Empresa

A Amazon é uma das principais companhias de tecnologia do mundo. Mesmo com a pandemia causada pelo Covid-19 em 2020, a empresa teve um aumento brutal em suas vendas e uma valorização na bolsa espetacular. Neste artigo, você vai conhecer sobre a empresa, sua história, seus principais concorrentes, como investir em ações da Amazon diretamente do Brasil e se vale a pena.

O que é a Amazon?

A Amazon foi fundada em 1994 como uma empresa que apenas vendia livros online. No ano de sua fundação, as vendas online cresceram mais de 2.300%. Com o passar dos anos, a Amazon se tornou a maior empresa do mundo, focada no comércio eletrônico e no setor tecnológico.

A empresa foi criada por Jeff Bezos, em Seattle, nos Estados Unidos, com o nome de Cadabra. Depois disso, a empresa passou a se chamar Relentless e anos mais tarde foi rebatizada de Amazon.

Atualmente, é possível comprar praticamente qualquer coisa no site da Amazon dos Estados Unidos. A companhia vende mais de 100 milhões produtos únicos. No Estados Unidos, a Amazon é responsável por aproximadamente 40% das vendas online. Somente em 2019, a companhia de Jeff Bezos lucrou quase 80 bilhões de dólares.

Cultura de inovação

A Amazon tem uma ligação forte no setor de varejo, onde tem procurado inovar sempre. Ao longo dos anos, a companhia procurou inovar ao cortar custos e reduzir prazo de entregas de forma drástica.

O primeiro serviço criado foi o Amazon Prime, em que os usuários pagavam um preço único anual e não tem mais cobrança de frete. Depois, a empresa criou o Prime Air, em que as entregas são realizadas pelo ar. Sim, as entregas são feitas por drones!

Recentemente, a companhia criou o Amazon Go, em que os clientes podem fazer suas compras nas lojas tradicionais de varejo sem nenhuma interação com os colaboradores. Isso acontece até mesmo no momento do pagamento, que são realizados de forma automática. Isso é possível, pois todos os produtos da loja têm rastreamento em tempo real. Além do setor de varejo, a Amazon inova em diversos outros setores.

Amazon Web Services

Uma das grandes responsáveis pelo sucesso da Amazon na atualidade é a Amazon Web Service – AWS. Essa empresa de cloud computing foi criada em 2006 para prestar serviços tecnológicos, como aluguel de servidores, ao gerenciamento de redes blockchain.

Em 2019, a AWS foi responsável por quase 15% do total dos lucros da Amazon. Atualmente, o serviço é disponibilizado para empresas de quase 200 países. Os datacenters estão localizados nos Estados Unidos, Austrália, Japão, Europa, Cingapura e Brasil.

O CEO Jeff Bezos

Jeff Bezos nasceu em 12 de janeiro de 1964, em Albuquerque, Novo México, nos Estados Unidos. Enquanto cursava Informática e Engenharia Elétrica, Bezos trabalhava no McDonalds para obter uma renda extra.

Depois de formado, Jeff Bezos trabalhou durante anos em Wall Street. Após 4 anos, ele se tornou Vice-Presidente de uma empresa de gestão de fundos de investimento, a D.E.Shaw. Segundo a revista Forbes, a empresa era uma força misteriosa e intrigante do setor financeiro.

Mas o desejo de Jeff Bezos era iniciar seu próprio negócio. Foi assim que a Amazon começou. Após 27 anos da criação da companhia, Jeff Bezos é o homem mais risco do mundo. Sua fortuna está estimada em torno de 113 bilhões de dólares.

Saída da empresa

Em fevereiro de 2021, Jeff Bezos pegou de surpresa todo mercado ao anunciar que que vai deixar o cargo de CEO da Amazon. Bezos elegeu Andy Jassy para ser seu sucessor.

Jassy está na empresa desde 1997 e liderou a implementação da AWS. Ele é o braço direito do homem mais rico do mundo.

A partir de 2022, Jeff Bezos vai continuar na Amazon apenas como presidente do Conselho de Administração.

História da Amazon

Em 1994, Jeff Bezos decidiu largar a vice-presidência da D.E. Shaw e se mudou para Seattle, com sua esposa, para começar uma nova empresa vendendo livros pela internet.

É claro que todo mundo achou esse projeto uma loucura, principalmente porque a internet engatinhava naquele período. Mas Jeff Bezos era obstinado e queria atravessar o país para empreender.

A empresa começou sob o nome Cadabra, mas Bezos decidiu mudar quando um advogado confundiu e chamou a empresa de cadaver. Nesse intervalo, Jeff Bezos cogitou mudar o nome para Relentless (implacável), mas amigos próximos odiaram o nome.

Inspirado no maior rio do mundo, o Amazonas, Jeff Bezos mudou o nome da empresa para Amazon, esperando que um dia ela se tornasse a maior do mundo, o que de fato aconteceu.

