Última modificação em 4 de fevereiro de 2021

O que é P/Ativos?

O P/Ativos, ou preço da ação dividido pelos ativos totais, é um indicador que ajuda a medir a avaliação de mercado de uma empresa em relação aos seus ativos financeiros. Ele também é grandemente utilizado para identificar se um ativo está subvalorizado ou supervalorizado na bolsa em relação ao seu preço.

O cálculo do P/Ativos, de forma bem resumida, é feito ao dividir o preço unitário das ações de uma empresa pelo seu valor contábil por ação, tudo de acordo com o balanço patrimonial do negócio em questão. Esse valor pode ser entendido como líquido, uma vez que é calculado pelos fluxos de caixas futuros descontados de uma taxa de juros trazidos ao valor presente.

Em geral, o valor de mercado do patrimônio líquido é, normalmente, mais alto que o valor contábil de um negócio. Além disso, é importante pontuar que ele só pode ser encontrado a partir do cálculo dos ativos e passivos da empresa que está sendo avaliada.

Para que servo o P/Ativos e como ele funciona na prática?

Tão importante quanto saber o cálculo do preço da ação divido pelos ativos totais é saber por que e como aplica-lo na prática. Além da avaliação dos ativos em si, esse indicador serve para avaliar se uma empresa está supervalorizada ou subvalorizada. A base dessa avaliação é a cotação atual dela no mercado.

Se um índice apresentar valor menor que 1, significa que o valor de mercado do negócio está abaixo do valor contábil dos seus ativos. Sendo assim, é possível dizer que pode haver espaço para valorização em breve. Isso pode indicar também uma boa oportunidade para os investidores que utilizam a estratégia de value investing.

Aqui, porém, é preciso destacar que algumas empresas têm ativos mais enxutos e apresentam potencial da mesma forma. Por esse motivo, o uso do P/Ativos deve ser feito em conjunto com outros fundamentos para, dessa forma, permitir um maior reconhecimento sobre toda a situação do negócio que está sendo avaliado.

Como interpretar o P/Ativos?

Com a utilização do P/Ativos, é possível identificar o valor que o mercado financeiro passa a atribuir ao patrimônio de uma empresa em relação ao valor contábil do seu próprio patrimônio. Sendo assim, essa informação é extremamente relevante, uma vez que o valor de mercado de uma ação reflete, normalmente, os fluxos de caixa futuros de um negócio.

É importante destacar que a avaliação desse indicador precisa acontecer junto à do ROE (Retorno Sobre o Patrimônio Líquido). Isso porque, se houver discrepância entre os dois, pode ser que tenha ocorrido uma supervalorização de ativos. No entanto, muitas empresas têm conseguido crescer com uma estrutura de ativos um pouco menor — o que pode indicar que esses negócios passarão a ter um patamar de resultados diferentes.

Como exemplo, vamos imaginar uma empresa que tenha um valor total de R$ 40 milhões. Ao supor que ela tenha 15 milhões de ações em circulação, cada uma delas representa R$ 2,67 de valor contábil. Se a cotação atual fosse de R$ 5 por ação, isso significaria que o preço de mercado seria avaliado em quase o dobro do seu valor contábil.

Quais são as limitações do P/Ativos?

O P/Ativos, sem dúvida alguma, oferece diversas informações relevantes para todos os investidores. No entanto, em caráter comparativo, o indicador possui algumas limitações. Um dos maiores motivos para que isso aconteça é o fato de ele não levar em consideração os diferentes padrões contábeis que são aplicados pelas empresas.

Ademais, no caso de setores como o da tecnologia — que possui negócios com poucos ativos tangíveis em seus balanços — o seu uso pode se tornar muito menos efetivo. Outro ponto importante sobre as limitações do P/Ativos é que ele não leva em consideração alguns dos cenários não-recorrentes, como a recompra de ações ou as aquisições recentes, que acabam distorcendo o valor contábil no período.

Termo do dia

Shortear

Shortear é o nome popular para a operação de venda a descoberto. Entenda como ela funciona e quais são os principais riscos oferecidos pela estratégia.