Última modificação em 26 de abril de 2021

O que é dívida de curto prazo?

Uma dívida de curto prazo, também conhecida como passivo circulante, nada mais é que uma obrigação financeira de uma empresa que, necessariamente, precisa ser paga dentro do prazo de um ano. Ela pode ser encontrada listada na parte do passivo circulante na seção de passivos totais do balanço patrimonial de um negócio.

Geralmente, existem dois tipos de dívidas que uma empresa pode acumular: a operacional e a financeira. A primeira é como se fosse um subproduto de obrigações decorrentes de operações que são normais em qualquer negócio. Já a segunda nada mais é que o resultado de ações empreendidas com o intuito de captar recursos para o crescimento da instituição. Das duas, somente a primeira é considerada como de curto prazo.

Como a dívida de curto prazo funciona?

A dívida operacional, que já foi explicada acima, surge de toda e qualquer atividade primária exigida para que uma empresa funcione — como as contas a pagar. O esperado é que elas sejam resolvidas em um prazo de 12 meses ou ainda dentro do ciclo operacional atual depois do seu vencimento.

Isso é, na verdade, o que caracteriza uma dívida de curto prazo e, geralmente, ela é composta por empréstimos bancários de prazo contraído ou de papéis comerciais emitidos por uma empresa. O valor da conta dessa dívida é muito importante, aliás, para determinar o desempenho de um negócio.

De uma forma mais simples, quanto mais alto for o índice da dívida sobre o patrimônio líquido, maior será a preocupação com a liquidez da empresa. Caso a conta seja maior que o caixa — e os seus equivalentes —, isso sugere que o negócio pode estar com problemas financeiros e, consequentemente, não tem dinheiro o suficiente para arcar com as suas obrigações.

A medida mais comum de liquidez de curto prazo é o índice de liquidez imediata. Ele é essencial para determinar a classificação de crédito de uma empresa que, em última instância, afeta a sua capacidade de conseguir um financiamento.

Quais são os tipos de dívida de curto prazo?

O tipo mais comum de dívida de curto prazo são os empréstimos bancários que não têm um prazo de pagamento muito longo. Eles surgem no balanço de uma empresa quando ela precisa de um financiamento rápido para ajudar nas necessidades de capital de giro. Também é conhecido como “plug de banco”, já que é utilizado para preencher uma lacuna entre as opções de financiamento mais longas.

Outro tipo bastante comum de dívida de curto prazo são as contas a pagar. Essa soma de passivos é utilizada para rastrear todos os pagamentos que estão pendentes devido a partes interessadas e fornecedores externos. Se uma empresa faz a compra de um equipamento que custa R$ 10 mil em crédito de curto prazo — a ser pago em 30 dias, por exemplo —, esse valor é categorizado entre as contas a pagar.

O papel comercial também é um instrumento de dívida de curto prazo que não tem garantia. Normalmente, é utilizado para o financiamento de contas a receber, para atender a passivos de curto prazo como as folhas de pagamento ou para estoques. Ele é considerado como passivo circulante porque o seu vencimento raramente ultrapassa os 270 dias.

Qual a diferença entre dívida de curto prazo e dívida de longo prazo?

A diferença entre uma dívida de curto prazo e uma de longo prazo está, basicamente, no prazo que elas têm para serem liquidadas. Como dito anteriormente, no primeiro caso estão as que o vencimento é inferior a um ano.

Já as dívidas de longo prazo são as que têm o prazo de vencimento superior a 12 meses. A dívida de financiamento, citada anteriormente, se encaixa nesse perfil por conta dessa característica e porque é listada após a parcela do passivo circulante na seção de passivo total no balanço patrimonial de uma empresa.

Termo do dia

Blindagem Patrimonial

Toda pessoa que reúne um patrimônio significativo precisa descobrir formas de protegê-lo, ou seja, de fazer a blindagem patrimonial. Saiba mais!