A operações da Amazon tiveram início na garagem de Jeff Bezos. A sua mentalidade de trabalho era baseada na filosofia Day One. Em resumo, a filosofia prega que a criatividade e a energia para atender os clientes precisam estar presentes o tempo todo.

No primeiro ano, a Amazon teve um faturamento de 500 mil dólares. Com os anos, Bezos entendeu que era possível vender qualquer coisa pela internet.

Em 1997, a empresa já constava na Bolsa de valores Nasdaq, com o valor de cada ação sendo de 2 dólares.

A empresa de garagem

Quando decidiu começar sua empresa na garagem de sua casa com sua ex-esposa, Mackenzie Bezos, Jeff estava em dúvida entre 20 nichos diferentes do que vender na internet. O casal escolheu a categoria de livros por ter mais itens que as demais e ser mais barata.

Os usuários encomendavam livros de forma online pela Amazon, representando uma grande novidade para a época. Como ele tinha um grande estoque, Bezos firmou parcerias com distribuidoras e atacadistas. A partir daí, conseguiu ter um vasto catálogo virtual de livros.

“Conceitos de Fluídos e Analogias Criativas”, de Doulgas Hogstadter, foi o primeiro livro a ser vendido pela Amazon. É uma obra acadêmica que trata de inteligência artificial.

O sucesso do site da Amazon foi absurdo. No seu primeiro mês de funcionamento, a empresa já recebia pedidos de todos os estados dos Estados Unidos e de mais 45 países.

Dois anos depois, a Amazon tinha 2,5 milhões de livros em seu catálogo, vendendo 148 milhões de dólares.

Mesmo assim, a companhia fechava com números negativos a cada trimestre. Bezos entendia que o importante naquele momento era criar uma infraestrutura forte e tornar a marca conhecida. Ele entendia que a Amazon levaria pelo menos 5 anos para começar a ver lucro. Bezos estava certo. Somente em 2001 a empresa começou a empresar saldo positivo.

A quase falência

Em 1998 e 1999, a companhia passou a comercializar DVDs, CDs e brinquedos eletrônicos. Em 2000, nasceu ao marketplace e a Amazon passou a vender produtos de outras empresas, até mesmo de pessoas físicas, na sua plataforma. A empresa cobrava apenas uma taxa pelo anúncio.

No entanto, no mesmo ano, aconteceu o estouro da bolha da internet, colocando as operações da Amazon em risco. No período, os investimentos e a especulação econômica foram tão altos nas empresas digitais que quebraram a bolsa de Nova Iorque. Com isso, os preços dessas companhias despencaram da noite para o dia.

Em 2000, as ações da Amazon valiam 100 dólares e caíram para 6. Jeff Bezos precisou demitir boa parte da equipe. Devagar, a empresa continuou a operar e conseguiu se reerguer.

Estrutura organizacional da Amazon

Ao longo dos anos, a Amazon entendeu que poderia oferecer para seus clientes muito mais que produtos físicos. Além da plataforma, a Empresa investiu em inovações tecnológicas e criou diversos serviços, como:

Amazon Kindle

O Amazon Kindle foi lançado em 2007. Esse leitor digital foi criado com objetivo para dominar dois mercados que ninguém tinha controle: livros digitais e eReader.

O primeiro modelo lançado tinha apenas teclado físico. O tamanho da tela era de 6 polegadas. O sucesso foi tão grande que só ficou por 5 meses em estoque. Com as evoluções da tecnologia, o formato do Kindle mudou e ficou mais leve, com retroiluminação LED, touchscreen. O Amazon Kindle é o eReader mais famoso do mercado e suas vendas continuam altas.

Amazon Prime Video

O serviço que inicialmente era apenas de entrega mais rápida, com frete incluso, se tornou muito mais. No ano seguinte, o Prime incoporou o Amazon Vídeos. A principal concorrente da Netflix, a Amazon Prime Vídeo, investiu em produções originais, e ano após ano vem ganhando vários prêmios.

Alexa

O novo dispositivo eletrônico de inteligência artificial da Amazon é sucesso de público. A Alexa é uma assistente virtual capaz de informar horas, compromissos, acionar pluges, luzes, câmeras, tocar músicas etc. Sua principal concorrente é a Siri, da Apple.

A Amazon anunciou a chegada da Alexa no intervalo do Super Bowl, pagando 15 milhões de dólares por 1min30seg de comercial.

O dispositivo é um dos principais investimentos da Amazon, por conta do seu sucesso.

Amazon no Brasil

Em 2012, a Amazon chegou no Brasil, vendendo livros digitais e kindle no país. Dois anos depois, a empresa expandiu seus negócios para os livros físicos.

Em 2017, a Amazon instalou o Marketplace no site brasileiro, para que lojistas pudessem vender seus produtos. A empresa mirava em fazer concorrência direta com empresas como Americanas, Submarino, Magazine Luiza, Ponto Frio e Casas Bahia.

