Empresa

Quase dois anos depois de abrir seu capital, a Vivara continua a ser única representante do setor de joias na Bolsa. Em meio à pandemia de covid-19, que deixou as pessoas em casa, a companhia conseguiu crescer. Uma das razões é que a classe A deixou de gastar com viagens internacionais, direcionando a renda para outros produtos de valor agregado.

Capitalizada, a empresa se prepara agora para colocar na rua uma estratégia de consolidação - poderá, desta forma, fazer a primeira aquisição de sua história.

Foto: Flickr
Vivara atingiu lucro líquido de R$ 81,7 milhões e afirma que já está discutindo a realização de aquisições no mercado - Foto: Reprodução

Em seu balanço, a empresa fundada há 40 anos por Nelson Kaufman diz dominar 14,7% do setor no País, bem à frente das rivais mais próximas. A estimativa é de que a dinamarquesa Pandora e a HStern tenham cerca de 2% de participação cada.

No segundo trimestre, a Vivara viu seu lucro líquido atingir R$ 81,7 milhões, mais do que dobrando em relação ao mesmo período de 2019, ainda antes da pandemia. Na comparação com 2020, a companhia conseguiu reverter um prejuízo. Em um ano, a empresa diz que seu domínio de mercado avançou 3 pontos porcentuais.

Aquisições

Segundo o diretor financeiro e de relações com investidores da companhia, Otavio Chacon Lyra, a companhia já discute internamente a realização de aquisições.

"O setor é dominado por empresas familiares, em um mercado muito fragmentado. Isso está no radar de todos, incluindo investidores financeiros. De qualquer ângulo, a consolidação faz sentido."

Lyra diz que a Vivara deve adquirir uma empresa que as aquisições podem ser de joalherias, mas também se estender a áreas como meios de pagamentos e logística.

O assunto "M&A" (fusões e aquisições, pela sigla em inglês) já vinha dominado reuniões com investidores nas reuniões antes da estreia na B3, em 2019. A negociação com a HStern, por exemplo, chegou a ir para a mesa, mas não avançaram significativamente, segundo fontes.

Apesar da expectativa do mercado, o presidente da companhia, Paulo Kruglensky, diz que a companhia tem um forte potencial de crescimento e que a expansão da rede física vai continuar.

Apenas no segundo trimestre deste ano foram abertas 16 lojas; em julho, vieram mais 8. "A expansão potencial da Vivara é muito grande. A participação em shoppings ainda tem muito a crescer", diz.

Pratas

Outra importante via que vem sendo explorada é da Life, focada em prata, que se tornou uma operação independente. Com um tíquete mais baixo do que o das joias em ouro, a Life atraiu os jovens, que costumam comprar com mais frequência.

Vantagens

O presidente da Sociedade Brasileiro de Consumo e Varejo (SBCV), Eduardo Terra, aponta que a Vivara entrou na pandemia bem estruturada após o IPO, conseguindo aproveitar um momento em que a cesta de consumo dos mais ricos mudou com a restrição de viagens internacionais. Segundo ele, além disso, a Vivara se digitalizou rapidamente.

O terceiro fato que ajudou o negócio durante o isolamento, diz o especialista, foi um ambiente em que os competidores diretos enfrentam dificuldades, deixando o caminho livre para que ela ganhasse terreno. / com Agência Estado

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Veja mais Ver mais