: poupança em conta corrente do Governo.

A poupança em conta corrente do Governo é calculada quase da mesma forma que o superávit primário; a diferença é que ela não inclui os investimentos públicos entre as despesas.

Com isso, traz dois benefícios principais. O primeiro é que qualquer medida para corte de gastos não vai se aplicar obrigatoriamente aos investimentos, já que eles não estão incluídos nas despesas. O segundo é que, simplesmente ao tirar os investimentos da fórmula, já é possível conseguir que a relação entre receita e despesas fique mais positiva.

Além disso, ao calcular a poupança em conta corrente do Governo, o saldo obtido (assumindo que seja positivo) pode ser juntado aos recursos que já estavam destinados para investimentos. Ou seja, é possível liberar mais verba para investimentos sem precisar recorrer a fontes externas.

 

Sobre o autor
Autor da Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!
Mais sobre