A Amazon, no Brasil, promete entrega em até dois dias, com opção de pagamento em 10 vezes no cartão sem juros. Aproximadamente, são vendidos 20 milhões de itens por ano.

O que esperar da Amazon

A tendência é que a Amazon continue a crescer constantemente, criando novos serviços. Sob nova direção, a empresa espera continuar sendo a maior do mundo, atraindo mais clientes.

Concorrentes da Amazon

Considerada a maior empresa do mundo, a Amazon teve sua maior capacidade de mercado em 2019, com quase 88 bilhões de dólares em receita e mais de 800 bilhões de dólares em lucro. Seus principais pontos fortes são:

  1. Diversificação e expansão de negócios.
  2. Marca forte.
  3. Inovação.
  4. Estrutura com baixo custo.
  5. Ótima experiência de usuário.

Mas a empresa ainda tem que melhorar em outros termos, como limitação de lojas físicas, modelo de negócio fácil de imitar, entre outros.

Para cada serviço da Amazon, há vários concorrentes. No setor tecnológico, são Apple e Microsoft. Já no setor de streaming, sua principal concorrente é a Netflix. Na indústria de comércio eletrônico, a concorrência é maior:

As ações da Amazon

Desde 1997, ações da Amazon passaram a ser listadas na bolsa de valores americana – Nasdaq, ao preço de 2 dólares. Atualmente, uma única ação da Amazon (AMZO34) custa no Brasil quase 120 reais. No Estados Unidos, os papéis (AMZN) estão cotados a US$ 3.259.

Apesar de todos os resultados bilionários nos últimos anos, a Amazon não costuma pagar dividendos. A verdade é que a companhia nunca declarou ou pagou proventos em suas ações. De acordo com Bezos, a empresa prefere reinvestir o lucro para desenvolver novos produtos.

Especialistas acreditam que a curto prazo, a empresa não vai mudar essa estratégia. A gestão da Amazon acredita que a valorização das ações é atrativo suficiente para os investidores.

Como investir nas ações da Amazon no Brasil

O investidor brasileiro que está interessado em investir nas ações da Amazon (AMZO34) na bolsa brasileira – B3, deverá adquirir os BDRs no pregão.

Os BDRs (brazilian depositary receipt) são certificados de depósitos de valor mobiliário que representam ações emitidas por empresas localizadas no exterior, mas negociadas localmente.

Para adquirir BDRs da Amazon, o investidor deve abrir uma conta numa corretora autorizada pelo Banco Central e pela B3. A partir daí, o investidor comprará os BDRs da Amazon, sob o código AMZO34.

Investir em BDRs oferece maior facilidade para os investidores que desejam investir em empresas do exterior. Além disso, é uma forma de diversificar sua carteira de investimentos.

Assim como as ações, os BDRs da Amazon são negociados em lotes padrão de 100 certificados. Se o investidor adquirir uma quantidade menor do que é essa, a compra é feita no mercado fracionário.

Como investir nas ações da Amazon na Nasdaq

Para comprar as ações da Amazon diretamente na bolsa de valores americana, a Nasdaq, o processo é similar. O investidor precisa abrir uma conta numa instituição financeira internacional, autorizada pela Nasdaq e enviar os documentos.

A partir daí, o investidor deve transferir o dinheiro para conta internacional. A remessa internacional precisa ser realizada por uma corretora de câmbio ou banco autorizado pelo Banco Central.

Nessa transação, há incidência de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), com alíquota de 1,1% em contas de mesma titularidade, e de 0,38%, se as contas tiverem diferentes titularidades. O imposto de renda para pessoas físicas que aplicam nos Estados Unidos é de 15% sobre o lucro de capital, limitado a 5 milhões de reais. Se os valores forem acima de 30 milhões, a cobrança será de 22,50%.

As ações da Amazon valem a pena?

Em 2020, o crescimento avassalador da Amazon foi interrompido pela pandemia do Covid-19. Suas ações recuaram nos meses de março e abril do ano passado. Mas os feitos do novo coronavírus, incluindo o isolamento social, fizeram as compras online aumentarem. Com isso, as ações da empresa voltaram a disparar.

Os analistas preveem que a empresa vai continuar se valorizando. O mercado de ações é instável, por isso, é destinado para investidores com perfil arrojados. Nesse sentindo, não há investimento 100% seguro, mas a Amazon tem um histórico forte, com portfólio diversificado de investimento, que auxilia a enfrentar o futuro com mais otimismo. A empresa vai continuar por muitos anos sendo relevante no seu segmento. Isso reflete naturalmente no preço das ações.

A empresa é uma das poucas que está avaliada em mais de 1 trilhão de dólares. Suas soluções tecnológicas permitem que a empresa se adapte em mudanças de cenários econômicos. Para 2021, as ações da Amazon vão se valorizar ainda mais.

Imagem do autor

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Visualizar Comentários

Mercado Financeiro
Empresa
Empresa
Empresa
Veja mais Ver mais