Real

Última modificação em 19 de Julho de 2021 às 02:28

O que é Real?

Implementado em 1994, o Real é a moeda oficial do Brasil, utilizada em transações comerciais em todo o território nacional. A moeda brasileira, após passar 2020 entre as moedas mais desvalorizadas do mundo, ano em que ocupou a antepenúltima posição no ranking com 121 países, em 2021 se tornou a 12ª que mais obteve valorização, segundo a Agência Brasileira de Classificação de Risco Austin Rating.

Essa guinada se mostrou importante para os objetivos econômicos do Governo Federal, especialmente para o Ministério da Economia, uma vez que, até setembro de 2020, a moeda já acumulava uma queda de 28,5% frente ao Dólar. Esse aumento inflacionário fez com que ela ficasse atrás apenas da moeda de Zâmbia, o Kwacha, que caiu 29,8%, e do Bolívar, da Venezuela, que chegou a desvalorizar quase 90%.

Passado esse cenário turbulento em termos econômicos, o Real figurou na parte de cima da lista, entre as moedas que mais se fortaleceram nos primeiros meses de 2021. A moeda acumulou no período uma alta de 3,2% em comparação ao Dólar, ou, de acordo com a metodologia adotada no Brasil, o Dólar teve queda de 2,1%.

Atual desempenho do Real

No momento atual, a moeda brasileira tem apresentado desempenho similar ao de países que, assim como o Brasil, também vêm se recuperando depois de enfrentar recessões. É o caso de países como a Rússia, cuja moeda teve queda de 16,5% em 2020, e a África do Sul, que também registrou uma desvalorização significativa. Esses países, a exemplo do Brasil, fazem parte do bloco econômico conhecido como BRICS.

Alguns exemplos de nações que mais tiveram uma valorização de sua moeda em 2021 incluem, em ordem de maior valorização, os seguintes países:

  • Moçambique: a moeda Nova Metical/Moca se valorizou em 15,4%;
  • Seychelles: a Rupia/Seychelles subiu 15,0%;
  • Ucrânia: a moeda ucraniana, a Hryvnia Ucrania, teve crescimento de 4,1%;
  • Georgia: a georgiana lari Georgia cresceu 3,5%;
  • Lesoto: a moeda loti/lesoto teve valorização de 3,4%.

O Real, como foi dito anteriormente, ocupa a 12ª posição, operando a 20 centavos de Dólar, valor considerado bom, tendo em vista que a moeda américa chegou a ser cotada a quase R$ 6.

Histórico da moeda brasileira

Na primeira década dos anos de 1990, o Brasil apresentava um cenário de recessão e, portanto, necessitava de estabilização em relação a sua economia. Na verdade, esse período de hiperinflação já vinha desde a década anterior, o que fez com que o então presidente Itamar Franco implementasse um pacote de medidas para reverter esse quadro. Isso foi feito por seu ministro da fazenda, Fernando Henrique Cardoso, em três etapas, e, em julho de 1994, o Real substituiu o Cruzeiro Real definitivamente.

Quais foram as consequências do Real?

Logo no início do Plano Real, algumas consequências já puderam ser sentidas. Uma delas diz respeito à abertura econômica do país, que proporcionou a modernização da indústria nacional e o crescimento da área de serviços. Houve aumento também dos impostos federais, que giravam em torno de 5% naquela época.

Em outra etapa, o governo promoveu a desindexação da economia. Dessa forma, os preços passaram a não sofrer reajustes diários, que era um dos fatores geradores da hiperinflação pela qual o país passava.

Lançado o Real, em 1º de julho de 1994, ficou estipulado que um real seria o equivalente a 2750 cruzeiros reais. Em paralelo, ocorreu a indexação da nova moeda ao Dólar, a fim de garantir a sustentação e segurança da moeda brasileira, que só foi possível graças ao aumento das reservas e um cenário favorável para a entrada da moeda americana no Brasil.

Glossário de Finanças e Investimentos

Pesquise a(s) palavra(s) navegando pelo alfabeto abaixo