Economia

A aceleração do Índice de Preços ao Consumidor da cidade de São Paulo (IPC) entre a primeira e a segunda quadrissemana de junho, de 0,52% para 0,68%, sinaliza inflação pressionada e disseminada nos próximos meses, diz o coordenador do levantamento da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), Guilherme Moreira. Segundo o analista, a projeção oficial da instituição - de IPC de 5,4% em 2021 - já está defasada e a tendência é que o índice avance pelo menos 6,0% no ano.

"Saímos de um cenário de inflação muito localizada, concentrada em alimentos, para uma inflação disseminada", afirma Moreira. O índice de difusão do IPC, que mede a proporção de itens com inflação positiva, subiu de 68,9% na primeira quadrissemana para 70,19% nesta leitura. "A inflação dos preços administrados explodiu e tem coisas, como viagens, que vão começar a subir e não tem como segurar. O cenário está complicado neste ano", completa o economista.

Alta dos preços que estava mais concentrada nos alimentos está se espalhando para outros setores

Nesta leitura, Moreira destaca a deflação sazonal de 5,62% dos alimentos in natura, que manteve contida a taxa da Alimentação (-0,02% para 0,01%) e retirou cerca de 0,2 ponto porcentual do IPC. Mas, nas outras aberturas do grupo, houve forte alta em alimentos industrializados (1,61%) e em itens como óleo de soja (2,27%) e derivados do leite (2,32%). "Essa inflação baixa de alimentos é um falso sinal, é uma questão meramente sazonal e passageira", afirma.

O grupo Habitação, por outro lado, acelerou de 0,72% para 1,04%, puxado pela inflação de 4,04% da energia elétrica e de 0,23% do gás de botijão. No critério ponta, que indica tendência, a energia elétrica acelerou de 3,95% para 6,4%, com o início do impacto da bandeira vermelha 2 nas contas de luz. O grupo Habitação, na ponta, avançou de 0,87% para 1,68%.

"Dos grupos que estão subindo, a energia tem um peso alto e, pelo que acompanho de notícias sobre reservatórios e chuva, as perspectivas não são de melhora", diz Moreira.

Segundo o economista, o IPC pode somar alta de até 0,75% em junho e acumular inflação de 3,5% apenas nos seis primeiros meses do ano.

Imagem do autor

Editora do Portal Mais Retorno.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Veja mais Ver mais