Logo Mais Retorno
Economia

China: medidas do governo para conter especulação no setor imobiliário pode desacelerar a economia

Crescimento do PIB chinês pode registrar um crescimento anual entre 3% e 5%, abaixo da média de mais de 6% obtida nos últimos anos

Data de publicação:08/11/2021 às 15:07 -
Atualizado 8 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A campanha agressiva da China para conter a atividade imobiliária especulativa pode desacelerar a taxa de crescimento do país nos próximos anos, segundo economistas, mesmo que o pior cenário - uma grande correção do mercado habitacional com queda acentuada nos preços das residências - seja evitado.

A atividade imobiliária é responsável por cerca de um quarto do Produto Interno Bruto (PIB) chinês e o comportamento especulativo tem apoiado o emprego e a arrecadação de receitas nas cidades há anos. Sem um mercado imobiliário em expansão, é mais provável que a China registre um crescimento anual de cerca de 3% a 5% nos próximos anos, dizem os economistas, em vez da expansão de mais de 6% a que está acostumada.

Foto: Envato
Medidas adotadas pelo governo chinês para conter a especulação no setor imobiliário do país pode desaquecer a economia - Foto: Envato

"Uma campanha bem-sucedida para tornar a habitação mais acessível terá um custo, talvez colocando 5% e 6% do crescimento fora de alcance de forma duradoura", escreveram economistas do Instituto Internacional de Finanças (IIF), em relatório recente.

Projeção para o PIB

O IIF projeta que o PIB da China cresça, em média, 3% a cada ano, entre 2022 e 2031, à medida que sua economia amadurece, a renda per capita aumenta e o setor imobiliário desacelera.

Essa previsão é inferior à taxa média de crescimento anual de 5% que a China precisa manter até 2025 para evitar a armadilha da renda média - um fenômeno no qual as economias em desenvolvimento entram em estagnação antes que a renda das pessoas alcance as economias mais avançadas - de acordo com discursos no início deste ano por Zhu Guangyao, o ex-vice-ministro das finanças da China.

"Simplesmente não há outro setor ou indústria que possa preencher a lacuna se o setor imobiliário não for mais um motor de crescimento", disse Yao Wei, economista da Société Générale em Hong Kong.

As autoridades chinesas há muito enfatizam a necessidade de um crescimento de maior qualidade proveniente do consumo doméstico, em oposição a investimentos em propriedades e infraestrutura.

Após anos de preços residenciais em rápida ascensão e dívidas em alta, as autoridades chinesas impuseram novas regras durante o ano passado com o objetivo de desacelerar o mercado e limitar quanto os desenvolvedores podem pedir emprestado para continuar expandindo.

Essas medidas levaram a uma queda acentuada nas vendas e aumentaram as preocupações de uma possível desaceleração imobiliária severa.

Muitos analistas dizem que Pequim tem muitas ferramentas para conter os danos. No entanto, mesmo uma queda controlada na atividade imobiliária afetará muitas pessoas.

Empresas privadas, como a incorporadora Evergrande, empregam centenas de milhares de trabalhadores em todo o país, ao mesmo tempo que apoiam empresas de construção e outras empreiteiras.

Quase 20% dos 285 milhões de trabalhadores migrantes da China ganharam renda de empregos relacionados à construção em 2020, mostram dados do Escritório Nacional de Estatísticas da China.

Evergrande: US$ 145 mi com venda de ações de tecnologia

A Evergrande levantou cerca de US$ 145 milhões nos últimos dias com a venda de parte de suas ações em uma produtora de filmes e empresa de mídia na internet, a HengTen Networks. Assim, a gigante imobiliária vendeu cerca de 5,7% das ações da HengTen Networks e junta mais dinheiro à medida que os prazos de pagamento de títulos adicionais se aproximam.

As novas movimentações neste mês reduziram a participação da Evergrande de 26,55% para 20,8%, mostraram os registros. A capitalização de mercado da HengTen era de US$ 2,43 bilhões no fechamento do pregão de Hong Kong nesta segunda-feira uma queda acentuada de um pico de mais de US$ 17 bilhões em fevereiro, de acordo com a FactSet.

Em julho, a Tencent pagou à Evergrande cerca de US$ 266 milhões por 7% das ações da HengTen, aumentando sua participação na empresa para 23,9%. Depois da mais recente venda de ações da Evergrande, a Tencent passa a ser a principal acionista da HengTen.

Títulos de dívida

Maior emissor de dívida com classificação de risco na China, com cerca de US$ 20 bilhões em títulos em dólar em circulação, a Evergrande até agora conseguiu evitar um calote fazendo pagamentos de juros vencidos sobre seus títulos internacionais pouco antes do vencimento de seus períodos de carência, de 30 dias.

A empresa lucrou com US$ 128,5 milhões em pagamentos de cupons em outubro, mesmo mês em que vendeu dois de seus jatos particulares para levantar dinheiro.

Em 11 de novembro, há outro prazo para fazer pagamentos atrasados, de US$ 148 milhões, em três outros conjuntos de títulos, de acordo com a empresa de pesquisa de dívida CreditSights. Outros US$ 82 milhões em pagamentos de juros venceram no último sábado sobre títulos em dólar emitidos pela unidade Scenery Journey, e estão sujeitos a períodos de carência semelhantes.

Negociações

Embora a Evergrande não tenha títulos onshore ou offshore com vencimento neste ano, seus títulos de dívida em dólar têm sido negociados em níveis profundamente angustiados, indicando que os investidores esperam que a empresa acabe inadimplente.

A Evergrande tem lutado para vender outros ativos para levantar dinheiro no exterior. No mês passado, a companhia abandonou um plano para levantar US$ 2,6 bilhões com a venda de uma participação majoritária em sua unidade de gestão imobiliária para outro incorporador chinês, e não conseguiu vender seu prédio de escritórios em Hong Kong pelo qual pagou US$ 1,6 bilhão em 2015.

A HengTen era anteriormente conhecida como Mascotte Holdings e costumava ser uma empresa com dificuldades, que fabricava e vendia principalmente acessórios fotográficos.

Em 2015, Evergrande e Tencent tornaram-se seus acionistas controladores e ajudaram a reformular e expandir a produtora em novas linhas de negócios. / com Agência Estado

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!